Sábado, 24 de Julho de 2010

Portefólio – Desfile Etnográfico – Chaves, Julho de 2004


publicado por João Madureira às 14:00
link do post | comentar | favorito

Portefólio – Desfile Etnográfico – Chaves, Julho de 2004


publicado por João Madureira às 12:00
link do post | comentar | favorito

Portefólio – Desfile Etnográfico – Chaves, Julho de 2004


publicado por João Madureira às 11:00
link do post | comentar | favorito

Portefólio – Desfile Etnográfico – Chaves, Julho de 2004


publicado por João Madureira às 10:00
link do post | comentar | favorito

Portefólio – Desfile Etnográfico – Chaves, Julho de 2004


publicado por João Madureira às 09:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 23 de Julho de 2010

Nada é mais fácil do que morrer

 

“À tardinha, os notáveis turcos de Visegrad encontravam-se nas Portas, sentados de pernas cruzadas, em círculo, Segundo a importância de cada um. Entre eles estava Osman-efêndi, um homem alto, magro e pálido. No seu rosto, todos os músculos eram estranhamente contraídos, os olhos febris e a testa e as faces eram cheias de cicatrizes, como as dos epilépticos. Diante dele, de pé, Ali-hodza, corado, baixinho mas imponente, fazia cada vez mais perguntas com voz sibilante. «Quantos soldados? Para onde ir? Com que lutar? Como? Qual o objectivo? Que sucederia se não vencêssemos?» A altivez fria e quase maligna com que o imã abordava este assunto escondia os receios e a amargura que lhes inspiravam a superioridade dos cristãos e a fraqueza e a confusão evidentes dos turcos. Mas o exaltado e sombrio Osman-efêndi não era homem para notar ou compreender este género de coisas. O seu génio violento e impetuoso, e o fanatismo de nervos enfermos, bem depressa o faziam perder a paciência e o sangue-frio e caía sobre cada indício de dúvida e hesitação com uma fúria selvagem, como se de um austríaco se tratasse. Este imã tinha o condão de o irritar e levava-o a responder com ira mal contida, mas com lugares comuns e palavras ocas. Ir-se-á até onde for preciso e com o que se tiver. O essencial era não deixar o inimigo invadir o território sem combate e aquele que fazia muitas perguntas só entravava a causa e auxiliava o inimigo. Por fim, completamente fora de si, respondia com desprezo mal velado a cada pergunta do hodza: «Chegou a hora de morrer»; «Vamos arriscar as nossas cabeças»; «Morreremos todos até ao último».

Mas, afinal – interrompia o imã –, e eu a pensar que querias expulsar os germanos da Bósnia e que fora por isso que nos reuniste. Mas se é de perecer que se trata, nós sabemos morrer sozinhos, meu Efêndi, mesmo sem ti. Nada é mais fácil do que morrer.

– Estou a ver que tu tens medo de morrer – replicava grosseiramente Karamanli.

– E eu estou a ver que tu queres mas é morrer – respondia-lhe o imã cortante –, mas não vejo por que andas á procura de companhia para um negócio desajuizado.

A conversa degenerou, por fim, numa verdadeira peixeirada, na qual Osman-efêndi chamou a Ali-hodza porco cristão e traidor, um daqueles cuja cabeça deveria, como a dos cristãos, ficar a adornar as Portas, enquanto o imã continuava imperturbavelmente reclamando com insistência, razões e provas, como se não escutasse as ameaças e os insultos.

(…) A entrada oficial e solene das tropas austríacas so teve lugar no dia seguinte.

Pelo menos que o povo se lembrasse, nunca houvera um tal silêncio na cidade. As lojas nem chegaram a ser abertas. Nas casas, as portas e as janelas ficaram fechadas, apesar de ser um daqueles dias quentes e soalheiros de fins de Agosto. Ruelas desertas, pátios e jardins como mortos. Mas casas turcas reinavam o desalento e a confusão, nas cristãs a prudência e a desconfiança. Mas em todas elas – medo. Os austríacos que acabaram de chegar temem emboscadas, os turcos receiam os germanos, e os sérvios os germanos e os turcos. Os judeus, esses, tremem diante de todos, porque, sobretudo em tempos de guerra, todos são mais fortes do que eles. Todos eles carregam ainda os ecos do bombardeamento da véspera nos ouvidos. E se todas as pessoas tivessem obedecido ao medo, nem só uma teria posto os pés na rua nesse dia. Mas, qualquer homem tem os seus senhores e patrões.”

 

Ivo Andric – A Ponte sobre o Drina – Cavalo de Ferro


publicado por João Madureira às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 22 de Julho de 2010

Portefólio – 8 de Julho - Dia da Cidade de Chaves (2010)


publicado por João Madureira às 13:00
link do post | comentar | favorito

Portefólio – 8 de Julho - Dia da Cidade de Chaves (2010)


publicado por João Madureira às 12:00
link do post | comentar | favorito

Portefólio – 8 de Julho - Dia da Cidade de Chaves (2010)


publicado por João Madureira às 11:00
link do post | comentar | favorito

Portefólio – 8 de Julho - Dia da Cidade de Chaves (2010)


publicado por João Madureira às 10:30
link do post | comentar | favorito

Portefólio – 8 de Julho - Dia da Cidade de Chaves (2010)


publicado por João Madureira às 10:00
link do post | comentar | favorito

Portefólio – 8 de Julho - Dia da Cidade de Chaves (2010)


publicado por João Madureira às 09:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 21 de Julho de 2010

Um teorema prático de estrelas

 

O tempo das palavras demanda respostas. Procurei sempre o teu lugar. O período magro absorve a tua imagem. A época forte separa nitidamente as mãos gémeas. Em qualquer parte um homem levanta uma cidade. Em qualquer parte uma criança ergue uma flor. Em qualquer parte uma mulher exibe o filho nascido das suas entranhas. E o sol permanece no sorriso dos amantes. Aproxima-se a noite anunciada pela encruzilhada da paciência. O meu corpo é agora uma vertigem entusiasmada. Tu és a minha surpresa diária. A nossa vida é um teorema prático de estrelas implacáveis subornadas pela rotina. Sinto a evidência cega do sexo. Contento-me com a perseverança ténue das carícias. Há na espera uma implacável surpresa de silêncio. As palavras cruzam-se na alma dos meninos. São palavras compridas moduladas pelas noites do mundo dos sonhos. Todas as noites são uma só noite. A noite é uma palavra triste, um murmúrio de sombra nos meus olhos. Procurei sempre o meu lugar no teu corpo, onde as palavras nuas se vestem de murmúrios felizes. Uma multidão de pirilampos abriga-se nos teus olhos. O teu corpo tem a densidade das folhas na primavera. O teu sorriso é actualmente uma nova alegria. Viajo agora na esperança de um grito claro. Já passou o tempo de começar. Agora o tempo pressagia o longo cansaço do corpo, por isso fingimos ter um destino qualquer.


publicado por João Madureira às 09:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 20 de Julho de 2010

Portefólio – Feira dos Santos – Chaves – PB


publicado por João Madureira às 14:00
link do post | comentar | favorito

Portefólio – Feira dos Santos – Chaves – PB


publicado por João Madureira às 13:00
link do post | comentar | favorito

Portefólio – Feira dos Santos – Chaves – PB


publicado por João Madureira às 12:00
link do post | comentar | favorito

Portefólio – Feira dos Santos – Chaves – PB


publicado por João Madureira às 11:00
link do post | comentar | favorito

Portefólio – Feira dos Santos – Chaves – PB


publicado por João Madureira às 10:00
link do post | comentar | favorito

Portefólio – Feira dos Santos – Chaves – PB


publicado por João Madureira às 09:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 19 de Julho de 2010

O Homem Sem Memória

 

23 – Apesar da grande desilusão revolucionária que para si constituiu a grande manifestação popular contra o comunismo, contra o Partido e contra Punhal, na qual, resumidamente, o povo esteve contra o povo, José adormeceu como uma criança depois de ter apanhado os seus pais na cama a copularem com alguma intensidade erótica. Com o coração apertado e com o ciúme à flor da pele, desembocou num sono pesado. Apesar da enorme desilusão, sonhou. O cérebro de um rapaz, mesmo que ele seja comunista, portanto um filho dilecto do povo que o originou, é uma máquina imprevisível de imaginação, um delicado instrumento de recriação, ficção, manipulação e compensação. Por isso o José sonhou com os seus tempos de menino e moço quando era ainda um instrumento dócil nas mãos dos adultos, especialmente nas do padre Zé, nas da sua professora primária e, sobretudo, nas dos seus pais. Ou melhor, nas da sua mãe, a Dona Rosa, que era excessivamente manipuladora. Era capaz de o beijar com muito carinho, para, logo a seguir, o encher de porrada, dar-lhe chapadas ou fustigá-lo com o cinto do marido. Bastava arreliar-se com os vizinhos a pretexto de uma qualquer insignificância, para vir descarregar a fúria no José. O seu primogénito era o pião das nicas da família Ferreira. O pai chegava tarde a casa, o José é que as pagava. Por vezes, quando o pai se deixava ficar pelos cafés a conversar, a beber e a fumar, logo a Dona Rosa o mandava em busca do pai. José dava sempre com ele, o que não era nada difícil. O pai fazia-lhe uma festa na cabeça, oferecia-lhe qualquer guloseima e continuava a beber e a fumar e a falar com os outros homens também eles peritos na velha arte do convívio masculino. Por isso falavam sobre nada com uma subtileza argumentativa verdadeiramente digna de registo. Falar sobre nada durante horas, meses e anos seguidos, com intervalos para o trabalho e para as refeições, era uma velha arte cultivada nas pequenas vilas e cidades de província que merecia um estudo sério e aprofundado. O pai do José, o guarda Ferreira, bebia apenas vinho tinto. As outras bebidas tinham a particularidade de lhe provocarem náuseas e vómitos. E fumava. Fumava imenso. E bebia outro tanto. Bebia aos golinhos e fumava de forma peculiar. Chupava o fumo do cigarro sem filtro, a seguir expelia metade do fumo da chupadela e só depois é que enfiava para dentro dos pulmões o resto da nuvem fumarenta. Por isso, sempre que o José se lembra do pai, a sua imagem está sempre envolta em fumo. O guarda Ferreira é um rosto fino e seco, sulcado de rugas e com uns lábios grossos a abrir e a fechar, entaramelando palavras incoerentes, que, apesar da condição anárquica com que são proferidas, possuem a rara qualidade de fazer sentido aos ouvidos de quem as escuta, se, e só se, estiver habituado a descodificar aquela linguagem de bêbado cansado. Quase sempre, enquanto espera pelo pai, se senta numa mesa perto da televisão do café e vê o telejornal, ou um que outro programa cultural, tudo a preto e branco, que são as cores do regime. Alguma razão tinha de haver para, no meio daquela família pobre, o José ter saído tão culto. Assistiu a muitos programas de Vitorino Nemésio, apreciando o seu jeito de ciciar as palavras e de as pronunciar num contínuo sonoro musical. E foi isso o que conservou. O que já não é pouco. Sempre é melhor trautear um frase de Vitorino Nemésio, mesmo que pronunciada na castiça forma de cantar em inglês sem saber sequer uma única palavra desse dialecto universal, do que uma linha melódica da “E Viva a Espanha”, que era a cançoneta que mais se ouvia nas festas e arraiais de Montalegre. Também viu e apreciou os programas de João Villaret que, com as suas bochechas e os seus olhos a saltar e a tremer de prazer (como mais tarde contemplaria em Ary dos Santos), e na sua voz melodiosa e penetrante, declamava a marcha popular e triunfal do lirismo campestre, “tocam os sinos na torre da igreja”. Por vezes os programas tocavam-lhe tanto que ele sentia o seu pequeno pénis a ficar rijo, como quando por vezes acordava com vontade de ir urinar e não o fazia porque o penico estava longe e o frio fora dos cobertores era imenso. Com aquele frio até o tesão do mijo se desvanecia de forma incrível.

Foi naquela televisão que assistiu às cerimónias fúnebres de Oliveira Salazar, enquanto o seu pai bebia e fumava com os amigos como se quem tivesse morrido fosse o Branduras, um criado de servir a quem um porco tinha comida o pénis quando era bebé, que era um homossexual muito parecido com o João Villaret, só que mais pobre e acanhado, mas que, apesar de não recitar poesia, sabia tratar da horta e do quintal, sachar as batatas e arrancá-las, semear e ceifar o centeio, cortar com o machado pinheiros e carvalhos, arrancar torgos, encontrar os míscaros, pitar a lenha, cozer batatas, guisar carne e fazer um caldo com folhas de couve ripadas com unto que era um regalo, lavar a roupa, limpar o pó dos móveis, varrer, lavar e encerrar o chão das casas das famílias remediadas da vila e ouvir e calar impropérios indignos dos homens, que são muito mais capazes de tratar de afagar um animal, de bestializar uma cabra ou uma burra, do que respeitar um homem que o infortúnio fez diferente.


publicado por João Madureira às 09:00
link do post | comentar | favorito
Domingo, 18 de Julho de 2010

Portefólio – Corpo de Cristo – 26 de Maio de 2005


publicado por João Madureira às 14:00
link do post | comentar | favorito

Portefólio – Corpo de Cristo – 26 de Maio de 2005


publicado por João Madureira às 13:00
link do post | comentar | favorito

Portefólio – Corpo de Cristo – 26 de Maio de 2005


publicado por João Madureira às 12:00
link do post | comentar | favorito

Portefólio – Corpo de Cristo – 26 de Maio de 2005


publicado por João Madureira às 11:00
link do post | comentar | favorito

Portefólio – Corpo de Cristo – 26 de Maio de 2005


publicado por João Madureira às 10:00
link do post | comentar | favorito

Portefólio – Corpo de Cristo – 26 de Maio de 2005


publicado por João Madureira às 09:00
link do post | comentar | favorito
Sábado, 17 de Julho de 2010

Portefólio – Desfile Etnográfico – Chaves, Julho de 2004


publicado por João Madureira às 15:00
link do post | comentar | favorito

Portefólio – Desfile Etnográfico – Chaves, Julho de 2004


publicado por João Madureira às 14:00
link do post | comentar | favorito

Portefólio – Desfile Etnográfico – Chaves, Julho de 2004


publicado por João Madureira às 13:00
link do post | comentar | favorito

Portefólio – Desfile Etnográfico – Chaves, Julho de 2004


publicado por João Madureira às 12:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. No Porto

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. Poema Infinito (477): Tox...

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. 463 - Pérolas e Diamantes...

. Amizade

. Na feira

. Interiores

. Poema Infinito (476): Via...

. ST

. Expressões

. 462 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (475): Bre...

. No Barroso

. No Barroso

. 461 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. No Barroso

. Em Lisboa

. Poema Infinito (474): Ven...

. Na Póvoa de Varzim

. Em Paris

. 460 - Pérolas e Diamantes...

. Póvoa de Varzim

. Póvoa de Varzim

. Bragança

. Poema Infinito (473): Dis...

. Porto

. Paris

. 459 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Farinha de milho

. Fato

. Poema Infinito (472): O a...

. Na aldeia

. Sorrisos

. 458 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. No elevador

. S. Lourenço

. Poema Infinito (471): O s...

. No Louvre

. No Louvre

. 457 - Pérolas e Diamantes...

. Chaves

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar