Segunda-feira, 16 de Junho de 2014

194 - Pérolas e diamantes: o madeiro da política

 

Com tristeza o digo, até porque foi tarde que o percebi: os flavienses possuem uma genuína vocação para se digladiarem. Deve ser o nosso destino de perdedores que apenas perdem porque se abocanham uns aos outros, ao passo que os outros, sempre unidos, batem em nós com vergastas lisas e verdes, explicando, e sorrindo entre dentes, que nos estão a libertar a pele de impurezas.

 

Já houve períodos em que a cidade possuiu as cores da vida e o fulgor do desenvolvimento. Agora a luz que brilha é apenas a do entardecer. O futuro radioso já não existe. Se calhar nunca existiu. Sobretudo porque deixámos de acreditar nele.

 

O ciclo autárquico do PSD de Chaves começou por tentar refazer a realidade de uma cidade que começava a definhar. E, de mistificação em mistificação, levou-nos, em via-sacra, até à atual situação de descalabro financeiro.

 

De importante já nada possuímos por inteiro. Apenas alguma réstia de dignidade, mesmo que angustiada. E mesmo essa já teve melhores dias.

 

A vida da nossa cidade foi sempre aquela que nos contaram. Agora vemo-la ao espelho e não a reconhecemos. Nem a ela, nem a nós. Apenas nos fica o escorrer das horas amargas porque passamos. E os doze anos de dissimulações, mentiras e omissões.

 

A farsa continua.

 

É verdade que em plena campanha eleitoral, a máquina eleitoral do PSD nos caiu em cima e nos pregou uma boa sova. Mas nós também lhe aplicámos alguns ganchos de esquerda e de direita, para não se ficarem a rir. 

 

Olhando agora para o lado da oposição tradicional ficámos com a imagem de frangos de cabeça baixa dando bicadas entre si, momentos antes de lhes torcerem o pescoço. Foi esse equívoco que o povo de Chaves puniu.

 

Na política, a oposição corrige a honestidade, no poder agrava-a.

 

A prática política local entre o PSD e o PS faz lembrar aquelas pessoas que vão aos bailes e comentam enquanto batem com as taças de champanhe umas nas outras: “Afinal não é preciso ter as mesmas ideias para se dançar o tango.”

 

Aprendi com Machado de Assis que, como diz o provérbio, não é a ocasião que faz o ladrão, mas sim que a ocasião faz o furto. O ladrão nasce feito.

 

A mistificação, e a encenação política, de António Cabeleira e, por que não dizê-lo com frontalidade, de João Neves, fazem lembrar a Cabocla do Castelo, identificada pelo Mestre Assis em Esaú e Jacó, que afirmava adivinhar tudo o que era e o que viria a ser, conhecendo até o número da sorte grande, só não o dizendo nem comprando o bilhete para não roubar os escolhidos de Nosso Senhor.

 

Relativamente a João Batista, o cargo de Secretário da CIM até que não lhe cai mal. Ele é um homem simpático. Sempre foi. A agitação do poder até lhe retirou alguma gravidade. Quieto não fica nada mal.

 

Além disso, como leitor de Machado de Assis, aprendeu com o médico e político José da Costa Marcondes Aires, que nas controvérsias uma opinião dúbia ou média pode trazer a oportunidade de uma pílula, pois compunha-as de tal modo que o enfermo, se não sarava, não morria, que era, como todos sabemos, o que naquele tempo faziam as pílulas.

 

Já os estou a ouvir comentar como o amigo do Rubião que isto da política pode ser comparado à paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo; pois por aqui não falta nada, “nem o discípulo que nega, nem o discípulo que vende. Coroa de espinhos, bofetadas, madeiro, e afinal morre-se na cruz das ideias, pregado pelos cravos da inveja, da calúnia e da ingratidão…”


publicado por João Madureira às 07:45
link do post | favorito
|
Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog tem comentários moderados.


.Keith Jarrett - La Scala

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 11 seguidores

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9


23
24
25

26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Em Chaves

. No Porto

. 368 - Pérolas e diamantes...

. No Porto

. No Porto

. No Porto

. Poema Infinito (380): O p...

. No Porto

. No Porto

. 367 - Pérolas e diamantes...

. Em Montalegre

. Em Montalegre

. ...

. Poema Infinito (379): Pro...

. Em Montalegre

. Em Montalegre

. 366 - Pérolas e diamantes...

. Na Feira dos Santos

. Na Feira dos Santos

. Na Feira dos Santos

. Poema Infinito (378): As ...

. Na Feira dos Santos

. Na Feira dos Santos

. 365 - Pérolas e diamantes...

. Na feira do gado - Santos...

. Na feira do gado - Santos...

. Na feira do gado - Santos...

. Poema Infinito (377): Sím...

. Na feira do gado - Santos...

. Na feira do gado - Santos...

. 364 - Pérolas e diamantes...

. No Louvre

. No Louvre

. ...

. Poema Infinito (376): O d...

. No Louvre

. No Louvre

. 363 - Pérolas e diamantes...

. Louvre - Interiores

. Louvre

. Louvre

. Poema Infinito (375): O g...

. Louvre

. Em Paris

. 362 - Pérolas e diamantes...

. Na aldeia

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (374): Lab...

. Na aldeia

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.Visitas

.A Li(n)gar