Quarta-feira, 30 de Maio de 2007

Sinais de desintegração (II)

 

 

E aqui estamos nós naquilo a que os velhos do Restelo profetizavam e, por incrível que pareça, aconteceu.

Somos agora um pequeno rectângulo no extremo sul da Europa.

Europa que não nos quer, não nos ama e apenas nos tolera, porque somos mestiços.

Aos seus olhos somos uma pequena possibilidade turística, um mercado com interesse moderado, uma fonte de mão-de-obra barata e um bom mercado para recrutar trabalhadores.

Todos os sacrifícios feitos pelos portugueses ao longo dos séculos foram borda fora.

Agora somos, apenas, um povo vazio e indefeso.

E, na sucessão inglória dos nossos vários líderes partidários e dos sucessivos primeiros-ministros, ninguém nos diz, em nome da nossa dignidade, e sem mistérios, para onde vamos, porquê e para quê.

Resta-nos adivinhar.

 


publicado por João Madureira às 22:00
link do post | comentar | favorito
5 comentários:
De Pedro Neves a 31 de Maio de 2007 às 10:58
Olá,

O seu blog foi destacado na Homepage dos Blogs (http://blogs.sapo.pt) e do próprio SAPO (http://www.sapo.pt), na área relativa aos blogs.

Em nome da equipa dos Blogs do SAPO, parabéns e boa continuação :)

Pedro Neves


De Rui a 31 de Maio de 2007 às 14:32
A situação actual é complicada, mas não alarmante ou catastrófica.
Na minha opinião ainda estamos a sofrer os tempos ditatoriais. Tempos que se não tivessem acontecido e a nossa democracia tivesse começado nos anos 10 ou 20 certamente hoje estariamos muitissimo melhor, a todos os niveis.
Quando os efeitos colaterais salazaristas passarem defenitivamente, ainda estaremos atrasados em relação à Europa, mas certamente no longo prazo, obteremos novamente um nivel de sucesso, como nação e país, bastante significativos e melhores que o actual nível.


De tfnduarte a 31 de Maio de 2007 às 15:50


De InsideOut a 31 de Maio de 2007 às 20:09
Visita http://elasticodacueca.blogs.sapo.pt


De Rainha13 a 31 de Maio de 2007 às 20:26
Que triste situação! Sua cultura esta cheia de coisas boas..
Se pode fazer alguma coisa ao respeito?


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Agosto 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

15


27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. 457 - Pérolas e Diamantes...

. Chaves

. Barroso

. Barroso

. Poema Infinito (470): Do ...

. Barroso

. Loivos

. 456 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (469): O l...

. No Barroso

. No Barroso

. 455 - Pérolas e Diamantes...

. O cabrito

. No Couto de Dornelas

. ST

. Poema Infinito (468): Voo...

. No Louvre

. O anjinho

. 454 - Pérolas e Diamantes...

. Gente bonita em Chaves

. Luís em Santiago

. No Louvre

. Poema Infinito (467): A a...

. Louvre

. Em Paris

. 453 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. Sorriso

. No Barroso

. Poema Infinito (466): Sem...

. Interiores

. No Barroso

. 452 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. São Sebastião - Couto Dor...

. No Barroso

. Poema Infinito (465): Dor

. No Barroso

. Misarela

. 451 - Pérolas e Diamantes...

. Feira dos santos

. Na feira

. O pastor

. Poema Infinito (464): A á...

. O homem da concertina

. Notre-Dame de Paris

. 450 - Pérolas e Diamantes...

.arquivos

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar