Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

TerçOLHO

Este é um espaço dedicado às imagens e às tensões textuais. O resto é pura neurastenia.

TerçOLHO

Este é um espaço dedicado às imagens e às tensões textuais. O resto é pura neurastenia.

30
Mar08

O resto que se lixe

João Madureira

 

Quem me conhece sabe que não sou pessoa muito dada a sorrisos. Mas não me interpretem mal, também eu sorrio, o que é normal. Até gosto de rir. Mas detesto falsos sorrisos.

Tudo o que é artificial me repugna.

Sou daqueles que preferem uma expressão sincera a um sorriso falso.

 

29
Mar08

Algures a vida real

João Madureira

 

Li algures algo parecido com: “é frequente a vida real de uma pessoa ser aquela que ela não leva”.

Não sei porque carga de água pensei logo de imediato nos simbólicos conselhos de ministros do nosso país a caminho do socialismo.

 

28
Mar08

Sinto pena…

João Madureira

 

Enfronhado nos livros, nas suas paisagens imaginadas, nos seus esboços drásticos e nas memórias relatadas, por vezes esqueço-me de que lá fora está a vida dos outros. Sinto pena, mas cada um escolhe o seu próprio caminho.

27
Mar08

A memória do mal

João Madureira

 

Chaves, 27 de Março de 2008: Miguel Torga - Coimbra, 9 de Setembro de 1952 – “Não sou feliz, nem poderei sê-lo nunca. A memória do mal acompanha-me como um cilício. As minhas ilusões lembram-me os frutos dos recantos sombrios: não amadurecem”.

26
Mar08

O tolo no meio da ponte

João Madureira

 

A nossa classe política - aquela que ainda pensa com alguma sinceridade ser capaz de resolver os problemas estruturais do pais -, à custa de tanto se valorizar, corre o risco sério de cegar.

O preocupante é que não sei se age assim de propósito.

Sei bem que no nosso pequeno país é necessário valorizar a nossa pequena realidade. Mas tanta pequenez e tanto complexo de virtude cristã são bem capazes de tornar todo o processo do nosso desenvolvimento inconsequente.

 

25
Mar08

Ainda

João Madureira

 

Ainda há por aí muito bom português que se ilude com a ilusão dos outros. Alguns acreditam que é possível renovar o ser humano. E baseiam-se na vontade. E citam-na. E apregoam-na. Mas a vontade não é suficiente para substituir os hábitos por elucubrações interiores. Cada promessa de mudança definha de encontro às rotinas. Todos queremos modificar a nossa vida, a sociedade. Mas a banalidade é o que fica. Uma tremenda banalidade.

24
Mar08

Pling……………………ping………….

João Madureira

 

 

Pling…………………………………………………………………………….ping………………………………………………………………………………….plong…………………………………………………………………….pling………………………………peng……………………………..ping.pong…………………………………………………..pling……………………………………………………………….ping……………………………………………ping………………………..ping……………………………………….ping…

23
Mar08

Via Crucis

João Madureira

 

“Os nazis e bolcheviques podem estar certos de que as suas fábricas de extermínio, que demonstram a solução mais rápida do problema de excesso de população, das massas economicamente supérfluas e socialmente sem raízes, são ao mesmo tempo uma atracção e uma advertência. As soluções totalitárias podem muito bem sobreviver à queda dos regimes totalitários sob a forma de forte tentação que surgirá sempre que pareça impossível aliviar a miséria política, social e económica de um modo digno do homem”.

 

Hannah Arendt“As origens do totalitarismo”

 

22
Mar08

A descrença crescente

João Madureira

 

Poucos compreendem o tempo. Esquecemo-nos que é preciso tempo para criar algo de novo. E uma disponibilidade incansável.

Não pretendo ser redutor, nem das ideias, nem dos ideais, mas… não consigo olhar sem ironia para os crentes, todos os crentes.

Eu, limitado pela cultura, verifico a descrença crescente na crença do homem.

 

Pág. 1/4

Mais sobre mim

foto do autor

Visitas

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

blog-logo

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

A Li(n)gar