Segunda-feira, 4 de Setembro de 2006

O número sagrado

2004_0711ficojulho20040065.JPG

Três foi a conta que Deus fez.
Três são também as fontes do São Caetano, que é um bom santo. Um santo amigo, discreto, solidário, respeitador e padroeiro da minha freguesia. E nestas coisas quem tem uma freguesia tem tudo e quem não a tem não tem nada, ou quase nada, pois é muito difícil alguém ter um santo padroeiro se não pertencer a uma freguesia que tenha um santo padroeiro. E, mesmo nesse caso, é necessário ter sorte com o santo, porque mesmo padroeiro, nem todo o santo é santo e nem todo o padroeiro é de confiança, mesmo sendo o santo santo e a confiança isso mesmo.
O mesmo se deve afirmar para a água do São Caetano, que, mesmo correndo por três bicas, tem a mesma qualidade que se corresse por uma só.
É a água das três bicas uma água abençoada, pois nasce no meio da serra, ali mesmo entre fragas e tojos, entre giestas e urzes, entre fetos e pinheiros, entre o céu e a terra, entre as pedrinhas e as estrelas, entre o cume e a encosta, entre Deus e o Diabo. Por isso mesmo está lá o santo, para afastar o Diabo e encarreirar a água para as três bicas.
São as bicas três que foi a conta que Deus fez para que o Diabo não se atreva a contar doutra maneira e, assim, endrominar os fiéis do São Caetano e fazê-los beber água por vinho, pois tem o vinho, mesmo sendo bom, um leve toque de heresia e um leve sabor a pecado, isto tomando a perspectiva do cristianismo elaborado, porque, se partirmos da mensagem do cristianismo mais primitivo, tem a água benzida por Deus, através de Cristo, seu filho, a qualidade de se poder transformar em vinho, logo ali e de uma assentada. E vinho do bom. Isto desde que Deus esteja bem disposto e o seu filho numa festa de gente boa e livre do pecado original.
Fora isso, São Caetano tudo perdoa e aceita a quem for puro como a água que corre nas três biquinhas do santuário, mesmo que o sedento goste de vinho e abomine o líquido incolor, inodoro e insípido.
E por hoje está o recado dado, que é como quem diz, está a oração feita, ou como quem afirma, está a boa acção efectuada.
E o resto são cantigas, dado que o meu santo padroeiro é ainda um santo alegre e sorridente, isto quando pode, e pode pouco, mas, mesmo assim, quando pode pode e não se importa que toquem lindas modinhas nas procissões e arraias.

publicado por João Madureira às 19:36
link do post | comentar | favorito
|

.Keith Jarrett - La Scala

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9



25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Músicos

. Músicos

. Músicos

. Poema Infinito (372): O t...

. Músicos

. Músicos

. 359 - Pérolas e diamantes...

. Pose

. No carnaval de Verim

. O senhor Ventura e o seu ...

. Poema Infinito (371): De ...

. Bombos e cabeçudos

. Músicos

. 358 - Pérolas e diamantes...

. Louvre - Vermeer

. No Louvre

. No Louvre

. Poema Infinito (370): A r...

. Louvre

. Louvre

. 357 - Pérolas e diamantes...

. Louvre - Quadros e Pessoa...

. Louvre - Interior - Pesso...

. Louvre - Interior - Escad...

. Poema Infinito (369): A m...

. Louvre - Entrada

. Paris - Sena - Noite

. 356 - Pérolas e diamantes...

. Na aldeia

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (368): A e...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 355 - Pérolas e diamantes...

. Pose e olhares

. Homens, chouriças e garra...

. Homem sentado com vara

. Poema Infinito (367): A t...

. Na conversa

. Pensando

. 354 - Pérolas e diamantes...

. Porto - Sardinhas - S. Jo...

. Porto - Ponte D. Luís

. Porto - Telhados, Barcos ...

. O poema infinito

. Porto - Casas

. Porto - Bicicleta

. Como se escreve um haiku

. Porto - Ponte D. Luís

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.tags

. todas as tags

.Visitas

.A Li(n)gar