Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

TerçOLHO

Este é um espaço dedicado às imagens e às tensões textuais. O resto é pura neurastenia.

TerçOLHO

Este é um espaço dedicado às imagens e às tensões textuais. O resto é pura neurastenia.

31
Jul08

Quem és tu?

João Madureira

 

 

- Olá, quem és tu?

- Sou o homem vazio.

- O T. S. Eliot?

- Por favor não me encadeies com essa luz.

- Que luz?

- Prometes não lançar essa luz sobre mim?

- Prometo.

- Olá, quem és tu?

- Sou o homem vazio…

 

30
Jul08

O princípio da escrita

João Madureira

 

 

Li algures que a existência não possui grande interesse, a não ser nos dias em que a poeira da realidade se mistura com areia mágica, em que qualquer vulgar incidente se torna energia romanesca. É esse o princípio da escrita.

29
Jul08

A sabedoria não se recebe

João Madureira

 

 

“A sabedoria não se recebe, todos temos de a descobrir por nós mesmos, depois de um trajecto que ninguém pode fazer por nós, que ninguém nos pode poupar, porque é um ponto de vista sobre as coisas”.

 

Proust (Elstir) – Em Busca do Tempo PerdidoÀ Sombra das Raparigas em Flor

 

28
Jul08

Splach, pling, plong, ping…

João Madureira

 

 

Splach, pling, plong, ping, splach, splach, splach, pling, pling, ping, ping, pling, plong, ping, splach, splach, splach, pling, pling, ping, ping, pling, plong, ping, splach, splach, splach, pling, pling, ping, ping, pling, plong, ping, splach, splach, splach, pling, pling, ping, ping, pling, plong, ping, splach, splach, splach, pling, pling, ping, ping, pling, plong, ping, splach, splach, splach, pling, pling, ping, ping, pling, plong, ping, splach, splach, splach, pling, pling, ping, ping, pling, plong, ping, splach, splach, splach, pling, pling, ping, ping, pling, plong, ping, splach, splach, splach, pling, pling, ping, ping, pling, plong, ping, splach, splach, splach, pling, pling, ping, ping…

27
Jul08

Ainda há-de chegar o dia…

João Madureira

 

 

Ainda há-de chegar o dia em que vamos poder dizer de um político português, tal como o personagem principal do romance de Proust referindo-se ao seu amigo Robert Saint-Loup: “A sua cabeça fazia lembrar aquelas torres de antigos baluartes cujas ameias inutilizáveis permanecem visíveis, mas que foram interiormente adaptadas a bibliotecas”.

26
Jul08

Nenhum de nós sabe ao certo…

João Madureira

 

 

Nenhum de nós sabe ao certo onde se encontra aquilo que procuramos. Muitas das vezes até fugimos do lugar para onde nos convidam, sem suspeitarmos de que era ali onde podíamos encontrar a razão dos nossos pensamentos. Ou a pessoa certa.

25
Jul08

A política por outros meios

João Madureira

 

 

 

A religião, que é a política por outros meios, costuma viver das verdades eternas.

Só que a História demonstra, para nosso grande espanto, que cada verdade eterna contém, pelo menos, outra verdade, se não várias, idênticas a ela.

Qualquer homem sensato deve, por isso, revelar profunda desconfiança quando se trata de verdades eternas.

Ninguém, no seu perfeito juízo, é capaz de negar que elas são imprescindíveis, mas estou convencido de que quem as toma à letra é louco.

Alguns ideais humanos contêm exigências tão exorbitantes que podem levar qualquer pessoa à desgraça. E só há uma maneira de o acautelar: evitar, desde logo, levá-los completamente a sério.

 

24
Jul08

À medida que avançamos…

João Madureira

 

 

À medida que avançamos na vida, perguntamo-nos como é que chegámos a ser aquilo que somos, porque temos prazer com determinadas coisas, porque partilhamos determinada visão do mundo, porque exercemos esta ou aquela função, ou o porquê do nosso carácter. E é nesse preciso momento que nos damos conta que a partir daí as coisas já não irão mudar muito.

Podemos até concluir que fomos enganados, porque não há ninguém que consiga descobrir em lugar nenhum a razão suficiente para que tudo tenha acontecido como aconteceu, porque é certa a possibilidade de tudo ter acontecido de outra forma.

Aliás, raramente o que acontece depende da iniciativa dos homens, antes resulta das mais variadas circunstâncias, dos caprichos, da vida e da morte das outras pessoas. Quase sempre o que acontece vem ter connosco no momento próprio e inadiável.

 

22
Jul08

Voltar a Voltaire

João Madureira

 

 

 

Ontem, enquanto via e ouvia no telejornal o primeiro-ministro e a chefe da oposição, lembrei-me de uma frase de Voltaire que diz que os homens só utilizam as palavras para esconder os pensamentos e só se servem dos pensamentos para justificar as suas injustiças.

 

Pág. 1/4

Mais sobre mim

foto do autor

Visitas

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

blog-logo

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

A Li(n)gar