Quinta-feira, 6 de Julho de 2017

Poema Infinito (362): Flores espalmadas em dicionários

 

 

Todos os contos de mulher são tristes. Mas elas gostam de tomar um banho quente para meditar. Gostam de aguentar com dificuldade a animação da temperatura. Primeiro metem o pé dentro da água e só depois descem o corpo, centímetro a centímetro, até que a água lhes chegue ao pescoço. Depois ficam a olhar para o teto, ou para os pés ou para os bordos da banheira. Observam as texturas, os mamilos, as coxas, a cor das paredes, a penugem do sexo, a luz da lâmpada. São elas que acreditam no batismo de Cristo nas águas do rio Jordão. Pensam então que toda a água é benta. Que os seus corpos foram consagrados. Depois embrulham-se numa toalha branca e macia e sentem-se puras, frescas e virgens já fecundadas. Lembram-se de quando brincavam às escondidas e cometiam pecados fazendo coisas inocentes. Dobravam e recortavam com tesouras folhas de papel e usavam saias e viravam para fora as pontas dos cabelos. E tinham medo quando o dia chegava ao fim. Sonhavam com peixes atentos que se lhes escapavam por entre os dedos, ou com os parques onde brincavam de forma irreversível com a sua adolescência. E andavam às voltas procurando os sítios alegres para os dias tristes e tentando aprender ideias lúbricas para poderem crescer sem desesperar. E evitavam os contactos estranhos com as madrinhas estranhas, esquivando-se a ouvir chamarem-lhes afilhadas prendadas e outras coisas idênticas. Aprenderam a enfiar e rodar anéis nos dedos propícios, aceitar prendas, cortar e polir as unhas, dividir o tempo, aprender a arte do possível, bordar nomes em panos de linho, tomar atenção às panelas de esmalte, à cozedura do peixe, ao mau-olhado, à importância dos gatos na vida das avós. E a pôr-se à janela para conhecer a demora, para se lembrarem das pessoas que compram coisas nas lojas, a inquirir as amigas, a aspirar a sala e a escrever insípidas cartas de amor. Aprenderam com o tempo a comprimir as distâncias, a projetar no futuro as suas preferências, a evitar queimarem-se quando chegar a idade de fumar o primeiro cigarro de filtro longo e com sabor a nicotina e a mentol. Aprenderam também a achar graça ao vestido com alças, aos soutiens aconchegados, às cuecas bordadas, à transformação geométrica da razão, a subir e a descer escadas de forma a não mostrar aquilo que se deve esconder dos olhares atrevidos. Aprenderam também a lamber os gelados como os gatos lambem as feridas, a guardar os brincos e as outras joias de imitação em caixinhas forradas a veludo, e a não chorar com a lembrança do dia em que lhes furaram as orelhas para aí colocarem dois pingentes de ouro de lei. Colocaram amores-perfeitos no meio do dicionário de Língua Portuguesa, usaram fios com corações refulgentes, comeram pão com uvas, dobraram folhas dos livros e cantaram canções com versos disfarçados de príncipes. Aprenderam a prudência de forma exagerada, fecharam as pernas quando lhes apetecia abri-las. Deixaram de ser crianças pela mão das mães. Interessaram-se pelos rapazes contando à noite as estrelas. Aprenderam o sentido das proporções construindo flores de papel. Começaram cedo a ler os folhetins do Corin Tellado e nenhuma morreu de amores, nem ficou tísica ou sequer virgem. Leram em tempos curtos a História de Portugal e fizeram as suas primeiras considerações primárias. Imitaram a inveja de forma direta, pois isso não se aprende nos livros. E começaram a escrever poemas que pareciam as pás dos moinhos do D. Quixote a andarem ao contrário. Encontraram finalmente a sabedoria quando descobriram que as coisas simples são as mais complicadas.


publicado por João Madureira às 07:15
link do post | comentar | favorito
|

.Keith Jarrett - La Scala

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


23

24
25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Músicos

. Poema Infinito (372): O t...

. Músicos

. Músicos

. 359 - Pérolas e diamantes...

. Pose

. No carnaval de Verim

. O senhor Ventura e o seu ...

. Poema Infinito (371): De ...

. Bombos e cabeçudos

. Músicos

. 358 - Pérolas e diamantes...

. Louvre - Vermeer

. No Louvre

. No Louvre

. Poema Infinito (370): A r...

. Louvre

. Louvre

. 357 - Pérolas e diamantes...

. Louvre - Quadros e Pessoa...

. Louvre - Interior - Pesso...

. Louvre - Interior - Escad...

. Poema Infinito (369): A m...

. Louvre - Entrada

. Paris - Sena - Noite

. 356 - Pérolas e diamantes...

. Na aldeia

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (368): A e...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 355 - Pérolas e diamantes...

. Pose e olhares

. Homens, chouriças e garra...

. Homem sentado com vara

. Poema Infinito (367): A t...

. Na conversa

. Pensando

. 354 - Pérolas e diamantes...

. Porto - Sardinhas - S. Jo...

. Porto - Ponte D. Luís

. Porto - Telhados, Barcos ...

. O poema infinito

. Porto - Casas

. Porto - Bicicleta

. Como se escreve um haiku

. Porto - Ponte D. Luís

. Porto - Ribeira - São Joã...

. Porto - Ribeira - São Joã...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.tags

. todas as tags

.Visitas

.A Li(n)gar