Terça-feira, 23 de Dezembro de 2008

Ser ou não...

 

 

Estas são as visões minuciosas.


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 22 de Dezembro de 2008

Plooong...

 

 

Pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, pling, plooong…


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 21 de Dezembro de 2008

O silêncio é luz

 

 

O vento louco desliza pela montanha à procura do vale. Uma criança põe o dedo numa pedra fria. A lua repete-se no rio. Ignoro quem dorme. O tempo contempla a noite desconcentrada. As estrelas envolvem a água rutilante. O silêncio é luz.


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 20 de Dezembro de 2008

Não é a alma...

 

 

Não é a alma que fixa o dia. É o brilho da chuva. Lembra-te que no silêncio das vozes indistintas há ainda dores por ler.


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 19 de Dezembro de 2008

As definidas sombras de Inverno

 

 

Este é o homem que não existe, certo de que não existia, porque o seu espaço é claro e reservado.

As horas inclinam-se e cantam, tu, porém, inclinas o rosto para o tempo da razão.

De geração em geração, as leis são manifestas.

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 18 de Dezembro de 2008

Os incêndios altíssimos

 

 

Deitado repousa o pássaro de fogo que ameaça a tensão da tua língua que permanece presa na desordem da matéria como se tu fosses apenas um sistema de sangue nervoso pulsando junto às raízes da dança poderosa que é fonte geradora do desejo e por isso há quem diga que as raparigas já não são divinas mas o mar vive para matar saudades do sal da terra e as portas enfrentam o nada como se de nada se tratasse e assim crescemos com a boca cheia de água e com incêndios altíssimos chegados no tempo da respiração irrequieta e a alegria salta no peito soberano dos cavalos e alguém apoiado na harmonia sonha que é louco e assim sucessivamente…


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 17 de Dezembro de 2008

Prece para quem aspira ao poder

 

 

Este mundo é tão absurdo que para se conquistar o poder é preciso espezinhar a amizade.

A conquista do poder é como um conto de Henry James: deliberadamente ambíguo.

Mas estou em crer que o exercício do poder é como um conto de Melville: não se consegue explicar.

No entanto, quando penso nestas coisas tristes, socorro-me Ataar, o místico poeta persa autor do d’A linguagem das Aves, e rezo: «Senhor, se te adoro por temor do Inferno, queima-me no Inferno, se te adoro com a esperança do Paraíso, exclui-me do Paraíso; mas se te adoro por ti mesmo, não me negues a tua imperecível formosura».

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 16 de Dezembro de 2008

O que se sente

 

 

 

Passamos uma vida a intuir coisas. Por exemplo, para Borges existe transmissão de pensamento e, na sua opinião, é algo que acontece constantemente. Estamos sempre a receber mensagens. E a enviá-las também. Dizem que é dessa troca que surge a amizade, o amor, a inimizade e até o ódio.

Recorrendo novamente a Borges: “Tudo isso não provém do que se diz, mas sim do que se sente”.

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 15 de Dezembro de 2008

Pling, plang, plong, pling, pling, pling...

 

 

Pling, plang, plong, pling, pling, pling, plong, plang, ping, ping, ping, ping, plang, plong, ping, ping, plang, plong, pling, pling, pling, plong, plang, ping, ping, ping, ping, plang, plong, ping, ping, plang, plong, pling, pling, pling, plong, plang, ping, ping, ping, ping, plang, plong, ping, ping, plang, plong, pling, pling, pling, plong, plang, ping, ping, ping, ping, plang, plong, ping, ping, plang, plong, pling, pling, pling, plong, plang, ping, ping, ping, ping, plang, plong, ping, ping, plang, plong, pling, pling, pling, plong, plang, ping, ping, ping, ping, plang, plong, ping, ping…


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Domingo, 14 de Dezembro de 2008

Brilham as mãos abertas

 

 

 

Retorna a escuridão. As faíscas do lume agigantam-se para o abismo. Há um alento nas coisas feitas que são exemplos para o convívio. Fica-se sempre mais maduro quando partilhamos a amizade. Brilham os sorrisos nas mesas rápidas da magia do sangue, da música e das vozes abertas que aumentam os homens. Brilham as mãos abertas nos sorrisos dos amigos.

 

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Sábado, 13 de Dezembro de 2008

A velocidade dos mapas

 

 

Quando se escreve as letras descascam-se. O silêncio acode ao sangue. A velocidade dos mapas estremece como as folhas dos livros sagrados.


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 12 de Dezembro de 2008

A chuva abre os corpos

 

A chuva abre os corpos quando o dia tropeça nos ramos dos violinos. Junta-se o sonho com a chuva. Descobri que as asas descem à velocidade das cores.


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 11 de Dezembro de 2008

Inclinações

 

As ruas estreitam e as pessoas fogem das suas inclinações.


publicado por João Madureira às 14:53
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 10 de Dezembro de 2008

O sentido do infinito

 

 

Lá em baixo o rio corre em pequeninas ondas.

A ponte observa o tempo. 

O tempo observa as flores.

As flores observam o céu. 

O céu observa o céu.


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 9 de Dezembro de 2008

O espírito

 

 

O espírito vem do ar. Os espíritos invocadores depressa protegem as crianças.

As mulheres verdes dançam num mar de gemidos.

O espírito que purifica a terra vem do ar. Daí também vem a chuva e o sol e a noite e as estrelas.  

Os magos sofrem com a rude beleza do vício das glicínias. Elas não sofrem por causa da beleza. Elas são a beleza.

O ar é o segredo. A imagem forte do ar. A imagem forte da suspensão. A imagem rápida dos olhares loucos dos amantes.

Por fim as ilhas acolhem de braços abertos os anjos deslumbrados.

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 8 de Dezembro de 2008

Pling, pling, pling...

 

 

Ploooooong...


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 7 de Dezembro de 2008

Toda a dor vibra

 

Toda a dor vibra. Nas noites coladas de respiração, os movimentos atónitos intrínsecos dos gemidos ferem e produzem orgasmos. Sinto que sou como um membro directo em rota de colisão com um corpo inteiro onde uma estrela vibrante percorre as fibras dos órgãos depurados. Não é dor. Nunca é paixão. É uma casa astrológica movida pelo ciciar dos suspiros.


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 6 de Dezembro de 2008

Gravam-me nos olhos

 

 

Gravam-me nos olhos o sabor intenso do sonho. Não há violência nas minhas visões, só a brancura da ameaça de morte. O espelho é uma nebulosa perfeita. Só o nó da natureza atrapalha o sexo nuclear. Há na inspiração uma claridade assimétrica. Ainda há quem queira voar nas fendas profundas e bivalves de desejo.


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 5 de Dezembro de 2008

Trilogia Humana

 

 

Plínio, na sua “História Natural”, afirma que não existe ninguém mais desgraçado nem mais orgulhoso do que o ser humano, e que nenhum ser tem a vida tão frágil nem uma paixão tão ardente.


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 4 de Dezembro de 2008

Uma estrela selvagem fere…

 

 

Uma estrela selvagem fere os olhos dos deuses. Tu cantas à porta do paraíso. A ideia move-se sem melancolia. No teu colo a eternidade é uma zona perfeitamente delimitada. Os animais sonhadores cantam as cidades antigas. Tu és o braço esquerdo de uma rapariga de Jerusalém. A tua alma cresce como a fúria de um caçador.


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 3 de Dezembro de 2008

O mundo não acaba nas mãos...

 

 

O mundo não acaba nas mãos cheias dos milionários. O tempo enrola-se como um gato que adormeceu ao sol. O silêncio toma conta do mundo e as folhas sombrias dos abetos caem redondas na inércia das sombras das utopias. Tu sabes que sim, que a língua é como um fluxo de seiva sufocante. Os teus dedos são como rios tristes que deslizam na pele húmida.


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 2 de Dezembro de 2008

Alguém presente o crime…

 

 

Mais uma violência atravessa as salas espelhadas das estações. O lume repete a exaltação das chamas da inocência. A tua boca ilumina os animais obscuros. Cerca-me o teu rosto na truculência da matéria. Alguém presente o crime de escrever a frase magnífica.


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 1 de Dezembro de 2008

Plong, plong, pling…

 

 

Plong, plong, pling, plong, plong, pling, plong, plong, pling, plong, plong, pling, plong, plong, pling, plong, plong, pling, plong, plong, pling, plong, plong, pling, plong, plong, pling, plong, plong, pling, plong, plong, pling, plong, plong, pling, plong, plong, pling, plong, plong, pling, plong, plong, pling, plong, plong, pling, plong, plong, pling, plong, plong, pling, plong, plong, pling, plong, plong, pling, plong, plong, pling…


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|

.Keith Jarrett - La Scala

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9



31


.posts recentes

. No trabalho

. 344 - Pérolas e diamantes...

. São Sebastião - Vilarinho...

. São Sebastião - Couto Dor...

. Couto de Dornelas (III)

. Poema Infinito (356): O a...

. São Sebastião - Couto Dor...

. S. Sebastião - Couto de D...

. 343 - Pérolas e diamantes...

. A gaivota (III)

. A gaivota (II)

. A gaivota

. Poema Infinito (355): O n...

. Maresias (II)

. Maresias

. 342 - Pérolas e diamantes...

. HAZUL - Porto

. The Augustus no Porto

. A ponte é uma miragem...

. Poema Infinito (354): Um ...

. Interações

. Diversões...

. 341 - Pérolas e diamantes...

. Assando sardinhas - S. Jo...

. Ribeira - Porto - S. João...

. Porto - Ribeira - São Joã...

. Poema Infinito (353): O e...

. Ribeira - Porto - S. João...

. Estação de S. Bento - Por...

. 340 - Pérolas e diamantes...

. Cabo da Roca

. Cabo da Roca

. Cabo da Roca

. Poema Infinito (352): Out...

. Na exposição

. Cavalos no Barroso

. 339 - Pérolas e diamantes...

. Janela

. Eira

. Garrafeira

. Poema Infinito (351): A c...

. À porta

. Reflexos

. 338 - Pérolas e diamantes...

. A vendedora de fumeiro

. O sapateiro

. O barrosão

. Poema Infinito (350): Inv...

. O camarada

. O artesão

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.tags

. todas as tags

.Visitas

.A Li(n)gar