Quinta-feira, 13 de Julho de 2017

Poema Infinito (363): Meditação crepuscular

 

 

 

Cai-me nos olhos a sossegada e monótona paciência da água. O horizonte fica redondo, expondo cintilantes círculos e deixa-se abraçar. O percurso da paixão é longo e construído sobre os escombros sólidos das construções mais antigas. As nossas metamorfoses são incessantes. Respiramos os nomes e suspiramos beijos. Os odores mais profundos possuem a insolência do pólen e a identidade do mar. O tempo desmorona-se e renova-se a cada instante e irrompe pelo meio das grandes massas do universo. A frescura dos segredos fica mais violenta e transforma-se em fonte plácida. O planeta azul fica mais melancólico, expondo a materna abundância dos desejos. Os corpos retemperam-se, as fábulas regeneram-se, a terra fica mais pesada, as portas do desejo mais espessas. A nudez reconhece a seda e a seda reconhece as curvas do teu corpo. A ternura recupera da sua embriaguez, desperta do seu sono. Continuo a procurar o segredo da lentidão materna, a sua equivalência volúvel, o ritmo indecifrável da leveza dos sopros, a melodia vaga do adeus, a frescura imensa do azul. O fogo nasce no meio das pernas, encostado ao púbis, surge como uma pancada leve, nomeando lábios e ereções e silêncios densos que são como sombras. Oiço a terra, o vislumbre ténue das tuas pálpebras, o frémito redondo dos orgasmos, o gérmen da luz, o esplendor repousante dos subterrâneos, o desejo das mariposas, o mistério puro da transparência, a magia oceanográfica de todos os nomes, a nudez clara e enigmática do teu corpo, todas as evidências, todos os deltas do desejo, a obstinação doce e insaciável do prazer, a expansão das partituras de Bach, os prismas ramificados das caudas dos pavões, as evidencias mais perdulárias, a multiforme dança do desejo, o êxtase dinâmico da sedução, as penetrações mais minuciosas. A verdade expande-se, divide-se e ramifica-se. Os amantes projectam o seu mundo, o deslumbramento da sua energia e das suas evidências. O desejo dança. O desejo deseja-se. O desejo consome, dilata-se e esgota-se. As diferenças assemelham-se, as distâncias libertam-se, os volumes incendeiam-se. A cabeça do universo acende-se. Procuramos lucidez no sono e nos sonhos. As pálpebras acendem-se como linhas lúcidas. Um silêncio voluptuoso toma conta dos montes. As surpresas são mais lúcidas, as palavras mais vagas e o amor mais ténue. As nuvens surpreendem-nos com a sua vaga monotonia. Aprendemos a voluptuosidade com a lentidão do mar. Adormecemos envoltos na lucidez dos amantes. É vagarosa a luz. Os corpos cintilam. A matéria encontrou o seu ritmo e a sua integridade. A germinação do futuro é irrevogável. Os enigmas precisam de mediação. As texturas do tempo ficam mais secretas. Comovemo-nos com a fragilidade essencial dos seres humanos. O sossego convida a nova fuga. A noite fica negra como se fosse um diamante raro. A virgindade continua a ser o supremo elemento de defesa. A brisa fica mais flexível, as falésias mais abismadas e o rio mais tranquilo. Todas as paisagens são divididas segundo o princípio de individuação do ser e construídas tendo em conta a sua integridade solar. O crepúsculo já começou a construir novas torres de luz e sombra plenas de tranquilidade. Regressou o momento de meditar.


publicado por João Madureira às 07:41
link do post | comentar | favorito
|

.Keith Jarrett - La Scala

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 11 seguidores

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9


21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. 368 - Pérolas e diamantes...

. No Porto

. No Porto

. No Porto

. Poema Infinito (380): O p...

. No Porto

. No Porto

. 367 - Pérolas e diamantes...

. Em Montalegre

. Em Montalegre

. ...

. Poema Infinito (379): Pro...

. Em Montalegre

. Em Montalegre

. 366 - Pérolas e diamantes...

. Na Feira dos Santos

. Na Feira dos Santos

. Na Feira dos Santos

. Poema Infinito (378): As ...

. Na Feira dos Santos

. Na Feira dos Santos

. 365 - Pérolas e diamantes...

. Na feira do gado - Santos...

. Na feira do gado - Santos...

. Na feira do gado - Santos...

. Poema Infinito (377): Sím...

. Na feira do gado - Santos...

. Na feira do gado - Santos...

. 364 - Pérolas e diamantes...

. No Louvre

. No Louvre

. ...

. Poema Infinito (376): O d...

. No Louvre

. No Louvre

. 363 - Pérolas e diamantes...

. Louvre - Interiores

. Louvre

. Louvre

. Poema Infinito (375): O g...

. Louvre

. Em Paris

. 362 - Pérolas e diamantes...

. Na aldeia

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (374): Lab...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 361 - Pérolas e diamantes...

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.Visitas

.A Li(n)gar