Sábado, 2 de Outubro de 2010

Portefólio – Desfile Etnográfico – Chaves, Julho de 2004


publicado por João Madureira às 12:00
link do post | comentar | favorito

Portefólio – Desfile Etnográfico – Chaves, Julho de 2004


publicado por João Madureira às 11:00
link do post | comentar | favorito

Portefólio – Desfile Etnográfico – Chaves, Julho de 2004


publicado por João Madureira às 10:00
link do post | comentar | favorito

Portefólio – Desfile Etnográfico – Chaves, Julho de 2004


publicado por João Madureira às 09:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 1 de Outubro de 2010

O Homem Sem Memória

 

31 – Em Montalegre, um GNR tanto trajava a sua farda engomada como, logo de seguida, envergava a roupa de todos os dias. Mas nem tudo o que se escreve, por mais que se queira, espelha a realidade. Ou toda a realidade. E esta é a grande virtude da ficção: o logro, a dissimulação, a alegoria, o disfarce. Por exemplo, para um militar da GNR a roupa de todos os dias era a farda. O trajar à civil é que era raro. Mas, convenhamos, um guarda não podia envergar a farda e trabalhar nos campos. Mas, convenhamos ainda mais um pouco, um guarda não podia sustentar a família apenas com o magro salário de funcionário do Estado. Por isso tinha de representar o seu papel de agente da autoridade e, ao mesmo tempo, desempenhar o mester de lavrador, que era onde residia a sua verdadeira educação. Todos os guardas, antes de o serem, tinham aprendido a nobre arte de semear as batatas e o centeio, de redrar as vinhas, de roçar o mato, de podar as árvores, de estrumar as terras, de tratar do nabal, de abater os pinheiros, de matar um cordeiro, de esfolar um coelho, de bater uma punheta.

Como continuou a nevar com intensidade durante vários dias, a comida para os animais começou a rarear. Já não havia em casa couves para os recos e para as galinhas, que as comiam misturadas com o farelo do centeio, nem erva ou leitugas para os coelhos. Por isso os porcos cuincavam na corte com a fome, dado que a lavadura era agora feita à base de água, casca de batatas e farelo. A tudo isto se misturava a impaciência dos rapazitos mais novos, a má disposição endémica da Dona Rosa e o nervosismo do guarda Ferreira. Em dias assim, não se podia sair de casa. A neve de metro impedia a circulação dos carros e provocava a imobilidade dos civis, dos animais e dos GNRs. Mesmo a vila e, sobretudo, as aldeias ficavam sem ser patrulhadas. A preocupante convicção da falta de policiamento era autêntica, mas a ficção alvitrava noutro sentido.

Mesmo sentados à lareira, os guardas eram obrigados a preencherem um boletim itinerário a confirmar a sua passagem pelas várias localidades. Tornando-se impossível fazer as patrulhas a calcantes, os guardas estavam, mesmo assim, proibidos de deixar de as fazer. Foram muitas as vezes em que a escrita hesitante do José serviu para assinar na linha destinada ao regedor. Naqueles dias, a parelha de guardas enfiava-se na cozinha da casa de um deles e passavam lá horas a beber vinho, que aqueciam ao lume, e ao qual misturavam umas colheres de mel, a fumar, a contar histórias, a falar dos tempos da guerra da Índia ou a jogar às cartas. José ouviu muita conversa de homem, como lhe confidenciavam os guardas, onde o mais notável era a conversa ser feita à base do verbo foder. Em boa verdade, aqueles rudes agentes da lei e da ordem, tanto fodiam a realidade como eram fodidos por ela. O verbo tanto era usado para descrever uma aventura de saias como para realçar as desventuras da vida, que era, a bem dizer, madrasta.

Quando se chateava da conversa, o José ia até ao alpendre e punha-se a olhar para os enormes farrapos de neve que faziam o mundo ficar em silêncio, branqueando os telhados, alvorecendo as ruas, encanecendo os pinheiros, purificando os montes, tornando tudo limpo e asseado, à semelhança da época pascal, quando se pintavam as paredes das salas para aí se receber o Compasso e beijar o Cristo na Cruz.

Nesses dias a Dona Rosa pouco falava. Um certo pudor impedia-a de ser malcriada na presença de um colega do marido. Por isso José gostava dos dias de neve. O mundo podia ficar mais frio e os animais mais famintos, mas a paz que invadia o dia-a-dia era reconfortante.

Num desses dias, como a neve não parava de cair, ele e o pai tiveram de se fazer fortes e irem buscar dois sacos de couves para a criação. Aproveitando uma aberta e, enquanto o sol raiava, esgueiraram-se como puderam pelo sulcos que havia pelo meio da neve, desceram a encosta por detrás do castelo, galgaram muros, atravessaram a ponte romana sobre o Cávado e, em menos de meia hora, puseram-se a cortar as couves pelo caule e a ensacá-las. O guarda Ferreira disse ao José para apenas mear o seu saco, pois a caminhada de volta ainda era grande. Quando tinham galgado já meia encosta, na direcção da casa do guarda Martins, o céu tingiu-se de um cinzento carregado, um vento gélido começou a soprar e a neve começou a cair com intensidade redobrada. Naquele momento, o guarda Ferreira apertou o passo, no que foi seguido pelo filho. Mas cada vez nevava mais e o vento soprava agora como se fosse a lâmina do sabre do guarda Ferreira. José nem deu conta que deixou cair o saco das couves. Já não conseguia sentir as mãos. Começou a chorar baixinho. O pai, um pouco mais à frente, olhou para ele e perguntou-lhe se aguentava. Ele disse que sim. Pegou no saco e pô-lo de novo às costas. Andou mais uns metros, mas a neve, puxada a vento, cada vez caía com mais intensidade. Deixou de ver o pai. E novamente deixou cair o saco das couves. Pôs-se de joelhos para o agarrar de novo, mas as mãos não lhe obedeceram. Começou chamar pelo pai. Mas o som ia noutra direcção. Começou a desesperar. Tentou novamente agarrar no saco. Mas novamente caiu de joelhos. Foi então que viu o pai agarrar no seu saco. Naquele momento agradeceu a força do pai, ou melhor, a sua determinação. A Dona Rosa, pressentindo-os, foi esperá-los ao portão. Agarrou no saco do José e colocou-o junto ao merouço da lenha. Depois levou-o para a cozinha ao colo. Nenhum deles tentou aquecer as mãos ao lume, pois sabiam que esse processo provocava dores horríveis. A Dona Rosa aqueceu as mãos de ambos no seu regaço, enquanto, a modinho, os incitava a esfregá-las uma na outra.

“Doem-me muito as mãos, Rosa”, disse o guarda Ferreira. “A mim também me doem as mãos, mãe”, disse o José. “Aquecei-as mais um pouco aqui no meu regaço”, disse a Dona Rosa. Até o João balbuciou algo carinhoso. Nessa noite cearam como se fosse noite de Natal. Mesmo os recos na corte se calaram e comeram a lavadura, um tentador caldo de couves, batatas e farelo que os fez engordar para aí meio quilo. Ou mesmo mais. Passava da meia-noite quando foram para a cama e dormiram um sono calmo e retemperador.


publicado por João Madureira às 09:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. No Porto

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. Poema Infinito (477): Tox...

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. 463 - Pérolas e Diamantes...

. Amizade

. Na feira

. Interiores

. Poema Infinito (476): Via...

. ST

. Expressões

. 462 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (475): Bre...

. No Barroso

. No Barroso

. 461 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. No Barroso

. Em Lisboa

. Poema Infinito (474): Ven...

. Na Póvoa de Varzim

. Em Paris

. 460 - Pérolas e Diamantes...

. Póvoa de Varzim

. Póvoa de Varzim

. Bragança

. Poema Infinito (473): Dis...

. Porto

. Paris

. 459 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Farinha de milho

. Fato

. Poema Infinito (472): O a...

. Na aldeia

. Sorrisos

. 458 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. No elevador

. S. Lourenço

. Poema Infinito (471): O s...

. No Louvre

. No Louvre

. 457 - Pérolas e Diamantes...

. Chaves

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar