Quinta-feira, 1 de Junho de 2017

Poema Infinito (357): Onde tudo começa e acaba

 

 

Nunca sabemos como tudo começa. Lembramo-nos apenas de uma certa forma de cegueira. Como quem fixa o olhar nas sombras. Depois levantamo-nos pelas manhãs e reparamos na direção a tomar. Exageramos sempre mais um pouco nos princípios. Fiamo-nos nas memórias. Sufocamos dentro dos fatos, enrodilhados dentro da música. Brincávamos a bem e a mal. Gostávamos do pão doce e dos mimos. Evitávamos a velhice e o sal do suor e das lágrimas. Fugíamos dos invernos e dos desgostos. A infância apertava-nos o coração. É áspera a solidão. A espessura da vida confere peso ao conhecimento. Distinguimos as sereias e as estrelas mortas. As distâncias são vagas. As cores perdem nitidez. O tempo continua a irradiar a sua eterna ameaça. Não se cansa. Demoramos a olhá-lo. Por vezes parece uma caixa chinesa, ou um relógio apressado. A sala ficou deserta. A poesia é efémera. Movemo-nos num jogo indistinto de sombras. A caligrafia tornou-se preguiçosa. As frases estão cada vez mais descontínuas. Por vezes apanhamos o rasto da memória e sorrimos. O passado é um enigma. Enquanto passeávamos levantou-se um pouco de vento. Falámos de Zaratustra, como se tivesse importância. Sabemos que as coisas ficam sempre mais vagas, que os sonhos são viciosos, que os medos são sempre interiores. Os animais atravessam sempre as sombras sem se assustarem. Admitimos os corpos e apaixonamo-nos pela sua vulgaridade. Inventamos então pretextos e desgostos e caminhos de acesso. As alucinações iludem sempre os outros. Entendemos o conhecimento e o medo que provoca. E as almas longas. E também os desejos. Distendemos então o corpo ao sol. O jardim tingiu-se de tons sujos. O casario em redor provoca dor. Em volta parece só haver deserto. O azul do céu continua estonteante. Talvez eu tenha já esquecido o caminho de casa. Sigo o rumo das aproximações, imitando os círculos num tenteio de pássaro. Dos lados dos caminhos crescem as giestas. Nas cortes, as vacas ruminam. Sente-se um cheiro a feno. O estranho é não haver gritos de crianças. As árvores parecem pesadas, feitas de bronze e abandono. O ar mal estremece. Tudo parece arder por dentro. As flores pontilham as bermas de alguma exuberância. Os olhares por detrás das janelas são sombrios, quase hostis. Avisto com alívio a casa ao longe. Por perto, ainda crescem malmequeres e algumas couves. A prudência e a paciência sempre a habitaram. Reconheço-a pela sua secreta identidade e porque me consegue devolver alguns prazeres da infância. A imagem da minha avó começa a tremer dentro da sua nitidez. O mundo era então feito de remendos e buracos. E pequenas aflições. Num pequeno banco continua sentada a imagem densa do meu avô. Sério na sua doença. Manco no seu amor. Escondendo dentro de si açudes e medos. E as cartas que nunca conseguiu escrever desde Angola. A minha avó descansa aconchegada pela sua serventia e pelo seu asseio. Repete certas palavras várias vezes para que ganhem algum valor. Sorri como se fosse um pormenor, mexendo ao mesmo tempo as mãos como se tivesse a ideia perfeita do contentamento. Sinto novamente o fascínio da febre e da beleza. A sua ausência desliza sobre as paredes e as telhas da casa. A sua recordação parece uma memória atravessada pelo brilho da desarticulação. Alguém estende o medo em cima dos lençóis de linho com que compõe a cama. A casa faz imaginar os cheiros. A poeira e as horas são mais delicadas. Sinto o ar a vibrar. Algo brilha no escuro e desaparece como se fosse um inseto. Nunca sabemos onde tudo acaba.


publicado por João Madureira às 07:15
link do post | comentar | favorito
|

.Keith Jarrett - La Scala

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9


23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Poema Infinito (360): A f...

. Bombeiros

. Bombeiros

. 346 - Pérolas e diamantes...

. Feira dos Povos - Chaves

. Feira dos Povos - Chaves

. Feira dos Povos - Chaves

. Poema Infinito (359): Chu...

. Feira dos Povos - Chaves

. Feira dos Povos - Chaves

. 346 - Pérolas e diamantes...

. Dois amigos

. Sorriso

. Sorrisos

. Poema Infinito (358): O d...

. Vendendo pão

. O sapateiro de Chaves

. 345 - Pérolas e diamantes...

. Interiores bovinos

. Festa dos Povos - Chaves

. Bois na feira

. Poema Infinito (357): Ond...

. O coelho

. No trabalho

. 344 - Pérolas e diamantes...

. São Sebastião - Vilarinho...

. São Sebastião - Couto Dor...

. Couto de Dornelas (III)

. Poema Infinito (356): O a...

. São Sebastião - Couto Dor...

. S. Sebastião - Couto de D...

. 343 - Pérolas e diamantes...

. A gaivota (III)

. A gaivota (II)

. A gaivota

. Poema Infinito (355): O n...

. Maresias (II)

. Maresias

. 342 - Pérolas e diamantes...

. HAZUL - Porto

. The Augustus no Porto

. A ponte é uma miragem...

. Poema Infinito (354): Um ...

. Interações

. Diversões...

. 341 - Pérolas e diamantes...

. Assando sardinhas - S. Jo...

. Ribeira - Porto - S. João...

. Porto - Ribeira - São Joã...

. Poema Infinito (353): O e...

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.tags

. todas as tags

.Visitas

.A Li(n)gar