Terça-feira, 31 de Março de 2009

Se pretender ascender a uma forma superior de vida…

 

 

 

"Proponho que, se pretender ascender a uma forma superior de vida, o mais distante possível da forma de vida animal, terá de começar a inverter o processo de narração, ou seja, a desligar o televisor, a minimizar o tempo que passa a ler jornais, a ignorar os blogues. Treine a sua capacidade de raciocínio para controlar as suas decisões; elimine o Sistema 1 (o sistema heurístico ou experiencial) das decisões importantes. Treine-se para detectar a diferença entre o sensacional e o empírico. Este isolamento da toxicidade do mundo terá um benefício adicional e melhorará o seu bem-estar. Tenha também em conta o quão superficiais somos em relação à probabilidade, a mãe de todos os conceitos abstractos. Não precisa de fazer muito mais para obter um conhecimento mais profundo das coisas que o rodeiam. Acima de tudo aprenda a evitar o «o efeito de túnel»."

 

O Cisne NegroNassim Nicholas Taleb Edições Dom Quixote

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 30 de Março de 2009

Plong, plong, plong, plong...

 

 

 

Plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong,plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong,plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong,plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong,plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong,plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong,plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong,plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong,plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong,plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong,plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong,plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong,plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong,plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong,plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong,plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong,plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong,plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong,plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong,plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong,plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong…

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 26 de Março de 2009

O dia seguinte à Revolução

 

 

“E no outro lado estava eu, encostado na cama em frente, namoriscando com a minha história. Observado pelos olhos da Maria José, via em mim um jornalista jovem que estava num hotel da Rua 42, em Nova Iorque, em Manhattan, no centro do mundo, como se costuma dizer. Talvez um romancista enganado, um tipo que acertava nas questões periféricas mas a quem escapava a medula. Um tipo bem-intencionado, evidentemente de esquerda, mas de esquerda comedida, um desses companheiros de viagem, um tonto útil, aproveitável nos estádios anteriores à Revolução, mas que convinha fuzilar no dia seguinte a tomar o poder. Um tipo, porque não, com quem se podia foder, até mesmo que se podia ler para passar o tempo, enquanto as condições objectivas faziam o seu trabalho e as condições internas do sistema aceleravam a chegada da História.”

 

“O Mundo”Juan José Millás - Planeta

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 24 de Março de 2009

Crescer

 

 

“O meu pai chamava crescer a tornar-se rico.

- E tu?

- Eu o quê?

- A que chamas crescer?

Deteve-se por um momento observando-me como se eu fosse um marciano.

- A sério que não sabes a que chamo crescer?

- Talvez sim, mas quero que ponhas palavras àquilo que eu penso.

E pôs sem pudor palavras ao que ela chamava crescer, que acabou por consistir num conjunto de ambições de manual de esquerda expressas numa linguagem parecida com a que anos mais tarde descobriríamos nos livros de auto-ajuda. Nisso, pelo menos (em levar uns anos de vantagem à explosão da auto-ajuda), parecia realmente ter-se adiantado.”

 

“O Mundo”Juan José Millás - Planeta

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 23 de Março de 2009

Pling, pling, plong...

 

 

 

Pling, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong, pling, pling, plong…

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 19 de Março de 2009

O Poeta e o Político

 

 

«A propósito de Rojas Giménez, direi que a loucura, certa loucura, anda muitas vezes de braço dado com a poesia. Assim como custaria muito às pessoas equilibradas serem poetas, talvez custe muito aos poetas serem equilibrados. No entanto, a razão ganha sempre a partida, e é a razão, base da justiça, que deve governar o mundo. Miguel de Unamuno, que estimava muito o Chile, disse certo dia: “O que não me agrada é esse dilema. Que é isso de pela razão ou pela força? Pela razão e sempre pela razão.»

 

Confesso que ViviPablo Neruda

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 17 de Março de 2009

A moeda distinta

 

 

«Acalento a esperança de, um dia, ver a ciência e os decisores redescobrirem aquilo que os antigos sempre souberam, designadamente que a nossa moeda mais valiosa é o respeito.

(…) O economista William Baumol chama a isto “um toque de loucura”, podendo, na verdade, aplicar-se a todos os negócios concentrados: olhando para o registo empírico, não só observamos que os capitalistas de risco ganham mais do que os empresários, como os editores ganham mais do que os escritores, os galeristas ganham mais do que os artistas e a ciência ganha mais do que os cientistas (cerca de 50 por cento dos artigos científicos e académicos, resultantes de meses, por vezes anos, de esforço, nunca são verdadeiramente lidos). A pessoa envolvida neste tipo de jogos é paga numa moeda distinta do sucesso material: a esperança.»

 

O Cisne NegroNassim Nicholas Taleb Edições Dom Quixote

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 16 de Março de 2009

Plang, plang, Broouuum...

 

Plang, plang, Broouuuum, plang, plang, plang, Broouuuum, long, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, Broouuuum, plang, Broouuuum, plang, plang, Broouuuum, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang,plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, Broouuuum plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, Broouuuum, Santa Bárbara bendita \ Que no céu está escrita, \ Com a sua torrinha na mão, \ Peço a Nosso Senhor, \ Que não venha mais trovão. \\ Chagas abertas, coração feliz, \ Espírito Santo, Nosso Senhor Jesus Cristo, \ Broouuuum Se meta entre nós e o perigo. \\ Barborinha, barbarão. \ Pela barquinha passou. \ - Bárbara, tu ondes vais? \ Ó senhor eu ao céu vou,\ Desmanchar a trovoada, \ Broouuuum Que vós lá tendes armada, \ _ Pois vai, passa com ela ao mar marinho\ Onde não haja pão nem vinho, \ Nem bafo de menininho, \ Nem areinha de sal, \ Nem cousa que faça mal. \ Pela Graça de Deus e da Virgem Maria. \ Padre Nosso Avé Maria. Broouuuum Broouuuum      

plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang,plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang,plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang, plang,plang, plang, plang, plang, plang, plang…

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 13 de Março de 2009

Como se tudo fosse inverosímil

 

 

Alguém vem detrás do mundo e estremece até cegar. Tem as mãos densas de nevoeiro e diz: amo docemente os amigos que são infelizes, aqueles que se extinguem no meio do sono apaixonados pelo silêncio e pelas cabeças de pedra das estátuas que fazem guarda nas portas da loucura e também os que gravitam na cegueira dos estandartes e das campânulas de vidro dos que participam na redenção dos profetas e que por isso são eternos nas imagens queimadas e nos vestidos pintados das mulheres que amadurecem prodigiosamente ao deslocarem-se para sul. Não há mais nada a não ser a inocência triste do pavor, como se alguém pregasse uma luz oculta debaixo dos dédalos que sobrevêm sem imagens. Ou melhor, sem a sua dilatação resplandecente. Por isso introduzimos as palavras nos campos e nas casas como se tudo fosse inverosímil.


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 10 de Março de 2009

É tudo tão difícil de entender!

 

Pintaste a tua cara de alegria, duma alegria redonda, perfeita para dias felizes. Pintaste o dia de azul, dum azul quase vivo, como se ele tivesse participado na claridade do início do mundo. Respiraste o ar puro e ligeiramente ácido com aroma a laranjeiras. O teu olhar nascia a cada segundo, como para dar vida à natureza. O dia pareceu-nos eterno. Foi eterno até que acabou. Os dias são eternos quando olho para ti. Os teus olhos são eternos quando olhas para mim. A luz clara do amanhecer iluminou o teu rosto e tu ficaste como o sol, cheia daquela luz que cega se olhada de frente. Quando o dia decai, as tuas mãos desenham sentimentos perdidos com a voracidade dos deuses da sobrevivência. Eu escrevo poemas de amor em folhas verdes de árvores virgens e frondosas. Dizes-me para ter cuidado com as metáforas pois elas matam o amor. Eu digo-te que o amor também mata as metáforas. Depois sorrimos. Os sorrisos são metáforas e não matam o amor. É tudo tão difícil de entender!


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 9 de Março de 2009

Pleng, broouuuum, Santa Bárbara, pleng...

 

 

 

Pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, Brooouuuuom, pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, Brouum, pleng, pleng, pleng, Broooouuuuuuuum,pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, Brouuuum pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, pleng, Brooouuuuom, Santa Bárbara bendita \ Que no céu está escrita, \ Com a sua torrinha na mão, \ Peço a Nosso Senhor, \ Que não venha mais trovão. \\ Chagas abertas, coração feliz, \ Espírito Santo, Nosso Senhor Jesus Cristo, \ Brooouuuum Se meta entre nós e o perigo. \\ Barborinha, barbarão. \ Pela barquinha passou. \ - Bárbara, tu ondes vais? \ Ó senhor eu ao céu vou,\ Desmanchar a trovoada, \ Broouuuum Que vós lá tendes armada, | _ Pois vai, passa com ela ao mar marinho, \  Onde não haja pão nem vinho, \ Nem bafo de menininho\ Nem areinha de sal… Broouuuum Broouuuum      

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 5 de Março de 2009

E...

 

 

E então aconteceu, a Joana pôs-se de pé e…

De repente algo aconteceu, a Joana levantou-se e….

De súbito algo aconteceu, a Joana levantou-se e…

Surpreendentemente algo ocorreu, a Joana levantou-se e…

Inesperadamente algo sucedeu, a Joana levantou-se e….

Foi então que algo aconteceu, a Joana ergueu-se repentinamente e…

Foi nesse momento que algo ocorreu, a Joana levantou-se subitamente e…

Sem ninguém se aperceber, algo perturbou o silêncio no café, a Joana afastou a cadeira, levantou-se e…

Não sei bem como aquilo aconteceu, a Joana olhou para mim, pulou da cadeira e…

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Terça-feira, 3 de Março de 2009

Eis os modelos retóricos

 

 

Eis os modelos retóricos da vida: amor e morte. O amor é uma nostalgia infinita. A morte é a natureza. Depois alguém vê o mar, toma o barco e deixa de esperar. Durante a vida conquistamos a experiência segura da indeterminação, a linguagem corporal dos viajantes, os deuses luminosos do deslumbramento. Quem persegue a escrita redime-se pelos elementos luminosos do sofrimento. As falésias acentuam o desnível dos gritos. A voz antiga cumpre o ritual. O que está escrito não mexe.


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 2 de Março de 2009

Plong, plong, plong, plong, plang, Broouuuum...

 

Plong, plong, plong, plong, plang, Broouuuum, long, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, Broouuuum, plong, plong, plong, Broouuuum,plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, Broouuuum plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, plong, Broouuuum, Santa Bárbara bendita \ Que no céu está escrita, \ Com a sua torrinha na mão, \ Peço a Nosso Senhor, \ Que não venha mais trovão. \\ Chagas abertas, coração feliz, \ Espírito Santo, Nosso Senhor Jesus Cristo, \ Broouuuum Se meta entre nós e o perigo. \\ Barborinha, barbarão. \ Pela barquinha passou. \ - Bárbara, tu ondes vais? \ Ó senhor eu ao céu vou,\ Desmanchar a trovoada, \ Broouuuum Que vós lá tendes armada, \ _ Pois vai, passa com ela ao mar marinho… Broouuuum Broouuuum      


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|

.Keith Jarrett - La Scala

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 11 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Na cozinha

. Na cozinha

. Na cozinha

. Poema Infinito (383): Par...

. Na cozinha

. Na cozinha

. 370 - Pérolas e diamantes...

. No Louvre

. No Louvre

. No Louvre

. Poema Infinito (382): Rev...

. No Louvre

. Em Paris

. 369 - Pérolas e diamantes...

. Na aldeia

. Na Abobeleira

. Amizade e sorrisos

. Poema Infinito (381): Cru...

. Em Chaves

. No Porto

. 368 - Pérolas e diamantes...

. No Porto

. No Porto

. No Porto

. Poema Infinito (380): O p...

. No Porto

. No Porto

. 367 - Pérolas e diamantes...

. Em Montalegre

. Em Montalegre

. ...

. Poema Infinito (379): Pro...

. Em Montalegre

. Em Montalegre

. 366 - Pérolas e diamantes...

. Na Feira dos Santos

. Na Feira dos Santos

. Na Feira dos Santos

. Poema Infinito (378): As ...

. Na Feira dos Santos

. Na Feira dos Santos

. 365 - Pérolas e diamantes...

. Na feira do gado - Santos...

. Na feira do gado - Santos...

. Na feira do gado - Santos...

. Poema Infinito (377): Sím...

. Na feira do gado - Santos...

. Na feira do gado - Santos...

. 364 - Pérolas e diamantes...

. No Louvre

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.Visitas

.A Li(n)gar