Quinta-feira, 4 de Abril de 2019

Poema Infinito (451): Os espelhos e as portas

 

Os espelhos estão cheios de gente invisível que já partiu. Toco nas tuas mãos à procura de alguma memória. Acaricio o teu sorriso e rio-me também.  Desejo pintar o mundo no teu corpo. Diversos caminhos criam diversos destinos. O sol distribuiu as cores pelos campos e transformou os humanos em arco-íris. Serão os animais fruto da nossa imaginação? Nos desertos existiram lagos que pareciam mares. Todos nós somos boca e também bocado. Quem tem a memória longa lembra-se do tempo anterior ao tempo, quando o céu e a terra eram a mesma coisa. Deus primeiro perdeu a paciência com os homens. Depois foram os homens que perderam a paciência com Deus. As primeiras palavras escritas foram baseadas nas pegadas dos pássaros e desenhadas na argila com caninhas afiadas. O fogo que cozeu a argila guardou-as. Quem parte essas tábuas assassina a memória. Houve tempos em que as sacerdotisas eram queimadas vivas por participarem nas conjuras das tabernas. Um dos provérbios mais amigos diz que a cerveja é boa, o que é mau é o caminho. Os homens foram selvagens até descobrirem a cerveja e o pão. Essa era a dieta de Jesus. Sabemos agora que Adão foi tentado pela maçã depois de beber o sumo fermentado de uma uva. O primeiro milagre de Jesus foi transformar em vinho a água de seis talhas. Os antigos sabiam do que falavam: o tempo primeiro dá-nos de mamar, depois come-nos. O rei Gilgamesh recusou-se a morrer. Quis combater o tempo. Diziam-no filho de uma deusa e de um homem. Apesar de ter vontade divina, o seu destino era humano. Tanto ele como o seu amigo Enkidu eram feitos de barro. Perseguiu então a imortalidade: vagueou por estepes e desertos, atravessou a luz e a escuridão, navegou pelos grandes rios, até que chegou às portas do paraíso. Aí foi servido por uma deusa taberneira. Depois de atravessar o mar, descobriu o barqueiro que sobreviveu ao dilúvio, a erva que dava juventude aos idosos, seguiu a rota das estrelas, chegou assim lá ao norte e depois dirigiu-se ao sul. Abriu a porta por onde o sol entra e fechou-a depois de ele sair. Foi imortal até morrer. Todos lhe seguimos o exemplo. A beleza do mundo chega a doer. Como ensinou o deus Toth ao rei Thamus, a escrita é o melhor remédio contra a má memória e a pouca sabedoria. Por isso Ganesha escreve com mãos de gente. Na arte da escrita, o mais importante é o começo. As primeira palavras são como os primeiros tijolos de uma casa ou de um templo. Outras fazem lembrar o rosto sombrio do faraó Sesostris III, os seus olhos angustiados e os lábios amargos. Talvez pensasse como um humano de que a vida eterna não é um privilégio, mas antes uma maldição. É preciso desconfiar da incapacidade dos capazes, da fraqueza dos fortes, dos que estão perto fingindo que estão longe. É também importante conhecer os caminhos da contradição, pois eles conduzem ao lugar secreto onde Lao Tsé continua a fundir a água com o fogo montado no seu boi azul. É lá que podemos encontrar o tudo e o nada. Um sábio chinês ensinou-nos a ler estrelas, a adivinhar destinos, a desenhar palavras com sinais, a desenhar constelações, o perfil das montanhas e a plumagem das aves. Nessa altura existia uma terra onde as mulheres eram da cor da luz porque comiam sol. Ainda agora, as mulheres são uma porta de entrada que não tem saída.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Maio 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

13

24
25

26
27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (457): Peq...

. Semana Santa - Barroso

. Na conversa

. 443 - Pérolas e Diamantes...

. Em Torgueda

. Ao portão com um sorriso

. Quaresma

. Poema Infinito (456): O v...

. Cozinha Barrosã

. Pastor

. 442 - Pérolas e Diamantes...

. No túnel

. No miradouro

. Na cozinha

. No forno

. No monte

. 441 - Pérolas e Diamantes...

. Na Abobeleira

. Na aldeia

. No Barroso

. Poema Infinito (455): O â...

. Na aldeia

. No Barroso

. 440 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. Na aldeia

. No Barroso

. Poema Infinito (454): O f...

. No Barroso

. No Barroso

. 439 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. ...

. No Barroso

. Poema Infinito (453): A n...

. No Barroso

. No Barroso

. 438 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. Na aldeia

. São Sebastião - Couto Dor...

. Poema Infinito (452): Hes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. No Couto de Dornelas

. 437 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (451): Os ...

. No Barroso

.arquivos

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar