Terça-feira, 20 de Fevereiro de 2007

A espera

 

 

E lá estamos nós à espera. À espera do que há-de vir. À espera de ir, para logo a vir. E à espera de vir, para logo tornar a ir. E lá continuamos à espera. Esperamos uns pelos outros. Eu espero por ti. Tu esperas por mim. Eu espero por ele. E ela por ti. Eu espero descansar depois do trabalho para logo estar pronto para de novo ir trabalhar e de novo poder esperar e pensar em descansar. Espero pela noite para dormir. E espero pela manhã para ir trabalhar. Espero pelos sábados para ir ao cinema e pelos domingos para ir à missa. E espero por dias de sol. E espero que me saia o totoloto e espero que me saias da frente porque me incomodas.

A vida é uma espera permanente. Esperamos por um bom emprego, por uns bons dias de férias, esperamos por obter um trabalho descansado e bem remunerado. E esperamos pelas esperas dos outros. Só que quem espera desespera e nunca alcança.

Estou à vossa espera. Eu que nunca espero, estou à vossa espera sentado num banco de jardim que também espera. Um banco de jardim espera sempre por alguém.

Há várias formas de se esperar: esperar de pé, esperar encostado, esperar de cócoras ou deitado. Mas a melhor forma de esperar é mesmo sentado.

O melhor é esperar sentado. Se espera, espere sentado.

E se não quer esperar vá-se embora, pois aqui só há lugar para quem gosta de esperar.

Só que eu não gosto de esperar como os outros esperam. Eu gosto de esperar como quem não espera. Eu só espero porque a isso sou obrigado. Eu até gostava mais de não esperar. Mas tenho de esperar porque os outros também esperam e se uma pessoa não espera quando os outros esperam não consegue esperar convenientemente. Ora uma espera que não seja conveniente não é uma verdadeira espera.

Esperar é preciso, viver não é preciso.

Há pessoas que passam a vida a esperar e tanto esperam que desesperam. Só que o desespero não é uma boa forma de esperar. Espera-se melhor sentado.

Há longas esperas e esperas curtas. As longas são mais descansadas, mas também mais aborrecidas. As esperas curtas são mais engraçadas.

Hoje esperei que me fartei. Fartei-me de esperar. Mas, por fim, a espera chegou perto de mim e sentou-se no seu justo lugar.

Por isso a minha espera não foi em vão.

Rejubilemos então.

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 11 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9


22
23
24
25
26
27
28

29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Neve

. Neve

. Poema Infinito (401): A p...

. Neve

. Neve

. 388 - Pérolas e diamantes...

. No Porto

. No Porto

. No Porto

. Poema Infinito (400): Ind...

. No Porto

. No Porto

. 387 - Pérolas e diamantes...

. Na aldeia

. Árvore na neve

. Neve no jardim

. Poema Infinito (399): A c...

. No Barroso

. No Barroso

. 386 - Pérolas e diamantes...

. Delicadeza

. São Sebastião - Couto Dor...

. Na festa

. Poema Infinito (398): A e...

. Sorriso

. Nas escadas

. 385 - Pérolas e diamantes...

. Na aldeia

. Na cozinha

. No Porto

. Poema Infinito (397): Rec...

. Na aldeia

. Em Lisboa

. 384 - Pérolas e diamantes...

. No museu

. No museu

. No museu

. Poema Infinito (396): O m...

. No museu

. No museu

. 383 - Pérolas e diamantes...

. Na aldeia

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (395): A d...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 382 - Pérolas e Diamantes...

. Festa dos Povos - Chaves

. Festa dos Povos - Chaves

.arquivos

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.Visitas

.A Li(n)gar