Quinta-feira, 31 de Dezembro de 2009

Portefólio – Bento da Cruz – 50 anos de vida literária


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|

Portefólio – Bento da Cruz – 50 anos de vida literária


publicado por João Madureira às 21:00
link do post | comentar | favorito
|

Portefólio – Bento da Cruz – 50 anos de vida literária


publicado por João Madureira às 20:00
link do post | comentar | favorito
|

Portefólio – Bento da Cruz – 50 anos de vida literária


publicado por João Madureira às 19:35
link do post | comentar | favorito
|

Portefólio – Bento da Cruz – 50 anos de vida literária


publicado por João Madureira às 19:00
link do post | comentar | favorito
|

Portefólio – Bento da Cruz – 50 anos de vida literária


publicado por João Madureira às 18:00
link do post | comentar | favorito
|

Portefólio – Tâmega (em) cheio


publicado por João Madureira às 16:00
link do post | comentar | favorito
|

Portefólio – Tâmega (em) cheio


publicado por João Madureira às 15:00
link do post | comentar | favorito
|

Portefólio – Tâmega (em) cheio


publicado por João Madureira às 14:00
link do post | comentar | favorito
|

Portefólio – Tâmega (em) cheio


publicado por João Madureira às 13:00
link do post | comentar | favorito
|

Portefólio – Tâmega (em) cheio


publicado por João Madureira às 12:00
link do post | comentar | favorito
|

Os dois tipos de riso

 

“Com a neurobiologia, Matt aprendeu que há dois tipos de riso diferentes. O riso Duchenne (cujo nome deriva do pioneiro da neurofisiologia G.B.A. Duchenne de Boulogne, cujo livro The Mechanisms of Human Facial Expression foi publicado em 1862) constitui a reacção espontânea e carregada de emoção às brincadeiras nas crianças e às situações que despertam o humor nos adultos, como as anedotas, os trocadilhos e as peripécias de uma comédia, que partilham todas as características da incongruência e do inesperado num ambiente social seguro. As cócegas, as perseguições e o súbito aparecimento de um rosto podem provocar nas crianças o riso ou o medo, consoante a maneira como forem interpretados. Escorregar numa casca de banana é divertido, a menos que a pessoa se magoe a sério. O riso não Duchenne é mais estratégico, menos espontâneo e nem sequer precisa de ser acompanhado pelo humor. A conversa normal é muitas vezes acompanhada pelo riso, o que o falante usa para sublinhar uma observação e o ouvinte para indicar apreço. Este tipo está bem integrado na conversa, ao contrário do mais «genuíno» riso Duchenne, que pode levar a conversa até uma paragem por perda de fôlego ou dificuldade de respiração. Alem de lubrificar a conversa normal. O riso não Duchenne é usado para distender situações tensas (riso nervoso), para fazer os outros sentirem-se pouco à vontade (riso malévolo) e para outros fins estratégicos. Os estudos neurobiológicos mostram que o riso Duchenne activa antigos circuitos cerebrais que têm a ver com as brincadeiras e com as emoções positivas em todos os primatas e, na realidade, na maioria dos mamíferos. Só o riso não Duchenne activa zonas do cérebro associadas com as nossas capacidades cognitivas avançadas.

(…) Em termos simples, podemos dizer que, antes de falarem ou até de pensarem em termos humanos, os nossos antepassados provavelmente já se riam.”

 

 

A Evolução Para Todos David Sloan Wilson Gradiva

 


publicado por João Madureira às 10:00
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 30 de Dezembro de 2009

Portefólio – Tâmega (em) cheio


publicado por João Madureira às 23:00
link do post | comentar | favorito
|

Portefólio – Tâmega (em) cheio


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
|

Portefólio – Tâmega (em) cheio


publicado por João Madureira às 21:00
link do post | comentar | favorito
|

Portefólio – Tâmega (em) cheio

 


publicado por João Madureira às 20:00
link do post | comentar | favorito
|

Portefólio – Tâmega (em) cheio


publicado por João Madureira às 18:59
link do post | comentar | favorito
|

Portefólio – Noite


publicado por João Madureira às 10:00
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 29 de Dezembro de 2009

Existem palavras…

 

Há palavras que é preciso imaginar dentro dos seus sons. Há palavras pacientes. Há palavras criptogâmicas que demandam a perseverança através do oscilar da noite. Há palavras como os passos apressados, como os gritos surdos dos desventurados. Há palavras que se nos dirigem em bicos de pés, palavras desconexas que se esforçam em ser tempo e voz e silêncio. Há palavras caladas como buracos, palavras sucessivas que se dispersam pela Primavera. Há palavras de dor que caminham com gestos espantados pela floresta lenta. Há palavras que são mundos surpreendidos. Há palavras pesadas como chumbo que sentem o desespero das mulheres. Há palavras que são caminhos, existem outras que possuem a transparência da água e outras que são esforço. Há palavras que flutuam debaixo da chuva. Há palavras pronunciadas com medo de pousar nos ouvidos da morte. Há palavras que são lágrimas. Há outras que são candeias. Há palavras que ressuscitam o mundo e outras que calam ditadores. Há palavras que fecham os olhos para não agitarem as trevas. Há palavras como pedras, outras como o vento, outras como desfiladeiros. Há palavras que crescem dentro dos sonhos. Há palavras esquecidas e existem outras que são o próprio esquecimento. Há palavras como catedrais e outras como naves e ainda outras como cidades incompletas. Há palavras desejadas. Há palavras impostas. Há palavras afogadas. Há palavras estranhas. Há palavras fechadas e outras abertas. Há palavras virgens. Há palavras que crescem e há palavras que mingam. Há palavras que morrem. Há palavras subterrâneas que se levantam aos gritos por dentro do espanto. Há palavras espantadas. Há palavras policiais, há palavras políticas, há palavras que não se ouvem. Há palavras que são peixes e outras que são flores. Há palavras que são túmulos. Há palavras que se criam dentro das próprias palavras. Há palavras lentas. Há palavras apressadas. Há palavras ferozes. Há palavras que perguntam. Há palavras que respondem. Há palavras que são sítios imóveis. Há palavras que ardem, há palavras que choram. Há palavras que são como as mãos de Deus. Há palavras que fizeram o mundo. Há palavras deformadas. Há palavras geladas e existem outras que queimam. Há palavras tão grandes como o universo. O universo é uma palavra com todas as outras palavras dentro. Há mesmo palavras que já atravessaram o inferno. Há palavras coléricas. Há palavras prestigiadas. Há palavras fascinadas. Há palavras que são astros. Há palavras obscuras e outras que simplesmente são terríveis. Há palavras libertas. Há palavras tremendas. Há palavras delirantes. E há palavras que são raízes.


publicado por João Madureira às 10:00
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 28 de Dezembro de 2009

Portefólio – Feira dos Santos – Chaves – PB

 


publicado por João Madureira às 16:00
link do post | comentar | favorito
|

Portefólio – Feira dos Santos – Chaves – PB


publicado por João Madureira às 14:00
link do post | comentar | favorito
|

Portefólio – Feira dos Santos – Chaves – PB


publicado por João Madureira às 12:00
link do post | comentar | favorito
|

Portefólio – Feira dos Santos – Chaves – PB


publicado por João Madureira às 10:00
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 27 de Dezembro de 2009

Portefólio – São Caetano/Ervededo


publicado por João Madureira às 16:00
link do post | comentar | favorito
|

Portefólio – São Caetano/Ervededo


publicado por João Madureira às 14:00
link do post | comentar | favorito
|

Portefólio – São Caetano/Ervededo

 


publicado por João Madureira às 12:00
link do post | comentar | favorito
|

Portefólio – São Caetano/Ervededo


publicado por João Madureira às 10:00
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 26 de Dezembro de 2009

Portefólio – Litoral (Quarteira)


publicado por João Madureira às 10:00
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 25 de Dezembro de 2009

Portefólio – Chaves/Bragança, de carro


publicado por João Madureira às 16:00
link do post | comentar | favorito
|

Portefólio – Chaves/Bragança, de carro


publicado por João Madureira às 14:00
link do post | comentar | favorito
|

.Keith Jarrett - La Scala

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 11 seguidores

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. No Porto

. Poema Infinito (380): O p...

. No Porto

. No Porto

. 367 - Pérolas e diamantes...

. Em Montalegre

. Em Montalegre

. ...

. Poema Infinito (379): Pro...

. Em Montalegre

. Em Montalegre

. 366 - Pérolas e diamantes...

. Na Feira dos Santos

. Na Feira dos Santos

. Na Feira dos Santos

. Poema Infinito (378): As ...

. Na Feira dos Santos

. Na Feira dos Santos

. 365 - Pérolas e diamantes...

. Na feira do gado - Santos...

. Na feira do gado - Santos...

. Na feira do gado - Santos...

. Poema Infinito (377): Sím...

. Na feira do gado - Santos...

. Na feira do gado - Santos...

. 364 - Pérolas e diamantes...

. No Louvre

. No Louvre

. ...

. Poema Infinito (376): O d...

. No Louvre

. No Louvre

. 363 - Pérolas e diamantes...

. Louvre - Interiores

. Louvre

. Louvre

. Poema Infinito (375): O g...

. Louvre

. Em Paris

. 362 - Pérolas e diamantes...

. Na aldeia

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (374): Lab...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 361 - Pérolas e diamantes...

. Cestos

. Sentadas

. Bancos de pedra

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.Visitas

.A Li(n)gar