Quinta-feira, 8 de Fevereiro de 2018

Poema Infinito (391): A fuga do paraíso

 

 

 

O dia nasce espontâneo no meio da natureza. Um braço amigo passa negligentemente sobre os meus ombros. A encosta está coberta de branco. As aves fragmentam-se e ficam púrpuras. Gotas de chuva contornam as flores. Os verdadeiros poemas transformam-se em imagens. Os nossos corpos acordam amenos como as brisas. Cheira a maçãs, a hortelã e a ansiedade. Ninguém consegue demover a limpidez da angústia, a pulsação mística dos dedos ou desviar a nitidez dos olhos vigilantes das mães. Os machos e as fêmeas pronunciam juramentos de procriação. A avidez devora o dia e a noite. As horas ficam impetuosas. É de novo tempo de regressar ao paraíso. Lá os homens são menos cruéis, a timidez é mais feminina e os lábios mais decididos. Os enigmas libertam e iluminam-nos. O oceano avança, a multidão avança, o amor morre brevemente. Continuo a fazer longas viagens apenas para te olhar e te tocar. Receio perder-te. Os nossos olhares estão tranquilos. Tudo parece perfeito. Até a nossa imperfeição. As cidades chamam os grandes delírios. Muitos dos cânticos são sexuais. O tempo continua a enganar-nos. As metamorfoses são agora mais rápidas. Tornamo-nos plantas com raízes profundas, crescemos junto das clareiras, lá onde os rebanhos são selvagens. Somos por vezes peixes nadando nos rios cintilantes. A tarde fia repleta de perfume. Os bosques enchem-se de crepúsculos e gemidos. Muitas crianças ficam velhas de repente e olham para longe, para lá das montanhas e do tempo. Adão acorda cedo e sai nu do meio da folhagem. Eva, com a sua vagina em repouso, toca-lhe com receio e contempla o seu pénis trémulo. Decidem então percorrer os caminhos inexplorados, abdicar dos princípios conhecidos, dos prazeres e dos benefícios. Decidem alimentar-se de almas, encher-se de alegria e aprender línguas aromatizadas. Os seus peitos enchem-se de flores perfumadas e de delicadas folhas. Nas mãos florescem-lhes os anos. Aprendem que a felicidade é amarga, que a vergonha é inútil, que todos os exemplos são ecos do passado. Sabem que a verdade se esconde sempre por detrás de uma máscara de utilidade. O seu tempo não há de durar muito. Por isso dão as mãos e falam de coisas inúteis, de lealdades diferentes, de afetos suspeitos, de resultados incertos, de caminhos destruidores, de modelos esgotantes, de bibliotecas mudas, dos nascimentos tímidos e das ilhas silenciosas. Permitem-se pôr os lábios em riste e dar longos beijos de volúpia e desespero. Tocam-se e depois adormecem silenciosamente. O seu arrebatamento é eterno. Assimilam então o amor e a alegria e também a sua tristeza. Nos bosques, as árvores ficam densas e longas. Os jardins ficam ainda mais breves. Flores silvestres acumulam-se nos lameiros alimentados pelos córregos. Espessas nuvens de espíritos sobem no ar. A raiva fica então insatisfeita, reprimindo os suspiros e as juras e as promessas quebradas. Adão e Eva são então invadidos pela terrível dúvida das aparências, pela incerteza das ilusões, pela especulação da confiança e da esperança, pela densidade das cores, pela beleza aparente das fábulas. As aparições são agora frequentes. As palavras perdem metade do seu sentido. O espírito e a memória são a conclusão de toda a metafisica. Tento adormecer de novo. A luz ficou mais débil e o desejo mais real. Tudo à nossa volta é espaço e tempo. Tudo é longo como a morte. A tempestade amainou. A paixão treme de novo em mim.


publicado por João Madureira às 07:15
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Junho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9



25
26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Na aldeia

. Na aldeia

. No museu

. Poema Infinito (410): Ind...

. Na aldeia

. na aldeia

. 397 - Pérolas e Diamantes...

. Berto e amigos em Covas d...

. Pai e filho no Barroso

. Eu e o Berto ao espelho

. Poema Infinito (409): Exp...

. Na aldeia

. Autorretrato a P&B

. 396 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. Olhares

. Croché

. Poema Infinito (408): O p...

. Sorriso

. A roca e o fuso

. 395 - Pérolas e Diamantes...

. Expressões

. Expressões

. Expressões

. Poema Infinito (407): Dec...

. Expressões

. Expressões

. 394 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia, com neve...

. Na aldeia, com neve...

. Na aldeia, com neve...

. Poema Infinito (406): A d...

. Na aldeia, com neve...

. Na aldeia, com neve...

. 393 - Pérolas e Diamantes...

. Neve no Barroso

. Rio Tâmega - Chaves

. Na aldeia

. Poema Infinito (405): A s...

. Na aldeia

. Poldras de Chaves

. 392 - Pérolas e Diamantes...

. Na festa

. No São Caetano

. No São Caetano

. Poema Infinito (404): Cri...

. No museu

. Na aldeia

. 391 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

.arquivos

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar