Segunda-feira, 30 de Abril de 2007

Plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong…

 

 

Plong, plong, plong, plong, plong, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, plong, plong, plong, plong, plong, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, plong, plong, plong, pling, pling, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, pling, plong, poongzungting, poongzungting, peng, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, pung, poongzungting, pung, poongzungting, poongzungting, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, peng, pung, poongzungting, pung, poongzungting, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, poongzungting, peng, pung, poongzungting, plong, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, plong, plong, plong, plong, plun, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, pung, poongzungting, poongzungting, peng, pung, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, poongzungting, pung, poongzungting, poongzungting peng, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, pung, poongzungting, pung, poongzungting, poongzungting, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, plang, plong, plang, plong, pling, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, pang, poongzungting, pling, plang, plong, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, plong, plong, plong, plong, plong, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, plong, plong, poongzungting, poongzungting, peng, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, pung, poongzungting, pung, poongzungting, poongzungting, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, peng, pung, poongzungting, pung, poongzungting, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, poongzungting, peng, pung, poongzungting, poongzungting, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, poongzungting, peng, pung, poongzungting, pung, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, poongzungting, poongzungting peng, pung, poongzungting, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, pung, poongzungting, poongzungting peng, pung, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, poongzungting, plong, plong, plong, plong, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, plong, plong, pung, poongzungting, poongzungting, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong,  peng, pung, poongzungting, pung, poongzungting, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, poongzungting, peng, pung, poongzungting, pung, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, poongzungting, poongzungting, plong, plong, plong, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, plong, plong, plong, pung, poongzungting, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, poongzungting, peng, pung, poongzungting, pung, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, poongzungting, poongzungting, peng, pung, poongzungting, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, pung, poongzungting, poongzungting, plong, plong, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, plong, plong, plong, plong, plong, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, plong, plong, pling, pang, pong, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, pung, plong, plong, plong, plong, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, plong, plong, poongzungting, pang, pong, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, poongzungting, pang, pong, pung, poongzungting, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, plong, plong, plong, plong, plong, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, plang, plong, plang, plong, pling, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, plong, plong, plong, plong, plong, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, plong, plong, plong, plong, plong, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, plong, plong, plong, plong, plong, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, plong, plong, plong, plong, pling, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, pling, pling, plong, pang, poongzungting, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, pling, plang, plang, plong, plang, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, plong, pling plong, plong, plong, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, plong, plong, plong, plong, plong, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, plong, plong, plong, plong, plong, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, plong, plong, plong, plong, plong, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong, plong, plong, plong, plong, plong, plong-poongzungting-poongzungting, pang-pong, pfind, tong


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 29 de Abril de 2007

A exaltação da futilidade

 

Vivemos os tempos da exaltação da futilidade.

O segredo misterioso desvaneceu-se e a misteriosa profundidade da sabedoria humana é, nos dias que nos tocam viver, motivo de chacota.

Eu ainda sou do tempo em que nos deixávamos inebriar pela aura misteriosa do desígnio humano e tentávamos interpretar o sofrimento em vez de exprimir a sua acção inibidora.

Considerávamos que a intenção tinha muito maior preponderância porque ocorria dentro da alma de cada um e, por isso, libertava todas as possibilidades da imaginação.

Desprezávamos interpretar a acção porque, afinal, é sempre absurda ou necessariamente controlável, não deixando nenhuma diligência à espontaneidade.

Por fim ficávamos atrapalhados com tudo o que é definido como realidade.

Será que a realidade existe?

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sábado, 28 de Abril de 2007

Diário da Guerra aos Porcos – Parte I (segundo Adolfo Bioy Casares)

 

«Néstor articulou estas misteriosas palavras:

– Previno-te sobre uma ou outra consequência de que mais vale não falar.

Quanto a não discutir, Vidal dá-lhe razão. A falar ninguém se entende.»

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 27 de Abril de 2007

A sabedoria e a esperteza

 

Um governo de boas ideias antigamente chamava-se governo de sabedoria.

Agora os executivos só administram por decretos, desprezando as ideias, os princípios, as ideologias, apenas baseando a sua actuação em administrar por éditos.

São estes, não os governos da sabedoria, mas, antes, os governos da esperteza.

Segundo Hannah Arendt, “levar em conta motivos e objectivos ulteriores é esperteza, enquanto compreender e criar algo por dedução, a partir de princípios geralmente aceites, é sabedoria”.

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 26 de Abril de 2007

Cada vez mais…

 

Quase todos os meios de comunicação nos transmitem imagens que nos lembram a relação cada vez mais estreita entre a banalidade e a brutalidade do nosso mundo.

Tem este “voyeurismo” a capacidade de nos transportar para o centro da sociedade de consumo, onde tudo é cada vez mais desprovido de qualquer valor, onde tudo é falsamente importante, falsamente inteligente, falsamente belo, falsamente atraente.

E, logo depois, esta banalização dos conceitos desagua numa outra, a dos discursos delicodoces dos nossos governantes e nas proclamações inverosímeis da oposição.

Cada vez mais o absurdo desta insípida vida democrática nos encaminha para o “desejo irracional” da apologia da repressão.

Parece que não nos resta outra hipótese do que fazer troça da nossa própria desgraça para assim podermos preservar a nossa sanidade mental.

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 25 de Abril de 2007

A inteligência do sábio

 

A escrita, segundo Amos Oz, é a maneira de “refrear e polir o sofrimento”.

E, já agora que estou com as mãos na massa “oziana”, cada vez mais percebo a sábia filosofia da sua avó quando afirmava: “Este móvel é tão feio que quase é belo”; ou “Deus dói tanto, tanto, tanto, que começa a dar-me vontade de rir”; ou, ainda, “aquele sábio tornou-se tão inteligente que já não percebe quase nada”.

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 24 de Abril de 2007

Revolução e Contra-Revolução

 

No preciso momento em que o capitão Durão Clemente (ver registo na Internet) expressava, no dia 25 de Novembro de 1975, via TV, um elogio à revolução e aos revoltosos, no sentido de prosseguir Abril, deu-se uma cena de ópera bufa: a emissão foi interrompida e, de seguida, a RTP começou a pôr no ar um filme do cómico Danny Kaye.

Perante o ridículo da situação, o povo português apercebeu-se de que os revolucionários, afinal, não valiam uma preocupação.

E, entre gargalhadas, ficou provado que o humor quase sempre se sobrepõe à tragédia.

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 23 de Abril de 2007

Pling, plank, pleng...

 

Pling, plang, plink, plong, plang, plank, pling, pling, pling, pleng, plenk, plink, plank, plang...


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 22 de Abril de 2007

Reflexos

 

O tempo é uma desilusão.

O mesmo se pode dizer do silêncio rútilo dos espelhos.

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 21 de Abril de 2007

Tradições

 

Um dos maiores defeitos dos portugueses é a falta de pontualidade. Quase sempre chegam atrasados a tudo. E fazem-no com uma ligeireza, e uma descontracção, que raia a insolência.

No sentido de justificarem tal falta de rigor civilizacional, são lestos a proclamarem a expressão desculpabilizante: “desculpem-me pelo atraso”. E é tudo.

Quando alguém lhes chama a atenção para o facto de que é possível, e desejável, ser-se pontual, a desculpa surge pronta e em forma redonda: “Mas como?”

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 20 de Abril de 2007

Fidelidade

 

 

O que é importante na vida de cada pessoa, e fundamental no ser humano, é a lealdade que cada um deve a si próprio.

Não é o sucesso das nossas ideias o que as torna boas, é, antes, a fidelidade que lhes consagramos.

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 19 de Abril de 2007

Conflitos

 

O conflito entre Israelitas e Palestinianos é um choque entre quem tem razão e… quem tem razão. E isto é humano. É possível. É verdadeiro.

Os Palestinianos estão na Palestina porque essa é a sua pátria.

Os Judeus Israelitas estão em Israel porque esse é o seu verdadeiro lar.

Os palestinianos até tentaram viver noutros países dos seus “irmãos” árabes. Só que cedo descobriram que essa era uma enorme falácia, pois foram sistematicamente humilhados, rejeitados e perseguidos pelos seus putativos “familiares”.

Os Judeus tiveram idêntica experiência histórica. Foram perseguidos, mortos ou expulsos da Europa durante décadas.

A elite intelectual europeia pensa que este conflito é apenas um enorme mal-entendido. Que com um pouco de confraternização festiva tudo vai ao lugar.

Só que as coisas não são assim tão simples.

Árabes Palestinianos e Judeus Israelitas têm toda a razão do mundo para quererem a sua terra, que é a mesma terra.

E isso é uma tragédia terrível.

Por isso só lhes resta uma solução, a busca de um compromisso. Esse é o caminho da vida.

O contrário é fanatismo e morte.

Quem tapa as portas com tijolos e cimento vai ter, mais dia, menos dia, de as deitar abaixo.

Não existe outro caminho disponível.

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 18 de Abril de 2007

Procura

 

Detesto viver no meio do barulho.

Ando à procura do silêncio, pois só nele sou capaz de encontrar a tranquilidade a que tanto aspiro.

É o silêncio a essência da pureza e da simplicidade.

Tenho um sonho recorrente: o de viver no isolamento, numa paisagem árida, inculta, onde as ervas, os arbustos e as árvores se instalem de forma espontânea.

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 17 de Abril de 2007

Alastramentos

 

Dizem que o bem se alastra de uma maneira misteriosa. Eu penso que o mal também. Penso, até, que o mal se alastra mais e de maneira muito mais misteriosa que o bem. Isto é, partindo do princípio de que o bem se alastra. Pressuposto do qual duvido com algum rigor e também certa amargura.


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 16 de Abril de 2007

Pleng-plink-pang...

 

Plong, plong, plong, plong, plong, pleng-plink-pang, plong, plong, plong, plong, plong, pleng-plink-pang, plong, plong, plong, pling, pling, pleng-plink-pang, pling, plong, ping, ping, peng, pleng-plink-pang, pung, ping, pung, ping, ping, pleng-plink-pang, peng, pung, ping, pung, ping, pleng-plink-pang, ping, peng, pung, ping, plong, pleng-plink-pang, plong, plong, plong, plong, plun, pleng-plink-pang, pung, ping, ping, peng, pung, pleng-plink-pang, ping, pung, ping, ping peng, pleng-plink-pang, pung, ping, pung, ping, ping, pleng-plink-pang, plang, plong, plang, plong, pling, pleng-plink-pang, pang, ping, pling, plang, plong, pleng-plink-pang, plong, plong, plong, plong, plong, pleng-plink-pang, plong, plong, ping, ping, peng, pleng-plink-pang, pung, ping, pung, ping, ping, pleng-plink-pang, peng, pung, ping, pung, ping, pleng-plink-pang, ping, peng, pung, ping, ping, pleng-plink-pang, ping, peng, pung, ping, pung, pleng-plink-pang, ping, ping peng, pung, ping, pleng-plink-pang, pung, ping, ping peng, pung, pleng-plink-pang, ping, plong, plong, plong, plong, pleng-plink-pang, plong, plong, pung, ping, ping, pleng-plink-pang,  peng, pung, ping, pung, ping, pleng-plink-pang, ping, peng, pung, ping, pung, pleng-plink-pang, ping, ping, plong, plong, plong, pleng-plink-pang, plong, plong, plong, pung, ping, pleng-plink-pang, ping, peng, pung, ping, pung, pleng-plink-pang, ping, ping, peng, pung, ping, pleng-plink-pang, pung, ping, ping, plong, plong, pleng-plink-pang, plong, plong, plong, plong, plong, pleng-plink-pang, plong, plong, pling, pang, pong, pleng-plink-pang, pung, plong, plong, plong, plong, pleng-plink-pang, plong, plong, ping, pang, pong, pleng-plink-pang, ping, pang, pong, pung, ping, pleng-plink-pang, plong, plong, plong, plong, plong, pleng-plink-pang, plang, plong, plang, plong, pling, pleng-plink-pang, plong, plong, plong, plong, plong, pleng-plink-pang, plong, plong, plong, plong, plong, pleng-plink-pang, plong, plong, plong, plong, plong, pleng-plink-pang, plong, plong, plong, plong, pling, pleng-plink-pang, pling, pling, plong, pang, ping, pleng-plink-pang, pling, plang, plang, plong, plang, pleng-plink-pang, plong, pling plong, plong, plong, pleng-plink-pang, plong, plong, plong, plong, plong, pleng-plink-pang, plong, plong, plong, plong, plong, pleng-plink-pang, plong, plong, plong, plong, plong, pleng-plink-pang, plong, plong, plong, plong, plong, pleng-plink-pang


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 15 de Abril de 2007

Diário da Guerra aos Porcos

 

 

Aqui há uns dias deparei-me com um parágrafo de Bioy Casares que, pela pertinência associativa com o momento social e político que vivemos, não resisto a partilhar com todos vós.

“As pessoas afirmam que muitas explicações convencem menos do que uma só, mas a verdade é que há mais de uma razão para quase tudo. Dir-se-ia que se encontram sempre vantagens para prescindir da verdade”.

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 14 de Abril de 2007

Revelações

 

Por vezes surgem-me, como fragmentos distorcidos de memória, revelações que são como a claridade breve dos relâmpagos em noites de trovoada.

Logo de seguida, a saudade desses momentos gloriosos de simplicidade abatem-se sobre mim como uma forte bátega de água na varanda do meu descontentamento.

Depois a vida retoma o seu caminho normal tal como quando a chuva forte, aos poucos, se vai transformando em leve chuvisco.

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 13 de Abril de 2007

Desafectação

 

Aqueles que exercem o poder gostam de nos fazer pensar que defendem os nossos interesses. Mas a grande maioria apenas pensa em si mesmos.

As pessoas verdadeiramente iluminadas não precisam de dizer que o são, nem de discursar sobre o inefável.

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 12 de Abril de 2007

As epifanias da realidade

 

Há pessoas que confundem as palavras com a realidade.

Mas é verdade que a ficção cria a sua própria verdade, que pode ser real ou não.

Cada vez acredito mais que a escrita pode, e deve, dar forma à realidade.

Por vezes existem momentos verdadeiramente únicos. Só que, para nossa desgraça, a vida raramente pára nos momentos de transcendência.

Aquilo que as pessoas procuram quando, por exemplo, lêem um livro, ou descobrem um “blog”, ouvem um disco de Jazz ou vêm um filme de Stanley Kubrick, não é exclusivamente a realidade, mas antes a revelação da verdade.

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 11 de Abril de 2007

Deambulações semânticas

 

Apesar das aparências de futilidade, sou daqueles que me preocupo com o que as pessoas pensam. Não propriamente sobre o que pensam de mim – cada vez mais isso me é indiferente –, mas sim sobre o que pensam do mundo.

Mas também vos digo que há por aí muito boa gente que faz exactamente aquilo que finge não fazer.

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Terça-feira, 10 de Abril de 2007

O risco de errar

 

 

O senhor primeiro-ministro já descobriu que ninguém é muito melhor ou muito pior do que os outros.

Parece que as pessoas, quando são boas num aspecto, são piores noutro.

Nem sempre existem as respostas apropriadas para todas as perguntas. Mas é sempre possível encontrar algo apropriado para responder, mesmo que não seja lá muito brilhante. E isso é preferível a  virar as costas e não nos arriscarmos a errar.

Há na nossa vida colectiva pessoas que andam constantemente a meter-se na vida dos outros.

Mas situações diferentes exigem respostas diferentes. Só que no nosso país esse princípio tão simples não é praticado.

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 9 de Abril de 2007

Pling-Plank

 

Plung, plung, plung, plung, plung, pling-plank, plung, plung, plung, plung, plung, pling-plank, plung, plung, plung, pling, pling, pling-plank, pling, plong, ping, ping, peng, pling-plank, pung, ping, pung, ping, ping, pling-plank, peng, pung, ping, pung, ping, pling-plank, ping, peng, pung, ping, plung, pling-plank, plung, plung, plung, plung, plun, pling-plank, pung, ping, ping, peng, pung, pling-plank, ping, pung, ping, ping peng, pling-plank, pung, ping, pung, ping, ping, pling-plank, plang, plong, plang, plong, pling, pling-plank, pang, ping, pling, plang, plong, pling-plank, plung, plung, plung, plung, plung, pling-plank, plung, plung, ping, ping, peng, pling-plank, pung, ping, pung, ping, ping, pling-plank, peng, pung, ping, pung, ping, pling-plank, ping, peng, pung, ping, ping, pling-plank, ping, peng, pung, ping, pung, pling-plank, ping, ping peng, pung, ping, pling-plank, pung, ping, ping peng, pung, pling-plank, ping, plung, plung, plung, plung, pling-plank, plung, plung, pung, ping, ping, pling-plank,  peng, pung, ping, pung, ping, pling-plank, ping, peng, pung, ping, pung, pling-plank, ping, ping, plung, plung, plung, pling-plank, plung, plung, plung, pung, ping, pling-plank, ping, peng, pung, ping, pung, pling-plank, ping, ping, peng, pung, ping, pling-plank, pung, ping, ping, plung, plung, pling-plank, plung, plung, plung, plung, plung, pling-plank, plung, plong, pling, pang, pong, pling-plank, pung, plung, plung, plung, plung, pling-plank, plung, plung, ping, pang, pong, pling-plank, ping, pang, pong, pung, ping, pling-plank, plung, plung, plung, plung, plung, pling-plank, plang, plong, plang, plong, pling, pling-plank, plung, plung, plung, plung, plung, pling-plank, plung, plung, plung, plung, plung, pling-plank, plung, plung, plung, plung, plung, pling-plank, plung, plung, plung, plung, pling, pling-plank, pling, pling, plong, pang, ping, pling-plank, pling, plang, plang, plong, plang, pling-plank, plong, pling plong, plung, plung, pling-plank, plung, plung, plung, plung, plung, pling-plank, plung, plung, plung, plung, plung, pling-plank, plung, plung, plung, plung, plung, pling-plank, plung, plung, plung, plung, plung, pling-plank


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 8 de Abril de 2007

Não basta ler o ponto pelo visor imperceptível

 

 

Todos notamos que o líder do PS anda tão autoritário com os outros que se esqueceu de si próprio.

À mulher de César não lhe basta ser séria, tem de parecê-lo.

E pela boca morre o peixe.

E pelos tiques morre o líder autoritário.

Se alguém tem de assumir uma função pública, o primeiro que se lhe exige é a manifestação de reserva.

Para se ser líder não é suficiente ler o ponto. Mesmo que seja transparente. É preciso acrescentar um ponto. Ou algo pelo estilo.

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 7 de Abril de 2007

Não podemos ignorar… mas devíamos

 

Eu sei, todos sabemos. E não podemos ignorar. O nosso corajoso primeiro-ministro anda com problemas. Ele, que até é um homem sensível, deve andar arrasado. E eu até consigo imaginar as provações que enfrenta. E sem nada ter contribuído para isso. Pelo menos conscientemente.

A ignorância é o melhor estado de alma. Só os ignorantes são felizes.

A verdade, é que quanto mais conscientes somos, mais difícil tudo se torna, inevitavelmente.

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 6 de Abril de 2007

Ó…

 

 

 

Esta é a história do Ó. Do Ó que dói. Do Ó. Do Ó que educa. Do Ó que é Ó e que não é cocó… fonia. Do Ó que é não é Totó…loto.

Esta não é a história. Esta não é história. Esta é Misericórdia.

Esta quer ser a história do Só. A história que é o Dó de estar S…, apesar do Ó. Ou de querer ser Si sem ser Fá. Ou de querer ser Ré sem ser Mi. De ser Dó, Ré, Mi, Fá, Só, Lá, Si… Dó, Ré, Mi, Fá, Só, Lá, Si… Dó, Ré, Mi, Fá, Só, Lá, Si… Dói-me a Alma. E isto não é música.

Isto são balões de ensaio.

Escura é a noite.

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 5 de Abril de 2007

O desespero da espera

 

 

 

Hoje vou sentar-me aqui no meio do jardim e ficar à espera que passe a procissão.

Também ao que me falta para esperar o melhor é esperar sentado. E rodeado de mulheres.

Bem vistas as coisas, uma pessoa passa a vida sempre à espera.

À espera de crescer, à espera de passar nos exames, à espera dos amigos, à espera da namorada, à espera de concluir o curso, à espera do primeiro emprego, à espera do primeiro filho, à espera de poder comprar um carro, à espera do empréstimo para comprar casa, à espera do segundo filho, à espera de ir de férias, à espera da manhã para ir trabalhar, à espera do meio-dia para ir almoçar, à espera das cinco da tarde para ir lanchar, à espera das 20 para ir jantar, à espera da meia-noite para ir dormir, à espera da sexta-feira para ir de fim-de-semana, à espera do sábado para ir às compras, à espera do domingo para ir ao futebol, ou à missa, ou ir almoçar fora, à espera que acabe a segunda-feira pois não há quem aguente o primeiro dia de trabalho semanal, à espera da quarta para ir à feira, ou ao mercado, à espera da Primavera para ver as flores, à espera que acabe a Primavera por causa das alergias ao pólen das flores, à espera do Verão para ir para a praia, à espera do Outono porque já ninguém aguenta o calor do Verão, à espera dos Santos por causa da tradição, à espera que acabem os Santos por causa do barulho e dos magotes de pessoas que invadem a cidade, à espera do Inverno porque sim, à espera de Dezembro por causa do Natal, à espera da Páscoa por causa do folar, à espera que passe a Páscoa porque o folar começa a fazer mal, à espera das eleições para mudar de governo, à espera que o governo caia porque mentiu aos eleitores, à espera de eleições antecipadas para mudar novamente de governo, à espera dos netos, à espera dos genros, à espera das noras, à espera de uns, à espera de outros, à espera de…, sempre à espera de…, sempre à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera, à espera… rrrrrrrrrrr…rrrrrrrrrr…rrrrrrrrrr…

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 4 de Abril de 2007

Ângulos de vista

 

 

 

A educação é como um ângulo.

 

A educação básica é como o ângulo recto. É a medida elementar a partir da qual se podem medir e nomear os outros ângulos: o obtuso, o agudo, ou o raso, ou o giro, ou mesmo o ângulo nulo.

Também existe o ângulo da visão, o ângulo de visão, a perspectiva angular.

 

Há perspectivas para tudo. Existem perspectivas de tudo. Dizem mesmo que tudo é relativo. Até a educação. Até o ângulo da visão.

São os acasos ângulos formativos relativamente premonitórios.

 

Sendo assim, aqui vos deixo alguns exemplos angulares para meditação.

 

As citações que se seguem foram retiradas da obra “A História de Murasaki”, de  Liza Dalby.

 

Exemplo de perspectiva em ângulo agudo:

“Fui descobrindo as idiossincrasias dos outros. Algumas pessoas que nos queriam mal olhavam-nos directamente com malícia e espalhavam rumores terríveis sobre nós, de uma maneira que visava melhorar a sua própria reputação. Eram óbvias e era relativamente fácil lidar com elas. Mas outras escondiam os seus verdadeiros sentimentos e pareciam muito simpáticas ao primeiro contacto. Infelizmente só descobri isso ao fim de muito tempo e foi para mim uma dolorosa surpresa”.

 

Exemplo de perspectiva em ângulo recto:

“É uma ilusão pensar que podemos prever sempre todas as consequências dos nossos actos”.

 

Exemplo de perspectiva em ângulo obtuso:

“Há pessoas com tão bom carácter que chegam a amar quem as odeia”.

 

Novo exemplo de perspectiva em ângulo recto que está intrinsecamente ligado com a citação anterior:

“Sempre achei isso impossível e desconfio de tanta bondade”.

 

Exemplo de perspectiva em ângulo raso ou giro:

“No mundo real não é razoável esperar que aqueles a quem fazemos mal não nos retribuam na mesma moeda. Aqueles que se dão ao trabalho de prejudicar os outros merecem ser postos a ridículo, bem como as pessoas que agem sem pensar e causam dano, ainda que sem intenção.

 

Exemplo de perspectiva a partir do ângulo recto:

“A estupidez e a falta de atenção não têm desculpa”.

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 3 de Abril de 2007

O sentido da vida

 

 

O sentido da vida é fácil de compreender. Para tal torna-se necessário imaginar um cenário que inclua uma lâmpada acesa e uma escada. A lâmpada pode ser à vontade do freguês, bem assim como a escada.

Depois é só pensar que temos de subir a escada e chegar até á lâmpada.

Lá chegados, é necessário descansar um pouco, para, de seguida, iniciarmos o processo de descida.

Devemos proceder sempre com cuidado, muito cuidado. Um pé depois do outro e assim sucessivamente.

Chegados ao chão, devemos descansar outro bocado e devemos voltar a subir.

É necessário agir com determinação, pois quanta mais determinação pusermos na tarefa mais a vida ganha sentido.

Depois voltamos a descer, pé ante pé.

Nunca nos devemos esquecer de descansar entre cada tarefa, é essa a explicação do sentido das férias na vida de cada um.

Novamente devemos subir até ao topo, onde a lâmpada continua a alumiar.

De seguida devemos voltar a descer, mas com muito cuidado, como já atrás dissemos.

Depois devemos voltar a subir com determinação, pé ante pé, até ao topo.

E depois devemos voltar a descer e com muito cuidado, já que descer é mais difícil que subir. Além disso exige mais concentração e determinação.

