Quinta-feira, 25 de Maio de 2017

Poema Infinito (356): O amor inflexível das mães

 

 

Compreendo as palavras, mas não as consigo traduzir ou dizer. Eu sou a tua língua. Menciono o amor e a morte. Compreendo também a altura dos montes, a explicação das aves, o movimento das ondas, as janelas fechadas e a comunhão simples das crianças. Compreendo o lenhador, o machado que traz consigo e o cântaro que leva a água na cabeça da mulher. Sinto-me bem a ouvir a tua voz. Sinto-me bem observando as palavras a navegarem e os pescadores a deitarem as suas redes. O caçador deita-se à espera da sua presa e adormece. Compreendo as almas que tomam conta dos corpos. Caem nas ruas as folhas das árvores como se fossem cartas de Deus. Os anciãos pressionam as portas com as mãos e reclinam-se ao andar. Os melões e as melancias crescem nos campos. Toco com os lábios a polpa dulcificada das pavias. Oiço o murmúrio das estrelas e apercebo-me da perpétua mudança do Sol. Tudo parece excesso. O outono tomou conta da floresta. A Lua desce para o seu abismo e sussurra para o crepúsculo. Sinto o lamento incompreensível dos ramos secos. Oscilam os símbolos sobre a terra. O passado e o presente perdem força enquanto o futuro nos escuta. Falamos sobre o momento de irmos embora. Tentamos atrasar o dia. As imagens do tempo tornam-se intraduzíveis. Os caminhos estão cobertos de sombras. O mundo está de novo em ascensão. Os filhos são um renovado prelúdio. Sente-se a essência da vida, a ressurreição dos instintos, os círculos rotativos de tudo aquilo que é novo. O silêncio é a principal razão dos prodígios. Brincamos com a razão. Decidimos glorificar os rios, as vozes que ressoam, os cânticos da procriação, a ânsia irresistível da atração. O teu corpo é complementar do meu. Cheira a maçãs e a limões. As aves acasalam. A humidade penetra nos bosques. Aproximo-me da tua forma feminina e a carne treme de amor. É uma espécie de dor divina. A paixão é uma espécie de frio que nos causa febre. Voltaremos a este lugar pela hora das estrelas resplandecentes. Os mais profundos sentimentos escondem-se dentro dos corpos mais frágeis. As mulheres levam a merenda aos seus homens. Os homens comem das cestas descobertas e bebem o vinho pelas cabaças. As mulheres acariciam os seus filhos. Os rapazes sacham o milho e as batatas. O pastor acaricia as vacas e leva-as a beber no tanque do chafariz da aldeia. Alguns dos homens descansam à sombra em cima das samarras estendidas no chão. Sonham em ir à pesca e à caça. Depois olham fixamente para as suas mulheres e adormecem por instantes. O tempo senta-se ao seu lado. Pensam em como manipular a mentira pois aprenderam que a verdade é ingovernável. A natureza reflete-se na sua alma. Os equilíbrios são instáveis. Tudo na vida é instável. Os homens inclinam a cabeça, descruzam os braços e beijam as suas mulheres. A sua rudeza é feita de timidez. Os prodígios cabem todos dentro da sua imaginação. A sua glória confunde-se com o seu suor. Murmuram os seus gritos. As mulheres esperam por eles com o sexo cheio de intenção e desassombro enquanto cantam lindas canções seminais. Orgulham-se do mistério da maternidade. Deliciam-se com a esperança dos campos fertilizados. Afastam de si a insensibilidade da vergonha. São sempre inflexíveis no amor e fiéis nos partos. Procuram as colheitas do seu amor na ternura que dedicam aos filhos. Em si, a natureza é espontânea.


publicado por João Madureira às 07:15
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Anónimo a 27 de Maio de 2017 às 23:10
Esplendoroso! Uma fonte perfeita de sentir.


Comentar post

.Keith Jarrett - La Scala

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9


24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (364): A b...

. No Barroso

. No Barroso

. 351 - Pérolas e diamantes...

. Na aldeia

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (363): Med...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 350 - Pérolas e diamantes...

. O músico e o santo

. Músicos

. Olhares

. Poema Infinito (362): Flo...

. Onde está o Dinis?

. Dar de beber a quem tem s...

. 349 - Pérolas e diamantes...

. Carnaval de Verin

. Carnaval de Verin

. Carnaval de Verin

. Poema Infinito (361): O s...

. Carnaval de Verin

. Carnaval de Verin

. 348 - Pérolas e diamantes...

. Pormenor

. Barroso

. Bombeiros

. Poema Infinito (360): A f...

. Bombeiros

. Bombeiros

. 347 - Pérolas e diamantes...

. Feira dos Povos - Chaves

. Feira dos Povos - Chaves

. Feira dos Povos - Chaves

. Poema Infinito (359): Chu...

. Feira dos Povos - Chaves

. Feira dos Povos - Chaves

. 346 - Pérolas e diamantes...

. Dois amigos

. Sorriso

. Sorrisos

. Poema Infinito (358): O d...

. Vendendo pão

. O sapateiro de Chaves

. 345 - Pérolas e diamantes...

. Interiores bovinos

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.tags

. todas as tags

.Visitas

.A Li(n)gar