Sábado, 9 de Setembro de 2006

Voos dominantes

2004_0515Chaves0043.JPG

Hoje comecei a voar ligeiramente mais baixo do que o habitual.
Mas, mesmo assim, não desisti do meu voo. Nem de observar ou desejar o teu.
Sempre ambicionei voar devagar como quem dá um beijo sem se preocupar com o que está para além dele.
O voo, ou o beijo, já fazem parte da eterna sucessão do pousar e levantar, porque sempre existirá quem se põe a voar pelo simples prazer de sentir o ar a amansar-lhe as asas, ou por gostar de contemplar as coisas dum modo diferente. Porque uma perspectiva não é a mesma coisa que aquilo que se vê sem essa perspectiva.
Sempre que me decido a voar, o ar à minha volta confunde-se com a vontade e logo ali se forma um vórtice capaz de agitar o mundo. Por vezes não é a força o que desloca os objectos, ou o que fabrica sentimentos, ou o que despoleta paixões, ou desencadeia ilusões. Por vezes são as lágrimas dos teus olhos quem incendeia as nascentes que invadem o renovo.
A meio do dia tentei voar um pouco mais alto do que o habitual.
E voei mais alto do que é habitual em mim àquela hora.
Mais tarde ainda voei um pouco mais alto do que é habitual em mim e ninguém, que eu saiba, notou qualquer diferença.
Bem, a diferença não está no voo, está na altura em que se pratica. O voo em si é simples: impulso, agitação das asas, um pouco de intensidade física, um pouco de leviandade e lá estamos nós no ar sem saber bem porquê. Quem voa não se apercebe da dificuldade que têm em voar aqueles que não sabem. Mas é sempre bom superar as dificuldades ou sonhar em fazer qualquer coisa que saia do banal.
Voar para quem voa é mesmo um pouco trivial. Voar para quem não voa é uma impotência quase íntima.
Há muitas pessoas que implicam sempre com a possibilidade dos voos. Ou porque não sabem, ou porque não querem, ou porque não desejam, ou porque incomodam, ou porque voar é fútil. E voar é mesmo fútil. Caminhar é bem mais estável. E é aquilo que a maioria pratica. Andar é só pôr um pé à frente do outro e depois seguir o movimento e praticar a rotina. Voar é um pouco diferente. Além das asas, é preciso ter coragem. E ter os olhos bem abertos. Porque o acto de voar só se consuma quando se consegue avistar o mundo de distinta feição.
Mais a mais, quem voa não gosta de andar.
Quem voa gosta de voar e de ver por onde voa.
Num voo não há limites.

publicado por João Madureira às 20:34
link do post | comentar | favorito
|

.Keith Jarrett - La Scala

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





.posts recentes

. Cabo da Roca

. Cabo da Roca

. Cabo da Roca

. Poema Infinito (352): Out...

. Na exposição

. Cavalos no Barroso

. 339 - Pérolas e diamantes...

. Janela

. Eira

. Garrafeira

. Poema Infinito (351): A c...

. À porta

. Reflexos

. 338 - Pérolas e diamantes...

. A vendedora de fumeiro

. O sapateiro

. O barrosão

. Poema Infinito (350): Inv...

. O camarada

. O artesão

. 337 - Pérolas e diamantes...

. Alturas do Barroso com ne...

. No bailarico

. Na conversa à lareira

. Poema Infinito (349): A o...

. Na conversa

. Casebre

. 336 - Pérolas e diamantes...

. Senhora das Brotas - Chav...

. Senhora das Brotas - Chav...

. Senhora das Brotas - Chav...

. Poema Infinito (348): A d...

. Senhora das Brotas - Chav...

. Senhora das Brotas - Chav...

. 335 - Pérolas e diamantes...

. Senhora das Brotas - Chav...

. Senhora das Brotas - Chav...

. Senhora das Brotas - Chav...

. Poema Infinito (347): A g...

. Senhora das Brotas - Chav...

. Senhora das Brotas - Chav...

. 333 - Pérolas e diamantes...

. Observando

. Dançando

. Falando

. Poema Infinito (346): O m...

. Olhando

. Pensando

. 332 - Pérolas e diamantes...

. Na aldeia V

.arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.tags

. todas as tags

.Visitas

.A Li(n)gar