Quinta-feira, 28 de Fevereiro de 2019

Poema Infinito (446): O preenchimento das hipóteses

 

 

Nascem os livros separados de mim, tardios, errados na sua intenção de incluir todo o desassossego de Bernardo Soares. Entre as suas palavras existe idêntico intervalo. E igual afastamento. Os mesmos exemplos tristes continuam a sobreviver: os mesmos versos incompletos, a mesma lírica morta, a mesma fixidez epistolar. O devaneio, a existir, encontra-se todo nas expressões mais íntimas. A sua conexão lógica possui as mesmas características. Os livros grandes, e os títulos grandiosos, deixaram de ser hipóteses válidas. Torturam-nos as mesmas inquietações, a tentação da linguagem absurda, a tristeza das causas perdidas, a alegria do desmoronamento. Morrem os velhos pensando na infância. A amizade que agora desenvolvo é mais íntima, apesar de parecer mais frívola. A manhã tem agora mais hipóteses de ser transportada para dentro de nós. Até a organização mais feroz é passível de uma desorganização metódica, basta escolher as circunstâncias. Temos de tentar viver com as dolorosas sensações quotidianas. A glória da morte é uma inutilidade. Os domingos continuam a ser preenchidos pelas mesmas caras sem interesse, pelo mesmo sossego das conveniências, pelo almoço à mesma hora. Os homens desenvolveram a exagerada característica de permanecerem sentados, vestidos de desleixo, interessados nos feitios, obcecados pela estagnação, pelo traço grosso da angústia. Todas as frases casuais provocam eco. E é inútil esperar que se modifiquem. Ou que nos modifiquem. É estranha a arte da observação. Quase ninguém a reconhece, ou se reconhece nela. Na maioria das biografias não existem factos, só impressões sem nexo, histórias sem vida. São como as confissões de quem não tem pecados. Por isso costumo traçar as paisagens com aquilo que sinto. Daqui costumo ver a tua alma a errar pelas salas, a tentar ler o tempo, a sair à rua para tentar conhecer o sol. Entram borboletas pela janela. O teu sossego é injusto. As tuas mãos colhem as flores sem darem por isso. Tenho a ambição de entrar nos teus desejos, de ver o vento crescer, de sentir o tempo a  espalhar de mansinho coisas felizes pela encosta do monte. As nuvens, por vezes, interrompem a chegada da luz. As vacas engolem o silêncio junto com a erva. Os avós são agora as duas árvores cansadas que fazem sombra no fundo do jardim. É lá que me costumo sentar, na minha cadeira predileta, a ler. Lembro-me de os nossos filhos se cansarem de tanto brincar e de tu lhes limpares o suor da testa. Eram como versos contentes. Agora os seus olhares possuem a nitidez dos girassóis. Farão sempre parte do meu espanto inicial. Possuímos a mesma filosofia dos sentidos. Observo os campos em frente e ardem-me os olhos. Sinto-me preso na liberdade das cidades, quando observo as casas, quando desço o olhar sobre o asfalto. Nunca gostei de esmagar as flores em livros. Agora elas espalham-se pelas cortinas. Nenhum ato de organização é uma tarefa fácil. A partir do caos, havemos de organizar todo o sistema do movimento ideal. Os objetos conquistaram o seu lugar definitivo. Já domino os atos nos seus mais íntimos pormenores. Apesar dos exercícios de manutenção, a memória está cada vez mais frágil. Todo o equilíbrio gera desconfiança. Já não tenho medo do reflexo dos olhares. Limito-me ao estritamente necessário. É como se o tempo caísse desamparado em cima de mim.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 27 de Fevereiro de 2019

Interiores

barroso - volta por SAlto 108 - cópia copy - co

 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 26 de Fevereiro de 2019

Olhares

_JMF8167 - cópia copy.jpg

 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 25 de Fevereiro de 2019

431 - Pérolas e Diamantes: Mãozinhas de coentrada

 

 

Definitivamente não gosto do conceito vulgar de povo. Os generalistas usam esse termo como querendo designar um conjunto de pessoas sem interesse, cinzentas, sem requinte, envolvidas no obscuro da sua existência quotidiana.

 

Também não caio na asneira de aureolar o povo como encarnando toda a sabedoria, a pureza moral e a grandeza espiritual.

 

Mas o povo costuma ser crédulo e acreditar nas mentiras grosseiras dos dirigentes. Acreditam na igualdade que lhes prometem. E sorriem em retribuição dos sorrisos que veem estampados na cara dos dirigentes.

 

Não resisto a transcrever um trecho respigado do livro de Soljenitsin (O Primeiro Círculo), de um capítulo que fala de um preso no tempo do socialismo estalinista, cuja única orientação política era o trabalho agrícola: “O que Spiridon amava era a terra. O que Spiridon possuía era uma família. A sua religião era a sua família. A sua pátria era a sua família. O socialismo era a sua família. Era, por conseguinte, obrigado a dizer a todos os reis, padres e pregadores do bem, a todos os razoáveis e aos eternos, a todos os escritores e oradores, a todos os garatujadores e críticos, aos procuradores e aos juízes que se tinham interessado pela vida de Spiridon: ‘Por que é que não vão para o diabo?’”

 

Atualmente estamos bem mais necessitados de melhoramentos na moralidade pública, na defesa da verdade e da honestidade do que no melhoramento das estradas.

 

Todos os dias aparece nos jornais mais um caso de corrupção, desvio de dinheiro público, quando não de roubos descarados, protagonizados por políticos e afins. O erário público está a saque. É um fartar vilanagem.

 

Os nossos dirigentes aprenderam a fornecer-nos palavras engenhosas e a dar réplicas certeiras que nos fazem rir à gargalhada ou desfazermo-nos em lágrimas. São capazes de vender a alma ao Diabo para aparecerem no telejornal das oito para dizer-nos que nos vão dar com uma mão o que mais tarde nos vão tirar com a outra, consolando-nos com o dito de que enquanto o estadulho vai e vem folgam as costas.

 

A inoperância também pode ser uma qualidade política, que o diga a oposição, que se esforça sobretudo por cair no ridículo respondendo em alemão a perguntas dos jornalistas portugueses ou entrando de calções curtos num lagar para pisar as uvas. A verdade é que nem a brilhantina do cabelo do senhor, nem o bronzeado das coxas da dama, disfarçam a incomodidade e o desnorte.

 

Para eles, tudo o que de mau lhes atribuem são apenas pormenores.

 

São também eles os responsáveis por se desaprender a autoridade, a moral, a decência, a dignidade e o sentido de honra. (Pausa). Honra lhes seja feita.

 

Talvez esteja na hora de dizermos que, connosco, os demagogos não se safam.

 

Não se provam factos com palavras.

 

Os políticos de agora têm todos alma de folha de Excel. E as pregações costumam não mudar, nada nem ninguém.

 

Afinal, quem é que nos estragou a democracia? E não vale a resposta falsa da Europa. Guterres fugiu de Portugal e do PS. Durão esgueirou-se do país e do PSD. Cavaco e Passos Coelho continuam a atoleimar que a situação é insustentável. Marcelo Rebelo distribui afetos como se os comprasse nas lojas dos chineses e António Costa sorri como se não soubesse fazer outra coisa. Afinal, o que é que eles sabem e não nos contam?

 

A confiança depende de uma compreensão clara do passado.  

 

Mas é impossível ir buscar a confiança recomendada pelos bonzos do regime aos gentios que deixaram o país pobre e desgovernado, que acumula milhões de dívida que jamais poderá pagar. Sócrates sabia daquilo que falava, por isso é que deixou de pensar na causa pública para pensar na sua vida privada.

 

Portugal está a rebentar pelas costuras que lhe fizeram os políticos desta nossa democracia de literatura de cordel: a segurança social, a saúde, o ensino, a justiça e o ordenamento urbano. Tudo é feito com atraso, sem rei nem roque. Portugal é, de norte a sul, uma improvisação.

 

Por isso, a pátria lusa é um coro de lamúrias. E Nossa Senhora de Fátima já esgotou o seu plafond de milagres com o país de Salazar, Amália e Eusébio.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
Domingo, 24 de Fevereiro de 2019

Cavalos e cavaleiros

DSCF1828 copy.jpg

 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
Sábado, 23 de Fevereiro de 2019

Cavalos e cavaleiros

DSCF1794 - cópia copy.jpg

 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 22 de Fevereiro de 2019

Cavalos e cavaleiros

DSCF1749 - cópia copy.jpg

 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 21 de Fevereiro de 2019

Poema Infinito (445): O espanto

 

 

Um mar de escrita rodeia-me por todos os lados. Penso que nasci de um banho de espuma perto de uma ilha ansiosa onde as ondas eram serenas, onde a água brilhava como se fosse feita de olhares, onde Deus costumava visitar-nos entrando pela janela. O tempo era estrelado e as madrugadas eternas. Depois chegou a tristeza carregada de palavras ditas e ouvidas. Sozinha. Por vezes, também aparecia a alegria, calada, com o seu cabelo solto, vestida de azul, como se fosse uma sereia penteada de areia e suspiros. Nasceram então as noites e com elas apareceram os grandes sonhos. As sereias cantavam no momento de eu acordar. Foi quando os sonhos ganharam asas e voaram de casa em casa. Eram ainda inteiros e conseguiam enfrentar o vento leste e os furacões. A tristeza chorava de pena e a alegria ria-se disfarçada de melancolia. Tu troçavas porque te dizia que me parecias a felicidade. Deus teve então o desejo de inventar o mundo, tornando urgente tudo o resto. Espantei-me. Espantámo-nos. O espanto começou a ficar lindo, a sorrir, a cantar e a sofrer. Amávamos as madrugadas. Deus inventou então as flores e as ausências. Depois fez-se desentendido e criou o purgatório, o inferno e o céu. Assim, por esta ordem, argumentando com a necessidade do espaço destinado a cada um. Muitas pessoas assistiram posteriormente à criação do fogo eterno e dos jardins da santidade com alguns bancos destinados a quem se cansa de esperar de pé, como convém. Os lábios dos anjos ficaram mais mimosos. E os palácios da eternidade foram decorados com vasos de jade, de esmeralda e de ametista. Também o mau gosto é infindável. Senti-me atormentado, como um pássaro ao frio, procurando os raios de sol logo pela manhã. Comecei o oscilar dentro dos meus sonhos. Quanto mais olhava, menos via. Nessa altura até os meus silêncios taciturnos cantavam. Por distração, Deus inventou a palavra felicidade sem conseguir definir concretamente o seu sentido. A eternidade ganhou a forma de um malmequer. As mães tricotaram uma estrela da tarde e regaram-na com o orvalho que recolheram nas manhãs primaveris da sua infância. As alvorada eram uma das formas possíveis de paraíso. O amor desconfia sempre do seu semelhante, da sua alegria. Somos sempre seus prisioneiros. Não vale a pena conservar a sua paz pois ele nunca sabe muito bem o que faz. Os mais crédulos começaram a semear a planta do amor. Nasceu ela incrédula, por causa dos seus espinhos. Esse caminho, dizia a minha mãe, não convém a ninguém. Os caminhos transportam dentro de si a sua própria condição. Tudo no mundo é instável. A lua, o vento, o mar, os cânticos, o sofrimento, a exaltação do desejo, a vida. E a morte. O passar do tempo torna tudo mais tranquilo. Quando entra em crise até os barcos deixam de navegar e os saltimbancos ficam  carregados de reumatismo. Penso divertidamente nas histórias onde o fogo ardente aquece o reino da glória. Entendo, mas não percebo. Os príncipes dormem abraçados à Lua e despertam com os cânticos a Vénus, enquanto as donzelas dançam pelas ruas com saias floreadas e com os seus sexos húmidos de espera. Fazem-se de distraídas. Pousam então as mãos dentro da sua solidão. São naturalmente irrefletidas. Um vulto entra pela vidraça. A chuva começa a cair no jardim. Os trovões começam a afastar-se para longe. A vida recomeça. A ternura também. Ninguém procura a sua própria solidão.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 20 de Fevereiro de 2019

Cavalos

DSCF1711 copy copy - cópia.jpg

 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2019

Cavalos e cavaleiros

DSCF1835 - cópia copy.jpg

 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 18 de Fevereiro de 2019

430 - Pérolas e Diamantes: As ervas daninhas

 

 

Há gente sincera que para não ter de modificar as suas opiniões evita todos os encontros com pessoas que pensam de maneira diferente. Colhem os seus pensamentos em conversa com pessoas que pensam da mesma maneira e em livros escritos por pessoas como elas. É o que se chama em física de ressonância.

 

Tudo começa por convicções sem grande significado, mas que depois se combinam e apoiam umas nas outras até um ponto em que se tornam insuportáveis.

 

Por vezes custa-me respigar no caixote do lixo que é a nossa memória. Mas, como agora se diz, o lixo é para reciclar. Não só o lixo, como a desonestidade, a intriga, a maledicência, a mentira, a cobardia, etc.

 

Pode estar o dia mais bonito, mas na nossa memória chove, cai a noite e fica frio. Depois ficamos em apneia.

 

Já há muito que deixei de representar.

 

Lá está o jardinzinho cheio de ervas daninhas, campainhas, grama e uma macieira morta.

 

No televisor LCD lá está o Casablanca, um dos meus filmes preferidos. E lá dentro o Rick diz a Ilsa: “Please trust me!” E o meu coração enche-se de coragem quando ela, a Ilsa, com aqueles lindos luzeiros marejados de lágrimas, lhe responde: “I will!” Tudo a preto e branco como mandam as leis do bom gosto e da tradição. E também a música: “A Time Goes By”.

 

Está visto e ouvido. Posso voltar a ter esperança no ser humano. Aleluia.

 

Não há nada mais detestável do que aquelas pessoas convencidas que têm razão acerca de tudo.

 

A verdade não é como a comida, não se pode exprimir em calorias. Tal como só há uma vida, também há só uma consciência.

 

Em política, as decisões não podem ser apenas justas, têm de ser também eficazes.

 

A grande maioria dos “fazedores de opinião” que por aí escrevinham são apenas delegados de propaganda política, e quase todos maus, apesar de parecerem razoáveis e impolutos. Pretendem inflamar corações e esclarecer cabeças, mas apenas acirram as paixões, raramente as purificam. Dizem-se arautos da vontade coletiva, mas apenas defendem os seus interesses e os da sua família política, quando não da pessoal.

 

Convidam-nos à valentia, pretendendo a nossa valorosa inatividade.

 

Uma coisa podemos constatar: esta mistura política conjuntural, que nem sequer possui oposição válida, exprime mais emoções do que ideias elaboradas. Daí o seu sucesso. Daí o seu futuro fracasso.

 

Passou-se da sujeição à falta de autoridade. As nossas elites são essencialmente agiotas e roubam o povo tendo como aliado o Estado e os seus súbditos, que por cá se intitulam pomposamente de políticos. O que eles são é capatazes dos banqueiros. Mentem e roubam com a maior desfaçatez, encobrindo-se sobre o manto diáfano do serviço público. O dinheiro é público, disso não restam dúvidas, mas os interesses são apenas privados.

 

Escutem o que vos digo: hoje ninguém tem a coragem, ou a dignidade, de dizer a verdade. Ninguém. Nem o presidente da república, nem o primeiro-ministro, nem o ministro das finanças, nem os deputados, nem o presidente do banco de Portugal. Ninguém. Em política todos mentem. Só que uns mentem menos do que outros. As exceções, a existirem, ficam por vossa conta e risco. Acreditar nos políticos é como acreditar no pai natal.

 

O Estado atual limita-se a expandir a organização técnica e a burocracia.

 

Os novos democratas uma coisa conseguiram: eliminar o respeito pelos prestígios tradicionais. Hoje já não há honra, nem palavra dada. É tudo relativo. Dizem eles.

 

Não resisto a lembrar as palavras de Victor Basch, que se seguiram a uma intervenção de Raymond Aron, um pouco antes da Segunda Guerra Mundial, revestidas de uma tónica patética.

 

“Ouvi-o, Senhor, com um grande interesse; tanto maior quanto não estou de acordo consigo em ponto algum... diria que esse pessimismo não é heroico; diria que para mim, fatalmente, as democracias sempre triunfaram e triunfarão... Há uma regressão hoje em dia, estaremos num vale? Pois bem, subiremos outra vez ao cume. Todavia, para isso é preciso exatamente alimentar a fé democrática e não destruí-la com argumentos tão fortemente e tão eloquentemente desenvolvidos como o senhor fez.”

 

Nem um único dia duvidou da vitória das democracias, nem mesmo quando os milicianos o levaram e à companheira para os assassinarem.

 

Outra mentira deles: a desigualdade não diminuiu em Portugal. O famoso combate à fraude fiscal e ao desperdício é tudo treta, é argumento para enriquecer alguns e fazer pagar ainda mais impostos aos de sempre. Em Portugal continua-se a viver de baixa tecnologia e de baixos salários.

 

Há ainda a ignorância do cidadão comum, que não percebe o que se passa, e a incúria e a irresponsabilidade dos peritos, que, mesmo percebendo, acham melhor para os seus interesses e para os interesses de quem lhes paga, não dizer nada.

 

Enquanto os portugueses respirarem é só andar para a frente.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
Domingo, 17 de Fevereiro de 2019

Em Paris

_JMD1198 - cópia copy.jpg

 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
Sábado, 16 de Fevereiro de 2019

Em Paris

_JMD1195 - cópia copy.jpg

 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 15 de Fevereiro de 2019

Em Paris

_JMD1192 - cópia copy.jpg

 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 14 de Fevereiro de 2019

Poema Infinito (444): Morte e ressurreição do desejo

 

 

O desejo está do lado da verdade ou da mentira? O desejo está do lado do desejo. Como se pode fugir do caos? A literatura não pode ser impostura. O corpo acaba. O desejo não. O género não se deseja, tem-se. O desejo nunca foi o Demónio, é Deus. Tanto como Deus deseja o desejo, também o Demónio deseja ser Deus. A blasfémia é o desejo convergente de Deus. E do Demónio. Do Demónio de Deus. A ofensa é um prazer que se perdeu. Resulta daí. A sexualidade é o nosso ponto frágil. Todas as configurações são domesticáveis. O desejo não. O desejo que se foda. O desejo fode-nos. Lidar com o desejo é um problema. O sexo não é um castigo de Deus. O desejo sim. Toda o obediência desobedece ao desejo. O desejo paga-se com desejo. O desejo é a nossa potência e a nossa impotência. Apesar do desejo ter a sua própria língua, escapa à linguagem. O desejo está do lado da verdade. A convenção, não. Ninguém consegue domesticar o desejo. Esse é o castigo de Deus. Por vezes o desejo parece verdadeiramente inverosímil, mas está lá, em tudo o que é iluminado. A religião nunca consegue dar bem conta do pecado. O desejo é um risco de vida. O desejo tem medo do caos e ainda mais dos seus limites. O domínio quase absoluto da razão é praticamente desumano. O desejo é quase irracional. O desejo não obedece à razão. Todos nós sofremos nas mãos do desejo. O mundo empobrece quando o queremos simplificar. O desejo está para além do mundo caótico da verdade. O desejo baseia-se na contradição. O teu estilo é uma ênfase. O desejo vai nu mesmo que vá vestido. O desejo pode ser para o bem e para o mal. Guardo o teu desejo nos meus lábios. Quero desejar-te. Quero o que não tenho. Esse é o erro do acaso. Subitamente dentro de ti cintila o desejo. Esse desejo desejoso de desejar. Agarro-me a ele sobretudo quando me quer deixar. O desejo é como se fosse o meu futuro. O presente esgota-me e esgota-se. O desejo pode matar. O desejo pode matar o desejo. Sonho com vastidões imensas. Sonho com a luz. Com a luz imensa do desejo. O desejo reza. O desejo chora. O desejo de Vénus é a sua cintura estreita, as suas mãos suspeitas, o seu sexo a arder. Também sonho com a solidão impalpável do desejo. Por vezes o desejo sossega sem saber a razão. Também as ondas são breves. E a verdura. A verdura extensa do desejo. As águas lentas encontram-me já exausto. Eu sou o Fausto do meu próprio desejo, a sua esperança gulosa, a sua impaciência, a sua loucura, a sua indecência. O desejo também pode ser um jardim. Observo o teu desejo como se fosse um retrato. Os corpos costumam rodar quando estão insatisfeitos. O fator da tua boca faz-me entrar em pânico. O mesmo pânico que nos assalta quando prendemos uma ave. De onde me vem esse desejo? O teu desejo. O desejo também pode ser obscuro. O desejo vagaroso. O desejo por vezes conversa comigo como se eu fosse uma criança parva. O desejo acorda-me a carne. O meu desejo tem os olhos claros, da cor dos teus. O desejo também pode ser clandestino. Por vezes vela-me. Outras vezes velo-o eu. O teu desejo segue-me noite e dia. Depois de vencido, o desejo tomba de forma dolorosa. O corpo vence-o mesmo quando é vencido por ele. O seu gozo é lânguido. O desejo define-me o prazer. Por vezes prende-me. Outras vezes embala-me. Por vezes sou o seu tesouro e a sua glória. Por vezes sou a sua vitória. A seguir volta a subir por mim acima como se eu fosse a sua árvore. O desejo é a serpente do paraíso. O pecado morre ao lado. E ressuscita no dia seguinte.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 13 de Fevereiro de 2019

Em Paris

_JMD1145 - Cópia.jpg

 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 12 de Fevereiro de 2019

Em Paris

_JMD1103 - Cópia.jpg

 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 11 de Fevereiro de 2019

429 - Pérolas e Diamantes: Os de cá e os de lá

 

 

Há pessoas que depois de passarem pela vida parecem carvalhos feridos. São aqueles que teimaram em resistir, que insistiram em se sacrificar na defesa do bem público como o faziam os homens de Atenas em nome do ideal de humanidade.

 

Passamos a vida a fazer truncagens discretas, a pôr efeitos especiais nas nossas existências, a montar novamente o filme das nossas vidas. Mas mudar os enquadramentos não altera a história do filme. Uns ficam-se pela realidade trivial. A outros basta-lhes o genérico.

 

Alguns dizem que há dores deliciosas. Esses são os adeptos das grandes peregrinações. Dizem que não lhes interessa o lugar de destino mas o prazer de caminhar. São os que nunca chegam a lado nenhum. Há gente para tudo.

 

Maomé disse que denunciar uma maledicência sobre um amigo a esse amigo é dizer mal dele. Os de cá pensam o contrário. Alá é grande, Deus é misericordioso. Todas as religiões são um jogo de espelhos. Refletem a nossa imagem, mas sempre ao contrário.

 

Está na moda integrar tudo e todos. Curiosamente, cada vez me sinto mais desintegrado. A maior integração é a da idiotice. Dizem que a integração muda tudo. É mentira, não muda nada. Muda é as pessoas de lugar, para se sentirem bem em todo o lado. Quem é de todo o lado, não é de lado nenhum. E esse é o pior sentimento do mundo.

 

Desgraçados dos desenraizados. Desgraçados dos transfronteiriços. Quem não tem chão que possa chamar seu não pode viver descansado, nem pode morrer em paz. Isso dizia a minha avó que sabia sempre o que dizia. E a quem o dizia.

 

A esquerda caviar e todos os burgueses enfatuados gostam de se refugiar no luxo absoluto do despojamento de Marraquexe. Aí é que reside a verdadeira integração. Uns dias de repouso em trabalho e tudo fica resolvido nas suas consciências. No parlamento europeu lá se aprovarão umas leis para os cidadãos cá do continente tomarem consciências dos hologramas que elegeram para os representarem.

 

Os beurs que matem, que se matem, ou que se deixem matar.

 

Os negros são bonitos é na televisão. A andarem de um lado para o outro, sempre no mesmo enredo filmados por brancos que se deliciam em mostrar ao mundo a sua desgraça. Eles ficam tão bem na televisão, sempre tão desamparados, tão desgraçados, tão carentes. Que linda pode ser a desgraça alheia. Que lindos filmes faz, que lindas fotografias dá, que belos telejornais abre. E origina romances inebriantes. E poemas vibratórios. E ensaios pungentes. Há investigações interessantíssimas sobre a desgraça alheia dos beurs.

 

Existe uma certa exasperação no mundo ocidental pelo singelo motivo de os seus líderes serem incapazes de provar que têm razão. Daí o procurarem em vão uma arbitragem. Na ONU é tudo boa gente. Todos bons rapazes. E raparigas. Mas atualmente, onde se encontram opiniões sinceras? Além disso, já ninguém leva a sério as organizações dos enfatuados bem pensantes. As Nações Unidas tornaram-se irrelevantes e inoperantes, por isso têm à sua frente um português que fugiu do pântano português para se ir enterrar nas areias movediças da ONU.

 

Mas os turistas europeus alternativos, os tais que acreditam na ONU, nas ONG’s e na “Alice no País das Maravilhas” desunham-se para irem até ao Magrebe (leia-se Marraquexe, praça de Jemna el-Fna) munidos de trouxa leve, óculos de sol ray-ban de lentes polarizadas anti-UV, calções tipo jogadores de golfe ou calças de algodão ventilado, polos da Lacoste, chinelas de meter no dedo, ou ténis sem atilhos, bolsa de toilette com produtos para o cuidado da pele, leite hidratante après-soleil, creme antirrugas, esfoliante e, sobretudo, o seu complemento intelectual: Rimbaud em formato de bolso. E ali ficam a deliciar-se com a pobreza dos berberes enquanto bebem deliciosos sumos e degustam iguarias próprias dos príncipes da Renascença. Vale-lhes serem União Europeia, espaço Schengen.

 

Como dizem os muçulmanos, esses furadores de fronteiras, sejam elas de que tipo forem, o mundo é um passador de couscous.

 

Como dizia a minha avó: pobre de quem é pobre.

 

Os do lado de lá esperam pacientemente pela recompensa do medo.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
Domingo, 10 de Fevereiro de 2019

No feminino

Barroso - Solveira - S. André - março 2016 079

 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
Sábado, 9 de Fevereiro de 2019

No feminino

DSCF7137 - cópia copy.jpg

 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 8 de Fevereiro de 2019

No feminino

Barroso - Solveira - S. André - março 2016 119

 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 7 de Fevereiro de 2019

Poema Infinito (443): As horas lubrificadas

 

 

O mal pode atingir-nos a todos? Há por aí tanto bem: a alegria, a mercadoria e todo o seu espetáculo infinito, comovente, repetitivo invariável, sempre renovável como uma ave-Maria, um Pai-nosso, uma cintilação do sol a curto prazo; todo o mal salgado, todo o mar sagrado, todos os focos de luz artificial, todos os reflexos num olho dourado, todos os manequins de olhos vendados, todos os computadores de olhos fechados, todas as horas lubrificadas. E lá vou eu deambular pelas horas labirínticas da quitanda das marcas. O meu prazer é solitário. Por isso me esquivo aos encontros que posso ter pelos caminhos. Tudo é autêntico de tão falso. Recuso a imitação. Somos descendentes de gente que sofreu muito. Enquanto os pobres suam, os ricos respiram. Os proletários não usam Ralph Lauren, nem que seja falso. Usam Pro-pro. Cobiço o desejo deliberado.  Mesmo imóvel, desço nas escadas rolantes uma e outra vez. Mesmo assim não vou ter a lado nenhum. Não quero ir. Apesar da insignificância dos gestos, não conseguimos abolir o tempo. Continuamos a ser seus escravos. Os espelhos continuam a surpreender-me: quando olho para eles, caminho sempre na minha direção. Somos peritos em colecionar sacos de plástico para combater o consumo excessivo de sacos de... plástico. Queremos branquear a política, como se ela fosse uma coisa de pretos. Para mal dos meus pecados, sofro de racismo instantâneo. Consigo adivinhar a igualdade reveladora da mudança de identidade. Sou um palhaço das conclusões. O branco é a cor do luto para os muçulmanos. O preto é a cor do luto para os cristãos. O mundo religioso é sempre a preto e branco. Acho que já não tenho realidade. Algum de nós perdeu a razão. Vamos ter de a procurar de novo. Aí, Sísifo, Sísifo, como custa aprender o teu mito. Ainda me obcecam as confissões, o seu medo, as suas contradições. O ar está carregado de eletricidade. Todos nós possuímos a fatalidade da felicidade. A sua memória é como uma ejaculação precoce. A linha do destino é invisível, estende-se sempre sobre as passagens superiores das autoestradas, sempre a cruzar a linha do horizonte, sempre a desviar-se. Rejeito o mal e a sua moral evidente. A chuva está eminente. Acredite-se ou não, a realidade é um pretérito simples. Apesar de tudo, os desejos são diferentes. E os pudores. E as expectativas. E o gozo. E o sofrimento. E a alegria. E também a tristeza.  Antigamente escondia as histórias nos buracos dos muros para ninguém mas destruir. Afinal, como se aprende a amar? Por vezes, os meus sentimentos voam de forma estonteante, carregados de imponderabilidade, de leveza. Louvado seja o Senhor, os anjos planam no espaço como os tapetes voadores dos contos árabes. O caos matou as fadas boas. A minha mãe continua a dizer-me para não chorar enquanto durmo. Levanto voo e recito de cor os versículos do coração. Reencontro um novo sentimento de imponderabilidade. Delicio-me com o silêncio comovido dos teus olhos. É bom que os espíritos bons não tenham nada de excessivo, nem de degradante. Os catálogos dos carros caros fazem a boa poesia parecer parva. A modernidade mais audaciosa encontra o sabor das tradições. O canto de trigo e a castanha de chocolate que o menino Jesus entregou à minha avó para ela me dar quando eu tinha oito anos ainda me aquece o coração.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 6 de Fevereiro de 2019

No feminino

Barroso - Penedones, ETC, XT1 141 - cópia copy.j

 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 5 de Fevereiro de 2019

No feminino

_JMF0762 - cópia copy.jpg

 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito (1)
Segunda-feira, 4 de Fevereiro de 2019

428 - Pérolas e Diamantes: Que não nos faltem as palavras

 

 

Quando quis falar, mandaram-me calar. Quando me calei, admiraram-se com o meu silêncio. Concluo que eles só me concedem o direito de palavra quando estou de acordo com eles.

 

O seu silêncio não significa que estejam a tentar esquecer. O que eles têm é medo de  recordar.  E conservam-no.

 

É curioso verificar que os amigos não têm as mesmas ideias que nós e aqueles que as têm não são nossos amigos.

 

Bernardino Machado escreveu que há uma lei na história da humanidade que domina todas as outras: “Nenhuma instituição vive, se sustenta e se radica senão pelo amor à liberdade.”

 

Os  democratas liliputianos da atualidade não se devem esquecer disso.

 

Parece que o nosso Estado de Direito foi construído com tijolos de corrupção, mentira e desconchavo ideológico cozidos nos fornos dos aparelhos partidários.

 

Com democratas deste calibre não precisamos de fascistas para nada.

 

Esta nossa República assemelha-se muito aos anos finais da monarquia onde, como escreveu Bernardino Machado, os homens estavam cada vez mais divididos por ambições e interesses. “Dum lado os Fósforos, do outro os Tabacos.”

 

Também agora, como nesse tempo, os homens vão dia a dia diminuindo de estatura moral.

 

Raul Brandão, nas suas memórias, escreveu a 2 de dezembro de1907: “O D. Carlos a um oficial do exército, depois da luta com o João Franco, das descomposturas ao rei, etc. – e referindo-se aos políticos: – Tu ouve-los falar, não é verdade? Pois se lesses as cartas que todos os dias me escrevem, e que estão ali naquela gaveta, enchias-te de nojo.”

 

Foucault tinha razão. Existem na vida momentos em que a questão de saber se é possível pensar de forma diferente de como se pensa e aprender de forma diferente de como se vê se torna indispensável para continuar a olhar e a refletir.

 

Todas as ilusões utópicas costumam acabar sempre da mesma maneira. Cito o poema de Manuel António Pina: “(...) O café agora é um banco, tu professora do liceu; / Bob Dylan encheu-se de dinheiro, o Che morreu. / Agora as tuas pernas são coisas úteis, andantes, / e não caminhos por andar como dantes.”

 

A desilusão é sempre a mesma: quem andou já não tem para andar.

 

E também trago à liça esse grande dia com que todos sonhamos, pelas versos de W. B. Yeats, pois já que nos sobram as lágrimas, que não nos faltem as palavras: “Viva a revolução e o tiro das armas! / Um mendigo a cavalo chicoteia um mendigo a pé. / Viva, voltou a revolução e o tiro das armas! / Os mendigos trocaram de lugar, mas o chicote permanece.”

 

Os conceitos que resultam de um diálogo normal advêm da necessidade de compromisso, de obter concordância, de estabelecer coordenação pacífica com indivíduos que não partilham dos nossos projetos ou das nossas preferências, mas que necessitam tanto de espaço como nós.

 

A grande astúcia do marxismo foi apresentar-se como ciência. Ao estabelecer a pretensa distinção entre ideologia e ciência, Marx propôs-se provar que a sua própria ideologia era uma ciência em si mesma. O que é uma falácia autoinduzida.

 

A objetividade científica foi-a buscar à pretensão interesseira da teoria de classes.

 

A análise marxista de classes, as teorias do Estado de Direito, a separação de poderes, o direito à propriedade, etc., exposta pelos pensadores “burgueses” como Montesquieu e Hegel, demonstrou não procurar a verdade mas os aparelhos de poder, que mais não são do que formas de manter os privilégios conferidos pela ordem burguesa.

 

Os marxistas numa coisa são peritos: em instigar um sentimento de superioridade moral aos seus apaniguados, resultando na perda espiritual que se manifesta quando as pessoas sentem mais prazer em minimizar os outros do que em se elevarem.

 

O objetivo dos democratas baseia-se  na intenção manifesta de conduzir a nossa vida social de forma a que não exista ressentimento. Devemos viver em ajuda mútua e em verdadeiro companheirismo, não para nos tornarmos iguais e inofensivamente medíocres, mas para conquistarmos a cooperação dos outros nos nossos pequenos sucessos.

 

Os marxistas também são bons em inventar o passado para distorcer o presente e impor um futuro feito à sua imagem e semelhança. Os seres humanos, na sua definição, apenas são “forças”, “classes” e “ismos”. As instituições jurídicas, morais e espirituais apenas ocupam um lugar marginal ou são introduzidas na sua argumentação somente quando podem ser facilmente identificadas em termos das abstrações que se justificam a si próprias.

 

Parece que, para a esquerda atual, a livre economia não é à propriedade privada, mas a propriedade privada dos outros.

 

Por outro lado, a esquerda urbana e bem colocada, mostra-se perturbada pela exibição de posse por parte das pessoas banais e correntes, grosseiras e sem educação.

 

O “consumismo” para ela não resulta da democracia, é apenas a sua forma patológica.

 

Ou seja, o resultado destas lutas sociais todas é que as ditas classes, tal como agora existem, continuam fluidas, temporárias e sem aparentes atributos morais.

 

Na verdade, existem nitidamente duas classes sociais: os empregados e os desempregados. Nenhuma tem o monopólio do poder sobre a outra, pois o processo político em curso fornece a cada uma defesa contra a coesão.  A nossa querida democracia possibilitou que entre as duas exista a máxima mobilidade social. A social-democracia e o socialismo democrático resultaram nisto.

 

Empregado hoje, desempregado amanhã. Desempregado hoje, empregado amanhã. Pelo meio vai-se vivendo às custas do Estado.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito (1)
Domingo, 3 de Fevereiro de 2019

ST

_JMF0448 - cópia copy - cópia.jpg

 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
Sábado, 2 de Fevereiro de 2019

HF

_JMF0490 - cópia copy.jpg

 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 1 de Fevereiro de 2019

Na aldeia, ao sol

_JMF0775 - cópia copy.jpg

 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.pesquisar

 

.Março 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. ST

. Na aldeia

. 434 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Mulheres

. Na aldeia

. Poema Infinito (448): O g...

. Na aldeia

. Na conversa

. 433 - Pérolas e Diamantes...

. No elevador do CCB

. Em Paris

. Em Paris

. Poema Infinito (447): Des...

. Em Paris

. Em Paris

. 432 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. ST

. Perfil

. Poema Infinito (446): O p...

. Interiores

. Olhares

. 431 - Pérolas e Diamantes...

. Cavalos e cavaleiros

. Cavalos e cavaleiros

. Cavalos e cavaleiros

. Poema Infinito (445): O e...

. Cavalos

. Cavalos e cavaleiros

. 430 - Pérolas e Diamantes...

. Em Paris

. Em Paris

. Em Paris

. Poema Infinito (444): Mor...

. Em Paris

. Em Paris

. 429 - Pérolas e Diamantes...

. No feminino

. No feminino

. No feminino

. Poema Infinito (443): As ...

. No feminino

. No feminino

. 428 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. HF

. Na aldeia, ao sol

. Poema Infinito (442): O q...

. No campo

.arquivos

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar