Segunda-feira, 9 de Junho de 2014

193 - Pérolas e diamantes: o faz de conta

 

Os portugueses, honra lhes seja feita, não detestam apenas o cinema português. Basicamente detestam o país em que vivem. E até tem razão para isso. E de sobra.

 

Alguns de nós ainda nos aninhávamos nas nossas cidades como se elas fossem território de democracia, onde podíamos confrontar as nossas diferenças com os outros, onde negociávamos permanentemente a dificuldade de vivermos juntos, desde há séculos.

 

No fundo, a cidade era um território de imprevisibilidade, porque éramos muitos, porque estávamos juntos, porque podíamos aspirar a ser diferentes.

 

Chaves é um território com uma história anterior a nós e que, pensávamos com orgulho e esperança, perduraria depois de nós.

 

Mas pelo caminho que isto leva, qualquer dia somos uma aldeia com muitas casas. Umas de gosto duvidoso, muitas amontoadas em caixotes e ainda outras em ruínas.

 

A cidade definha e nós definhamos com ela. Muitas das pessoas que, nestas últimas décadas, passaram pelo poder autárquico, prometeram-nos desenhar a cidade com a subtileza de um prato de cozinha francesa, sustentando as suas ideias num espavento teórico que nos iludiu a todos. Ou quase.

 

Mas, como todos sabemos, por muito refinado que seja o aparato da cozinha francesa, não há nada que chegue a umas febras de porco bísaro salpicadas apenas com umas pedrinhas de sal e assadas nas brasas.

 

É na simplicidade que encontramos a exigência das coisas. É nela que reside o saber. É ela a mãe da criação.

 

Li em algum lado que o ato de construir teorias é um sinal de inteligência, mas que abster-se de teorizar é um sinal de sabedoria.

 

A teoria recorrente de que os nossos autarcas andavam a criar uma nova cidade, uma cidade sustentável e com futuro, foi um logro do tamanho da torre de menagem. O que sobra é uma cidade a cair aos bocados, sem energia, sem vitalidade e gerida em cima do joelho. E com a astronómica dívida de 60 milhões de euros, mais o IVA. Perdemos tudo o que de valor conquistámos ao longo dos anos: o Tribunal, o Hospital e a Universidade. Menos a honra.  Mas mesmo essa é caso para duvidar.

 

Até porque, depois de perdida a inocência da puberdade, constatámos que o ser humano é, afinal, bem menos simples e idílico do que parece.

 

É uma realidade que Portugal é um país demasiado centrado em Lisboa. Mas também é verdade que isso só acontece porque os políticos originários da província não possuem nem o ímpeto, nem a coragem, de afirmar e defender o interior, como é sua obrigação.

 

Lá vão para a capital e voltam, os que voltam, da capital, acabrunhados, silenciosos, desistentes e frustrados. E assim tem sido sempre. E assim continuará a ser.

 

A política tem a qualidade que os homens e as mulheres que a protagonizam lhe conferem. Nem mais, nem menos.

 

O povo bem continua a apontar aos políticos a estrela polar com o dedo, mas eles, propositadamente, apenas se dedicam a escalpelizar escrupulosamente a ponta do indicador.

 

Perante o descalabro nacional, e concelhio, a maioria dos indivíduos continua ou a assobiar para o lado ou a falar de cor. Comportam-se como as pessoas que, assistindo a um terrível acidente de carro, param no passeio, ou no cruzamento, a comentar o sucedido.

 

Em Chaves, o poder autárquico continua a fazer de conta. No entanto, os flavienses continuam a dizer que não têm culpa. Mas talvez não seja muito acertado falarmos de culpa. Há muito tempo que a culpa já não existe. 


publicado por João Madureira às 07:45
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Herminia Parente a 9 de Junho de 2014 às 09:05
Parabens, muito bom, tudo quanto escreve é pura realidade. Eu amo a minha cidade de Chaves, foi ela que me viu nascer e parte da minha adolescência, tive que partir à busca de melhores oportunidades, voltei para ficar, mas as oportunidades eram escassaz e voltei a partir e asseitei na capital, onde tive oportunidade de vencer. É triste sentir que a nossa terra é a nossa própria madrasta. Obrigada, por esta oportunidade, eu admiro muito tudo o que escreve. Um abraço amigo conterraneo. Herminia Parente


Comentar post

.Keith Jarrett - La Scala

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 11 seguidores

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9


23
24
25

26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Em Chaves

. No Porto

. 368 - Pérolas e diamantes...

. No Porto

. No Porto

. No Porto

. Poema Infinito (380): O p...

. No Porto

. No Porto

. 367 - Pérolas e diamantes...

. Em Montalegre

. Em Montalegre

. ...

. Poema Infinito (379): Pro...

. Em Montalegre

. Em Montalegre

. 366 - Pérolas e diamantes...

. Na Feira dos Santos

. Na Feira dos Santos

. Na Feira dos Santos

. Poema Infinito (378): As ...

. Na Feira dos Santos

. Na Feira dos Santos

. 365 - Pérolas e diamantes...

. Na feira do gado - Santos...

. Na feira do gado - Santos...

. Na feira do gado - Santos...

. Poema Infinito (377): Sím...

. Na feira do gado - Santos...

. Na feira do gado - Santos...

. 364 - Pérolas e diamantes...

. No Louvre

. No Louvre

. ...

. Poema Infinito (376): O d...

. No Louvre

. No Louvre

. 363 - Pérolas e diamantes...

. Louvre - Interiores

. Louvre

. Louvre

. Poema Infinito (375): O g...

. Louvre

. Em Paris

. 362 - Pérolas e diamantes...

. Na aldeia

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (374): Lab...

. Na aldeia

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.Visitas

.A Li(n)gar