Depois voltamos a subir, descansamos, e voltamos a descer, descansamos, e voltamos a subir.

E assim devemos actuar até que alguém apague a luz.

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 2 de Abril de 2007

Ping, ping peng, pung, ping, plink…

 

 

 

Ping, ping, peng, pung, ping, plink, pung, ping, ping, peng, pung, plink, ping, pung, ping, ping, ping, plink, ping, peng, pung, ping, pung, plink, ping, ping, peng, pung, ping, plink, pung, ping, ping, peng, pung, plink, ping, plung, plung, plung, plung, plink, plung, plung, pung, ping, ping, plink, peng, pung, ping, pung, ping, plink, ping, peng, pung, ping, pung, plink, ping, ping, peng, pung, ping, plink, plung, plung, plung, plung, plung, plink, plung pung, ping, ping peng, plink, pung, ping, pung, ping, ping, plink, peng, pung, ping, pung, ping, plink, ping, plung, plung, plung, plung, plink, plung, plang, plong, plang, plong, plink, pling plung, plung, plung, plung, plink, plung, plung, plung, plung, plung, plink, plung, plung, plung, plung, plung, plink, plung, plung, plung, plung, plung, plink, pling, pling, pling, plong, pang, plink, ping, pling, plang, plang, plong, plink, plang, plong, pling, plong, plung, plink, plung, plung, plung, plung, plung, plink, plung, plung, plung, plung, plung, plink, plung, plung, plung, plung, plung, plink, plung, plung, plung, plung, plung, plink, plung, plung, plung, plung, plung, plink…

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 1 de Abril de 2007

Vozes no escuro

 

 

De repente deixei de te ver. De repente tudo ficou escuro. Muito escuro. Onde estás? Por favor diz-me onde estás. Diz qualquer coisa. Por favor, diz qualquer coisa para eu sentir que ainda estás aí. Vá lá. Não brinques comigo dessa maneira, que me assustas. E eu já estou assustada que chegue. Já é suficientemente assustador ver tudo escuro, agora não te ouvir é aterrador. Por favor, diz qualquer coisa. Gosto de ouvir a tua voz. Gosto de te ouvir falar. Do teu tom de voz. Da segurança da tua voz. Da tranquilidade com que dizes as coisas mais incómodas, ou as mais doces. Transmites-me paz de espírito. Onde estás? Onde estás? Onde estás? Está aí alguém? Ei, está aí alguém? Por favor, diz-me onde estás. Está aí alguém? Ei, ei, ei! Está aí alguém? Diz-me se ainda aí estás. Deixa-me ouvir a tua voz. Por favor. Ou, ou, ou, ei ei, ei! Está aí alguém? Por favor, diz qualquer coisa. Por favor. Deixa-me ouvir a tua voz. Quero ouvir mais uma vez a tua voz. Nem que seja a última. Por favor. Por favor. Por favor. A tua voz. Deixa-me ouvir a tua voz, nem que seja esta a última vez.


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|

.Keith Jarrett - La Scala

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9


22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. 355 - Pérolas e diamantes...

. Pose e olhares

. Homens, chouriças e garra...

. Homem sentado com vara

. Poema Infinito (367): A t...

. Na conversa

. Pensando

. 354 - Pérolas e diamantes...

. Porto - Sardinhas - S. Jo...

. Porto - Ponte D. Luís

. Porto - Telhados, Barcos ...

. O poema infinito

. Porto - Casas

. Porto - Bicicleta

. Como se escreve um haiku

. Porto - Ponte D. Luís

. Porto - Ribeira - São Joã...

. Porto - Ribeira - São Joã...

. Poema Infinito (366): A i...

. Porto - São João

. Porto - Ribeira

. 353 - Pérolas e diamantes...

. Na aldeia

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (365): As ...

. Na aldeia

. Feira dos Povos - Chaves

. 352 - Pérolas e diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (364): A b...

. No Barroso

. No Barroso

. 351 - Pérolas e diamantes...

. Na aldeia

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (363): Med...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 350 - Pérolas e diamantes...

. O músico e o santo

. Músicos

. Olhares

. Poema Infinito (362): Flo...

. Onde está o Dinis?

. Dar de beber a quem tem s...

. 349 - Pérolas e diamantes...

.arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.tags

. todas as tags

.Visitas

.A Li(n)gar