Domingo, 18 de Junho de 2006

Em defesa da amizade

2004_0816quarteiracoimbra0176.JPG

O meu amigo Miguel é muito distraído. Muito inteligente, mas muito distraído. Muito boa pessoa, mas muito distraído. Distrai-se com muita facilidade. Ainda ontem, quando andávamos a passear, foi de encontro a um poste de iluminação pública. Fez um grande galo na testa, mas nem sequer se queixou. O Miguel fala muito, pensa muito, distrai-se muito. Por vezes também se ri com muito saber. Muitos dos meus amigos dizem que ele é maluco, mas eu garanto-vos que não é. De maluco não tem nada. Ele é muito esperto, muito inteligente, muito compreensivo, muito efusivo, muito estudioso. Só que é muito distraído. Numa noite entrou dentro de uma casa alheia pensando que era a sua. Deitou-se na cama e só quando os donos se puseram aos gritos é que ele se deu conta do equívoco. Aquilo ainda foi uma grande trapalhada, pois meteu polícia, bombeiros, insultos e até prisão e julgamento. Dizem que nessa noite na esquadra recitou o Anticristo de Friedrich Nietzche inteiro, com prefácio, data de edição da obra, tradução, capítulos e respectivas páginas. Parece que o polícia de plantão o ameaçou com um processo por desrespeito à autoridade e por provocação religiosa pois não conseguiu descortinar que o texto era do filósofo alemão e não um insulto gratuito, ou um gozo fininho. Os polícias de agora são muito sensíveis e muito senhores do seu nariz. Até já têm alguma cultura. Mas daí até conhecerem o Anticristo de Nietzche vai ainda uma grande distância. Cultos, cultos, mas nem tanto. Muita cultura também embrutece, disse-me uma vez um.
Não me lembro de um único dia em que eu e o Manuel (*) andássemos a passear e ele não tivesse tropeçado nalguma coisa. Já tropeçou em cães e cãezinhos, gatos e gatas, lambris de passeios, pedras pequenas e grandes, pessoas de vários tamanhos, raças, credos e ideologias, crianças calmas e rabugentas, choronas ou risonhas, polícias e guardas republicanos, bombeiros voluntários e sapadores, soldados, sargentos, tenentes, capitães, majores e por aí fora. Parece que ainda só não tropeçou num contra-almirante. Também já tropeçou em carros de grande e pequena cilindrada, bicicletas de montanha e de corrida, triciclos novos e velhos, burros de carga, cavalos de corrida e, até, mendigos de várias espécies e origens, idades e proveniências, vícios e predilecções. Quando isso acontece fica muito aflito e começa a gaguejar. Acto contínuo, oferece uma grande esmola ao sujeito passivo. Alguns deles fazem-se mesmo à colisão. Mal o avistam na rua, tentam sempre ir dar-lhe um encontrão. Ele pede sempre muita desculpa e dá-lhes obsessivamente uma esmola choruda. Mas, a partir daí, o seu discurso torna-se ininteligível. Não só pela temática, mas também por causa da gaguez. É aflitivo. E ele sabe-o. Falar sobre semiótica, ou sobre epistemologia, ou cibernética a gaguejar é uma tortura quase insuportável. Mas se eu o abandonasse quando ele está nesse estado quase catatónico seria uma traição. Afinal eu sou seu amigo. E os amigos devem servir para alguma coisa.
O Miguel só tem medo de uma coisa: tropeçar num cigano que esteja a pedir esmola e que finja que toca o acordeão. Aí põe-se aos gritos e tem que tomar dose tripla da sua medicação para os nervos.
Ninguém é perfeito. Nem o Miguel. Nem eu. Nem o Nietzche. E, muito provavelmente, nem o amigo leitor.
Essa é que é essa.

(*) Onde se lê Manuel deve-se ler Miguel, porque, sendo o Miguel, Manuel e o Manuel, Miguel, alguns leitores podem confundir-se por falta de informação. Está claro que o erro não está nos nossos leitores, está em nós. O Miguel é muito distraído e eu também tenho os meus deslizes. Mas, tenho de reconhecer, o Miguel não pode ser culpado pela minha falta de rigor, que não falta na amizade. A minha amizade pelo Miguel, que também é o Manuel, continua a mesma, mas a minha amizade pelo senhor Pintassilgo cresceu de uma forma exponencial. A ele o meu bem-haja. E não se distraia, caro amigo. Mantenha-se atento. Eu e o Miguel, que também se chama Manuel, como atrás referi, ficamos-lhe eternamente agradecidos pelo cuidado da sua leitura e a atenção prestada ao nosso discurso.

publicado por João Madureira às 18:51
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Pintassilgo a 19 de Junho de 2006 às 21:39
O menino,ao que parece,também anda muito distraido. Ou será que tem dois amigos distraidos, o Miguel e o Manuel!
Abraço


De afonsinetes a 19 de Junho de 2006 às 18:52
Olá! Venho por este meio anunciar que tenho novo blog : www.otherplace.blogs.sapo.pt e sempre que puderem visitem o velho mas actualizado www.pisaropalco.blogs.sapo.pt! Xau Obrigada!


De Aurora a 18 de Junho de 2006 às 19:37
Só mais uma palavrinha em relação a este seu post.
Continue ajudar em defesa da amizade, nunca olhando a quem,porque todos somos irmãos do mesmo lar e se todos assim o fizessemos o mundo certamente estaria muito melhor.


De Aurora a 18 de Junho de 2006 às 19:18
Ainda bem que ninguém é perfeito que seria um grande incómodo ....rsrs
Gostei do seu cantinho,boa escrita com conteúdo,arejada e sincera.Bem-haja


Comentar post

.Keith Jarrett - La Scala

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 11 seguidores

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9


20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. No Porto

. No Porto

. No Porto

. Poema Infinito (380): O p...

. No Porto

. No Porto

. 367 - Pérolas e diamantes...

. Em Montalegre

. Em Montalegre

. ...

. Poema Infinito (379): Pro...

. Em Montalegre

. Em Montalegre

. 366 - Pérolas e diamantes...

. Na Feira dos Santos

. Na Feira dos Santos

. Na Feira dos Santos

. Poema Infinito (378): As ...

. Na Feira dos Santos

. Na Feira dos Santos

. 365 - Pérolas e diamantes...

. Na feira do gado - Santos...

. Na feira do gado - Santos...

. Na feira do gado - Santos...

. Poema Infinito (377): Sím...

. Na feira do gado - Santos...

. Na feira do gado - Santos...

. 364 - Pérolas e diamantes...

. No Louvre

. No Louvre

. ...

. Poema Infinito (376): O d...

. No Louvre

. No Louvre

. 363 - Pérolas e diamantes...

. Louvre - Interiores

. Louvre

. Louvre

. Poema Infinito (375): O g...

. Louvre

. Em Paris

. 362 - Pérolas e diamantes...

. Na aldeia

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (374): Lab...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 361 - Pérolas e diamantes...

. Cestos

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.Visitas

.A Li(n)gar