Segunda-feira, 8 de Abril de 2019

437 - Pérolas e Diamantes: Os bichons e a parte sombria da economia

 

 

Confesso que gosto muito de mapear o território mental de Michel Houellebecq. Foi com ele que me convenci de que a filosofia marxista-leninista não é marxista, nem leninista e muito menos é filosofia.

 

Também foi com Houellebecq que me interessei pela origem dos bichons. Embora a origem destes cães remonte à Antiguidade – pois foram encontradas estátuas de bichons no túmulo do faraó Ramsés II –, a introdução dos bichons bolonheses na corte de Francisco I ficou a dever-se a um presente do duque de Ferrara. Dizem as crónicas da altura que a remessa, acompanhada de duas miniaturas do pintor Correggio, foi imensamente apreciada pelo rei francês, que considerou o animal “mais digno de ser amado que cem donzelas”. Em troca, concedeu ao duque uma ajuda militar decisiva para a conquista do principado de Mântua.

 

Tornou-se então o bichon no cão preferido dos diversos reis de França, principalmente de Henrique II. Depois foi destronado pelo pug carlin e mesmo pelo caniche.

 

Ao contrário de outros cães, como o shetland ou o terrier tibetano, só bem tarde é que ganhou o estatuto de “cão de companhia”, já que desde os primórdios tinha sido apenas um “cão de trabalho”.

 

Ou seja, o bichon, desde a sua origem, foi um cachorro cuja razão de ser nunca ultrapassou a tarefa de levar aos donos alegria e felicidade.

 

E é esta a sua atual função. Que cumpre com perseverança. É também paciente com as crianças e meigo com os velhos, desde há inúmeras gerações.

 

Sofre imenso quando está só, o que deve ser levado em conta quando se é levado a comprar um lá para casa.

 

O bichon encara qualquer ausência do dono como um abandono e todo o seu mundo, a sua estrutura e a sua essência se desmoronam num instante.

 

Está sempre sujeito a crises de depressão severa, o que o leva a recusar alimentar-se. Ou seja, é fortemente desaconselhável deixar um bichon sozinho, mesmo que seja apenas por umas horas.

 

Nos livros de Michel Houellebecq, além de bichons, também podemos encontrar muito sexo. É um escritor fascinado pela sexualidade, até porque considera, tanto o próprio como as suas personagens, que ela é a manifestação mais direta e mais evidente do mal. Desde os primórdios os crimes que não possuem por móbil o sexo, têm por causa o dinheiro. E vice-versa.

 

Parece que a Humanidade continua incapaz de imaginar outra coisa além disso, pelo menos em matéria criminal.

 

Parece também que os seus personagens, além de gostarem de bichons e de sexo, apreciam comer aipo com molho rémoulade. Que eu não sei bem o que é, mas preparo-me para o pesquisar na Internet com a firme intenção de o cozinhar.

 

No entanto, a maioria das personagens do escritor francês, sobretudo as femininas, desconfiam da Economia.

 

As teorias com que os especialistas tentam explicar os fenómenos económicos e prever as suas evoluções, parecem-lhes uniformemente inconsistentes, temerárias. Ou seja, não passam de puro charlatanismo. Sendo até surpreendente que atribuam um prémio Nobel da Economia, como se esta disciplina possa gabar-se da mesma seriedade metodológica e do mesmo rigor intelectual da Química ou da Física.

 

Como é que uma disciplina que nem sequer consegue fazer prognósticos que se confirmem há de poder ser considerada uma ciência?

 

Enquanto as mulheres fazem perguntas com esta pertinência, os homens, nos livros de Michel H., apenas se limitam a olhar para os seios delas, mas abstendo-se de interromper.

 

Ao que tudo indica, parece que elas não leram Popper. Eles, incapazes de responder, limitam-se a pousar as mãos nas coxas delas. Elas, escreve ele, limitam-se a sorrir e depois a dizer que o jantar não tarda a estar pronto.

 

Outra constatação das suas personagens: quase ninguém tem comportamentos de consumo inteiramente racionais. Provavelmente esta indeterminação fundamental das motivações dos produtores, assim como a dos consumidores, é a que torna as teorias económicas tão temerárias e, no fim de contas, tão falsas.

 

Ou seja, a existência de agentes económicos irracionais é definitivamente a “parte sombria”, a falha secreta, de qualquer teoria económica.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Maio 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

13

24
25

26
27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (457): Peq...

. Semana Santa - Barroso

. Na conversa

. 443 - Pérolas e Diamantes...

. Em Torgueda

. Ao portão com um sorriso

. Quaresma

. Poema Infinito (456): O v...

. Cozinha Barrosã

. Pastor

. 442 - Pérolas e Diamantes...

. No túnel

. No miradouro

. Na cozinha

. No forno

. No monte

. 441 - Pérolas e Diamantes...

. Na Abobeleira

. Na aldeia

. No Barroso

. Poema Infinito (455): O â...

. Na aldeia

. No Barroso

. 440 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. Na aldeia

. No Barroso

. Poema Infinito (454): O f...

. No Barroso

. No Barroso

. 439 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. ...

. No Barroso

. Poema Infinito (453): A n...

. No Barroso

. No Barroso

. 438 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. Na aldeia

. São Sebastião - Couto Dor...

. Poema Infinito (452): Hes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. No Couto de Dornelas

. 437 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (451): Os ...

. No Barroso

.arquivos

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar