Quinta-feira, 27 de Julho de 2017

Poema Infinito (365): As velas ininterruptas

 

 

As colunas de ar sorvem as partículas magnéticas do tempo. Alguém dança com o rosto mascarado de luz. Os dedos estremecem. As sombras gritam. A vida continua misteriosa, repleta de animais selvagens, com o coração rasgado batendo por dentro dos sentimentos. Os gritos fervem dentro das panelas. As frases transbordam dos livros. Dentro dos olhos, dobram-se os espelhos e as arestas do tempo amadurecem. As raparigas dançam revoluteadas pela luz, enfloradas pelas rosas, arrancadas pela raiz. E sangram. As raparigas sangram sempre. Os seus corpos iluminam-se como se fossem anjos crucificados em postes de eletricidade. A sua fúria tem a dureza dos diamantes. O desejo fica turvo e a carne é atravessada por sonhos de ritmos e noites de água e montanhas e árvores que choram. As montanhas crescem e dentro delas os animais aligeiram-se. Distingue-se agora a noite e as pupilas bruscas do furor. A carne treme depois do coito. A morosidade sai de dentro do sono. Os rostos embranquecem, a temperatura difunde-se pelos feixes dos sentimentos mais secretos. Vibram os tendões. O toque é nitidamente zoológico, sem doçura nem inocência. A noite estremece. A luz ferve do outro lado. Os lugares somem-se uns dentro dos outros. Iluminam-se as paredes. Os anjos pintam os sexos com a força do desejo e sopram átomos para o seu âmago. Acendem-se os cabelos, faíscam os corpos. Visitamos os territórios fechados da volúpia, a sua ofuscante jubilação, o entusiasmo branco dos orgasmos. Somos possuídos por visões e mistérios e idiomas imaculados. Os sentimentos têm agora uma doce aptidão doméstica, enchem-se de delicados arco-íris e voam como mariposas bruxuleando de sono. Os anjos brilham como pirilampos radiativos, possuem a voz de Hiroxima. Até a palavra Deus ficou calcinada. Meu amor, Hiroxima? Ouve-se a música do apocalipse. Alguém pinta o inferno. Ardemos numa espécie de inocência. Este é o nosso modo de ir para longe. As flores ardem nas campânulas. O horror verga os espelhos. O mundo fica cheio de linhas ferozes. Das gárgulas nunca jorrará a claridade. Olhamos o mundo do outro lado da porta. Os pais, as mães e os filhos dormem sob a luz das canções difíceis. Estremece o medo pelo excesso das imagens de sofrimento. Auschwitz é um serão de pedra… arbeit macht frei… A manhã estremece de medo. Arde a carne, a seiva excessiva das imagens, a respiração do frio, da fome, do medo e do sangue. Exalamos o Gulag e a respiração gelada de Soljenitsin. Plantamos a fome dos livros nas estantes, lá no cantinho mais distante. Fechamos então a porta. As crianças vibram como loucas, estuam nas suas danças. O suor alaga-lhes os membros. Ficam crispadas como se fossem ecos eternos. Desejam ainda ocupar o sítio dos cometas. São como rosas mudas. Trazem dentro de si a praga dos crisântemos tardios. As vozes do mundo metem-se pelos tubos. O ouro chega às espigas. As cigarras crescem no meio das pedras. As palavras supérfluas empurram-se umas às outras. A poesia também pode ser uma dor que não dorme nem deixa dormir. As crianças mais antigas repousam dentro dos retratos sem luz, são como blocos de pó ligados à morte. Limpamos o sal da boca e abraçamos o mármore frio. Ouvem-se vozes lá ao longe, ininterruptas, assombradas. Contemplativas. A beleza continua seduzida pela ideia de devorar a lei da desordem e do caos. Os filhos continuam a escrever às mães com os seus rostos iluminados e ardem como se fossem velas ininterruptas.


publicado por João Madureira às 07:15
link do post | comentar | favorito
|

.Keith Jarrett - La Scala

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 11 seguidores

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. No Porto

. Poema Infinito (380): O p...

. No Porto

. No Porto

. 367 - Pérolas e diamantes...

. Em Montalegre

. Em Montalegre

. ...

. Poema Infinito (379): Pro...

. Em Montalegre

. Em Montalegre

. 366 - Pérolas e diamantes...

. Na Feira dos Santos

. Na Feira dos Santos

. Na Feira dos Santos

. Poema Infinito (378): As ...

. Na Feira dos Santos

. Na Feira dos Santos

. 365 - Pérolas e diamantes...

. Na feira do gado - Santos...

. Na feira do gado - Santos...

. Na feira do gado - Santos...

. Poema Infinito (377): Sím...

. Na feira do gado - Santos...

. Na feira do gado - Santos...

. 364 - Pérolas e diamantes...

. No Louvre

. No Louvre

. ...

. Poema Infinito (376): O d...

. No Louvre

. No Louvre

. 363 - Pérolas e diamantes...

. Louvre - Interiores

. Louvre

. Louvre

. Poema Infinito (375): O g...

. Louvre

. Em Paris

. 362 - Pérolas e diamantes...

. Na aldeia

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (374): Lab...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 361 - Pérolas e diamantes...

. Cestos

. Sentadas

. Bancos de pedra

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.Visitas

.A Li(n)gar