Domingo, 11 de Março de 2007

A velocidade da luz

 

 

Nada me entusiasma. São os teus olhos objectos raros.

Se o Mundo mudar que mude. São os teus olhos objectos raros. A desafectação impera. Já nada me importa. Eu sou exportação. São os teus olhos objectos raros. O conteúdo da negação. O subterfúgio da obrigação. O desinteresse da endogeneização. São os teus olhos objectos raros

São as perguntas respostas, quando bem feitas. São os teus olhos objectos raros. São as desfeitas outras tantas desculpas, quando reforçadas. Ai os sortilégios! Ai os abrenúncios! Ai os caleidoscópios! Ora, ora, ora, já estás fora de hora e … São os teus olhos objectos raros… e … e … tu és pau e em pau te hás-de transformar.

Não lhe ponhas verniz que estraga. São os teus olhos objectos raros. Não lhe aumentes a intensidade que quebra. Não te armes que não aguentas. Ou … São os teus olhos objectos raros… ou… São os teus olhos objectos raros ou… São os teus olhos objectos raros… ou… vês, já não estou aqui. Nem aí. Nem acolá. Ai a melodia intrínseca à desfeita. Não me desfaças. Não me obrigues. Não te desmembres. Não te deslocalizes. Não te descontentes. Não te “dessexualizes”.  São os teus olhos objectos raros.

Há um membro pronunciado em cada conceito hiperbólico. São os teus olhos objectos raros. Há e há e há e torna a haver. E se não há é porque deixa de haver.

Noutro sentido vai a pronúncia do Norte. São os teus olhos objectos raros.

Antes o Norte que tal sorte. São os teus olhos objectos raros.

Antes a sorte que tal Norte. São os teus olhos objectos raros. Antes a morte que o desalento. São os teus olhos objectos raros. É esta a pronúncia do Nordeste.

Antes o Leste que o Sul.

Já o vento se deslocaliza na imensidão das praias. São os teus olhos objectos raros.

Tu és pó e em pó te hás-de tornar. São os teus olhos objectos raros.

Não te martirizes. Há muito mais céu que olhares. E há muito mais azul que mar. São os teus olhos objectos raros.

Porque me olhas assim? São os teus olhos objectos raros.

Será que sou assim tão estranho? São os teus olhos objectos raros.

Estranho é o teu conceito de proximidade. São os teus olhos objectos raros.

Em cada dia que passa mais a luz se afirma como o princípio de tudo. Tudo é luz ou em luz se há-de transformar. Tu és luz ou em luz te hás-de transformar. São os teus olhos objectos raros São os teus olhos objectos raros São os teus olhos objectos raros. São os teus olhos objectos raros. São os teus olhos objectos raros. São os teus olhos objectos raros… pling, plang, plong… São os teus olhos objectos raros… pling, plang, plong, pling, plang, plong, pling, plang, plong, pling, plang, plong, pling, plang, plong, pling, plang, plong, pling, plang, plong, pling, plang, plong…. objectos raros. São os teus olhos objectos raros. São os teus olhos objectos raros. São os… plang, plong, pling, plang, plong, pling, plang, plong, pling, plang, plong, pling… Tu és luz ou em luz te hás-de transformar... São os teus olhos objectos raros… plong, pling, plang, plong, pling, plang, plong, pling… luz… luz… luz

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9


22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. No lagar

. Olhares

. Poema Infinito (414): A ...

. Delicadeza

. Sorriso

. 401 - Pérolas e Diamantes...

. Músicos

. Sorrisos

. Fumeiro

. Poema Infinito (413): A ...

. À espera

. Sorriso

. 400 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (412): O ...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 399 - Pérolas e Diamantes...

. No jardim

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (411): Os ...

. Nas batatas

. Na aldeia

. 398 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Na aldeia

. No museu

. Poema Infinito (410): Ind...

. Na aldeia

. na aldeia

. 397 - Pérolas e Diamantes...

. Berto e amigos em Covas d...

. Pai e filho no Barroso

. Eu e o Berto ao espelho

. Poema Infinito (409): Exp...

. Na aldeia

. Autorretrato a P&B

. 396 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. Olhares

. Croché

. Poema Infinito (408): O p...

. Sorriso

. A roca e o fuso

. 395 - Pérolas e Diamantes...

. Expressões

. Expressões

.arquivos

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar