Quarta-feira, 7 de Março de 2007

O descanso

 

 

Deixem-me descansar em paz.

Agora tudo me apoquenta. São os anos, as varizes, as artroses, a tensão alta, o colesterol, a diabetes, a ulcera, os dentes, os pulmões, o coração, a vista e tudo e tudo e tudo.

Agora canso-me por tudo e por nada. Estou perto do fim.

É a vida!

Todos os anos venho aqui visitar os meus antepassados, pôr-lhes flores nas campas, conversar um bocadinho com cada um. E tenho aqui muito com quem conversar. Quase todos os que me eram próximos já para aqui estão em silêncio, à minha espera. Mas eu teimo em ficar mais um pouco. Por isso ainda agora mesmo me sentei nas escadas deste jazigo. É túmulo de rico, mas de certeza que não se importa que uma pobre de Cristo se sente nas suas escadas.

Preciso de descansar. Eu canso-me muito. É do coração. E dos pulmões e tudo e tudo e tudo. As pernas já não me ajudam. Também se cansam, as coitadas. Elas já andaram muito, verdade se diga. É que antigamente tudo andava a pé, não é como nos dias de hoje em que anda tudo de carro. Agora só não vão de “popó” para o café porque não cabem na porta. Mas com o tempo lá chegarão.

Os que andam de carro também se cansam. Cansam-se de andar de carro e cansam-se quando se sentam e quando se levantam e quando dão dois passos.

Também, pudera, não fazem nenhum exercício físico e depois é aquilo que se vê: todos sofrem das doenças da fartura.

No meu tempo era tudo mais elegante. Lembro-me que quando andava na escola éramos todos como espetos, delgadinhos e com olhos e orelhas de rato. Havia muita fome e pouca fartura. O que antigamente escasseava, hoje sobra. Mas a vida continua complicada como sempre.

É curiosa a vida!

Antigamente sonhava-se com comida. E roupa. Todos queriam ser rechonchudos, pois a magreza era sinal evidente de pobreza, bem assim como os remendos na roupa.

Hoje não. Hoje tudo quer ser magro e andar com as calças todas rotas e coçadas e com blusas tão curtas que se lhes vê quase tudo o que não é para ver.

São curiosas as pessoas!

Quando têm a possibilidade de serem rechonchudinhas e andarem bem vestidas, preferem fazer dieta até ficarem doentes e trajarem roupa de mendigos, ou de parvos.

São curiosas as pessoas!

E agora desculpem-me mas tenho de os deixar e ir falar ali com os meus. Faço-o sempre primeiro com o meu marido, que em paz descanse. Depois vou visitar os meus pais e algum dos meus irmãos e tias e primos e alguns meus amigos e colegas.

Os que me enchem o pensamento já quase todos aqui repousam.

É este o meu território de memória.

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Iris Filipa Santos a 11 de Março de 2007 às 21:52
Gostei!!!!!!!!!! =D


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Neve em Barroso

. 422 - Pérolas e Diamantes...

. Em Santiago

. AR

. Em Santiago

. Poema Infinito (435): Tod...

. Ao frio

. No Louvre

. 421 - Pérolas e Diamantes...

. Tâmega - Chaves

. No Porto

. No Porto

. Poema Infinito (434): A v...

. Em Bragança

. Em Chaves

. 420 - Pérolas e Diamantes...

. Vilarinho Seco - Barroso

. São Sebastião - Couto Dor...

. S. Sebastião - Alturas do...

. Poema Infinito (433): A e...

. S. Sebastião - Couto de D...

. S. Sebastião - Couto de D...

. 419 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (432): Mat...

. Em Chaves

. Na cozinha de S. Sebastiã...

. 418 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. Chaves - Jardim Público

. Chaves

. Poema Infinito (431): A p...

. No Barroso

. No Barroso

. 417 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (430): Das...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 416 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (429): O d...

. Na aldeia

. Na aldeia

.arquivos

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar