Sexta-feira, 10 de Janeiro de 2014

O Homem Sem Memória - 189

 

189 – E lá foi o José, mais uma dúzia de intrépidos e valentes contrarrevolucionários, fazer a sua revolução. A vida tem destas contradições. E caminharam muito, com ele sempre a liderar. Meses e meses de caminhadas pela planície alentejana em busca de caça, tinham-no transformado num verdadeiro Zátopek. Parecia que nunca se cansava, por mais que andasse. Se a revolução contrarrevolucionária se fizesse à custa de muito andar, não temos dúvidas que o José a conseguiria implementar.

 

No momento de convencer os seus recentes camaradas para esta nova aventura de guerrilha, lembrou-lhes as palavras de Mao Zedong: Até a mais longa marcha começa pelo primeiro passo, ou coisa pelo estilo.

 

Os primeiros passos até foram fáceis de dar, o problema residiu nos seguintes. Eles lá caminhar caminhavam, pobres coitados, mas faziam-no sem um propósito definido. Iam assim ao deus-dará, transportando as armas que, sobretudo, lhes serviam para caçar.

 

Andavam sempre em fuga. Os perseguidores eram frequentemente despistados pela astúcia do José. O seu mapa mental estava bem organizado. Calcorrearam a planície de um lado para o outro, afastando-se das pessoas e dos povoados, evitando os caminhos. Ou seja, não tinham nenhum plano definido, como já explicámos.

 

Todos sabemos que para fazer uma revolução, mesmo que contrarrevolucionária, não é suficiente a verdade, a vontade e, muito menos, a razão. Se assim fosse o mundo era um lugar esplêndido. Mas não é. Para fazer triunfar uma ideia é necessária muita perseverança, ainda mais convicção e intenso esclarecimento. Os camaradas do José bem lhe diziam que era necessário falar com as pessoas, convencê-las de que viviam numa sociedade totalitária, debaixo do domínio de um estado repressivo e de uma ideologia falsamente libertadora. Mas pregar a contrarrevolução no Alentejo, todos o sabemos, é uma tarefa inglória. Uma ideia que custou décadas a arraigar-se no meio do povo, leva outras tantas a desarreigar-se. E contra isso nada há a fazer a não ser tolerar a paciência e deixar passar o tempo.

 

Por vezes, quando decidiam ir visitar um grupo de conhecidos do José a um qualquer monte lá no meio de nenhures, apesar de serem bem recebidos e devidamente acolhidos, quando intentavam pregar a boa nova de que era necessário lutar contra a tirania marxista-leninista-punhalista, as pessoas mudavam logo de assunto. Algumas, apesar de concordarem que a República Popular do Sul era pouco democrática, argumentavam que a luta que travaram contra o regime fascista de Salazar, e contra os latifundiários, lhes tinha saído cara e por isso não estavam na disposição de lutar contra quem os tinha ajudado nesse combate.

 

O José bem argumentava que sem latifundiários, mas com capatazes comunistas, sem Salazar mas com Punhal, a fome era muita, as prisões estavam repletas de presos políticos, a repressão era quase diária, não se podia falar contra o Estado, nem contra o Partido, nem contra Alberto Punhal. Mas eles teimavam sempre na sua, que o Partido os tinha ajudado no derrube do fascismo e na conquista do socialismo, entre outras frases feitas.

 

Quando bebia aguardente de medronho mais do que a conta, o José tornava-se agressivo na argumentação referindo que a revolução pretensamente socialista se tinha limitado a mudar o nome às coisas, mas que tudo continuava na mesma, ou pior. O Estado era mais totalitário, a polícia política praticava métodos ainda mais cruéis do que a antiga PIDE, os sindicatos limitavam-se a enfraquecer ou a sufocar as reivindicações dos operários e a Igreja tinha sido substituída pelo Partido, e para pior, pois era muito mais fundamentalista. Os bispos eram agora os membros do Comité Central e os padres foram trocados pelos funcionários comunistas. Afinal o que era Alberto Punhal senão o Cardeal representante da Cúria Soviética em Portugal sob o papado de Brejnev?

 

“Camarada José”, avisavam-no os pobres camponeses, “não te admitimos essas heresias. O homem pode ser muita coisa mas não é nenhum Cardeal. Ele nem sequer sabe rezar.” E o José: “Isso é o que ele faz todos os dias, quando profere aqueles disparates como se fossem verdades absolutas.”

 

E depois ia dormir. Ou fazer que dormia, pois não lhe saíam da cabeça aquelas palavras teimosas dos pobres camponeses que não conseguiam abandonar a sua obstinação comunista. Estava visto, as pessoas são atreitas às pretensas verdades absolutas. A tradição tem um peso desmesurado. A tradição e a falta de cultura. Que quase sempre andam juntas. A maioria das vezes, a tradição é a celebração da incultura, do atraso, da incapacidade de pensar. E qualquer revolução, mesmo uma contrarrevolução revolucionária, é vítima disso mesmo.

 

Imbuídos de espírito transformador, os revolucionários fingem que mudam as estruturas da sociedade para fazerem de conta que pretendem mudar o ser humano. Neste processo, os únicos que se transformam são os revolucionários que deixam de o ser para se converterem em torcionários.

 

Mas voltemos à nossa história. Entretanto, um pesadelo tornou-se recorrente nas noites mal dormidas do José.


publicado por João Madureira às 07:45
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 15 seguidores

.pesquisar

 

.Março 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9



31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

.  Epístola primeira

. A cultura do meu amigo

. Apetites freudianos

. Barroso com neve

. Vilarinho Seco

. Pinheiros com neve

. Poema Infinito (501): A c...

. Jardim Público - Chaves

. Tâmega

. 486 - Pérolas e Diamantes...

. Serenidade

. Serenidade

. Na conversa

. Poema Infinito (500): O D...

. Em Santiago de Compostela

. À espera

. 485 - Pérolas e Diamantes...

. Em Santiago de Compostela

. No Porto com Axel, Marina...

. Trabalhando

. Poema Infinito (499): As ...

. No pátio

. Atravessando a ponte

. 482 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. No Porto

. Póvoa de Varzim

. Poema Infinito (498): A v...

. Em Guimarâes

. No Louvre

. 484 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. Sorriso

. Na aldeia

. Poema Infinito (497): Aur...

. Procissão

. Tudo treme

. 483 - Pérolas e Diamantes...

. A mulher e o burro

. Ao sol

. Na aldeia

. Poema Infinito (496): Luz...

. No trabalho

. No pasto

. 481 - Pérolas e Diamantes...

. Nuvens

. Água

. Músico

. Poema Infinito (495): Est...

. Arcos

.arquivos

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar