Sábado, 20 de Janeiro de 2007

A força

 

 

Um olhar tem muita força: a força da verdade.

E a verdade tem muita força.

Por seu lado a força tem muita potência.

A força tem muito a ver connosco. Tem muito a ver com a vida. Tem muito a ver com tudo.

Sem força não era possível pensar, por exemplo. Ou andar. Ou amar. Ou rir. Sem força nada era possível.

A força, mesmo usada em pequenas doses, pode mudar o mundo dos outros. E até o nosso.

A força exercida no momento certo pode fazer com que uma vida se crie ou se destrua. Por isso o grande problema não está na força, propriamente dita, mas sim na sua aplicação.

Utilizar a força com talento não é tarefa fácil. Depende da energia que se coloca na intenção.

A intenção é já, em si mesma, uma força. Uma força bestial.

Quando usamos a força com agilidade podemos conseguir milagres.

Claro que o critério pode fazer com que a força se expanda ou se retraia.

Há vários tipos de força, umas delas é a centrípeta e a outra é a centrífuga.

Mas também existem forças ascendentes e descendentes, forças vivas e forças estranhas, forças relativas e absolutas, forças convergentes e divergentes.

Até existem forças ocultas.

Estas são mais de carácter esotérico, o que, em si mesmo, nada quer significar a não ser que são estranhas e pouco dadas à racionalidade.

Fora isso, até são um género de forças que fazem com que nos elevemos ao patamar da subtileza. E olhem que a subtileza só se consegue adquirir utilizando a força como se ela não existisse.

A subtileza é uma força ao contrário. Uma força que se combate a si própria. Mas que batalha quase sem darmos por isso. É a modos que uma força imperceptível que se desloca sem nos apercebermos.

Ou melhor, a subtileza não se desloca, desliza utilizando uma força que, em, si própria, se exerce de dentro para fora e de fora para dentro. Isto tudo ao mesmo tempo. É a força quântica.

Existe ainda a força dos desejos que, a acreditarmos nos livros da especialidade, é a que os homens mais procuram para serem felizes.

Só que, ao contrário da força do desejo, a força da felicidade não existe. Só existe a força de querer ser feliz.

 


publicado por João Madureira às 19:19
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Junho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9



25
26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Na aldeia

. Na aldeia

. No museu

. Poema Infinito (410): Ind...

. Na aldeia

. na aldeia

. 397 - Pérolas e Diamantes...

. Berto e amigos em Covas d...

. Pai e filho no Barroso

. Eu e o Berto ao espelho

. Poema Infinito (409): Exp...

. Na aldeia

. Autorretrato a P&B

. 396 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. Olhares

. Croché

. Poema Infinito (408): O p...

. Sorriso

. A roca e o fuso

. 395 - Pérolas e Diamantes...

. Expressões

. Expressões

. Expressões

. Poema Infinito (407): Dec...

. Expressões

. Expressões

. 394 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia, com neve...

. Na aldeia, com neve...

. Na aldeia, com neve...

. Poema Infinito (406): A d...

. Na aldeia, com neve...

. Na aldeia, com neve...

. 393 - Pérolas e Diamantes...

. Neve no Barroso

. Rio Tâmega - Chaves

. Na aldeia

. Poema Infinito (405): A s...

. Na aldeia

. Poldras de Chaves

. 392 - Pérolas e Diamantes...

. Na festa

. No São Caetano

. No São Caetano

. Poema Infinito (404): Cri...

. No museu

. Na aldeia

. 391 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

.arquivos

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar