Segunda-feira, 1 de Maio de 2017

340 - Pérolas e diamantes: A luz do público

 

 

Sim, houve tempos em que se passava no adro para ir para a escola; em que as crianças andavam descalças ou de socos, fato de cotim e que traziam no saco de pano um naco de broa e uma sardinha, ou um pedaço de toucinho, que lhe dava para todo o dia; em que uns poucos usavam sapatos e outros não; em que a maioria dos largos eram de terra batida; em que a estratificação social era grande; em que os filhos dos operários e dos outros pobres não iam para o liceu; em que cada estação do ano tinha os seus jogos; em que se jogava ao botão, ao pião, à bilharda, ao espeto; em que se jogava futebol com uma bola de trapos.

 

Até existiam reacionários e revolucionários, comunistas e fascistas. E havia pintores, como Júlio Pomar, que pintava quadros do almoço dos trolhas, com as suas lancheiras e as mãos cheias de calos.

 

Agora há nostalgia. E crise. E uma coisa chamada lifestyle, que é uma forma de anestesia social. Houve uns tempos em que se comia nos restaurantes, agora leva-se de novo a lancheira para o emprego, muito dele precário e a recibos verdes. As lancheiras são, contudo, personalizáveis. E estilizadas, querendo sugerir uma alimentação saudável, prenúncio de uma escolha individual.

 

A crise funciona como uma inversão em termos de estatuto social. Até a esquerda mais radical e utópica surge como “conservadora”, pois passou a reivindicar o inamovível Estado Social. Parece que as classes socias desapareceram. Já ninguém questiona nada. Mesmo o PCP se transformou num partido social-democrata, abandonando a luta de classes para apenas reclamar a reposição de empregos de longa duração e de salários.

 

Agora os licenciados trabalham em centrais telefónicas e os investigadores de pós-doutoramento mendigam uma bolsa que mal lhes dá para sobreviver.

 

Os ricos buscam a antiga aura das elites e refugiam-se nos solares espalhados pela província. Apenas o galo de Barcelos ganhou dimensão. A autenticidade portuguesa, à maneira de Joana Vasconcelos, reduz-se a um galináceo com cinco metros de altura. E a virilidade lusa viu-se enfiada num invólucro de croché.

 

O combate ideológico é apenas aparente, pois onde não existem ideias não pode existir ideologia.

 

A verdade é que o capitalismo triunfou porque tem a capacidade de tudo integrar. Até a esquerda. Maria do Céu Guerra definiu essa situação: “Pode ser-se de esquerda e ter práticas, processos, que são de direita”.

 

A televisão acaba por ser o grande uniformizador nacional. As elites, sejam de esquerda ou de direita, veem os mesmos canais e o povo segue-lhes as pisadas, pois, sendo de direita ou de esquerda, partilha os mesmos hábitos, gostos e práticas.

 

As elites leem o livro Mindfulness. Atencão Plena, enquanto meditam com a ajuda dos dois CD incluídos no pack. Já o povo, na sua versão masculina, lê A Bola, e na versão feminina, aprende as frases mais relevantes d’A Terapia do Tricot para citar a caminho da missa de domingo.

 

A História aprende-se agora nos inúmeros romances históricos nacionais e estrangeiros que enchem os escaparates das livrarias. Muitos deles apenas se preocupam com a vida amorosa e sexual de figuras famosas do passado, enfatizando as façanhas lascivas de reis e rainhas, príncipes e princesas, e os emblemáticos cavaleiros. Realçamos dois: Reis que amaram como Rainhas e Os Amores Proibidos de Suas Majestades.

 

Em 2014, segundo um artigo de Alexandra Campos, no Público, os Portugueses consumiram 91 496 345 de doses de alprazolam e 65 851 064 de lorazepam. Entre 2010 e 2014 aumentou substancialmente o consumo de antidepressivos, ultrapassando mesmo o de tranquilizantes.

 

Segundo um relatório da DGS, de 2015, as crianças portuguesas até aos 14 anos consomem mais de 5 milhões de doses por ano de metilfenidato, um psicofármaco usado para tratar a hiperatividade e o défice de atenção.

 

As cidades são, afinal, a nossa prisão. A paisagem dominante é a dos shopping centers, onde a boémia é disciplinada e obedece a horários e obrigações laborais. Na província, a gente ressente-se do abandono e vai para casa jantar tristonha e depois submete-se disciplinadamente à lei genérica da idiotice televisiva.

 

Paradigmático é o livro dedicado a João Manuel Serra, o Senhor do Adeus, que relata as noites passadas pela criatura a acenar aos automóveis de Lisboa, na Zona do Saldanha.

 

Vivemos num sistema de moda e publicidade que Heidegger definiu de forma categórica: “A luz do público obscurece tudo”.


publicado por João Madureira às 07:15
link do post | comentar | favorito
|

.Keith Jarrett - La Scala

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9


28
29

30
31


.posts recentes

. Poema Infinito (365): As ...

. Na aldeia

. Feira dos Povos - Chaves

. 352 - Pérolas e diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (364): A b...

. No Barroso

. No Barroso

. 351 - Pérolas e diamantes...

. Na aldeia

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (363): Med...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 350 - Pérolas e diamantes...

. O músico e o santo

. Músicos

. Olhares

. Poema Infinito (362): Flo...

. Onde está o Dinis?

. Dar de beber a quem tem s...

. 349 - Pérolas e diamantes...

. Carnaval de Verin

. Carnaval de Verin

. Carnaval de Verin

. Poema Infinito (361): O s...

. Carnaval de Verin

. Carnaval de Verin

. 348 - Pérolas e diamantes...

. Pormenor

. Barroso

. Bombeiros

. Poema Infinito (360): A f...

. Bombeiros

. Bombeiros

. 347 - Pérolas e diamantes...

. Feira dos Povos - Chaves

. Feira dos Povos - Chaves

. Feira dos Povos - Chaves

. Poema Infinito (359): Chu...

. Feira dos Povos - Chaves

. Feira dos Povos - Chaves

. 346 - Pérolas e diamantes...

. Dois amigos

. Sorriso

. Sorrisos

. Poema Infinito (358): O d...

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.tags

. todas as tags

.Visitas

.A Li(n)gar