Segunda-feira, 22 de Abril de 2019

439 - Pérolas e Diamantes: Do júbilo à vergastada

 

 

Fascinam-me os pré-rafaelitas. Eles defendiam que a arte se começou a degenerar logo após a Idade Média. Ou seja, desde o início do Renascimento a arte separou-se de toda a espiritualidade, tornando-se numa atividade puramente industrial e comercial. Os chamados grandes mestres do Renascimento (Botticeli, Rembrandt ou Leonardo da Vinci)  passaram a comportar-se como simples chefes de empresas comerciais, exatamente como Jeff Koons, Damien Horst, ou a portuguesa Joana Vasconcelos, dirigindo com pulso de ferro oficinas de cinquenta, ou cem assistentes, que produziam em cadeia quadros, esculturas, frescos. Limitando-se eles a pessoalmente fornecerem a orientação geral, a assinar a obra acabada, e, sobretudo, dedicavam-se às relações públicas juntos dos mecenas da altura: os príncipes ou papas.

 

Por falar em civilização, pus-me a ler e a pensar e deparei-me com coisas um pouco estranhas. Ao nativo americano que rezava aos lobos chamaram-lhe selvagem. Ao nativo africano que rezava aos seus antepassados chamaram-lhe primitivo. No entanto, nós, os tais da cultura ocidental, achamos do mais simples senso comum rezarmos a um homem que transformou a água em vinho. Curioso: até nos consideramos uma cultura avançada. Superiores aos outros, em tudo.

 

As almas boas mais tocadas pela fé dizem que nos templos que frequentam praticam a veneração jubilosa do Senhor, que com a ajuda do senhor abade analisam profundamente as escrituras e que até se oferecem à paixão e à catarse. Dizem ainda sentir nesses lugares a presença do Espírito Santo dentro de si.

 

A mim, da Bíblia, para além da transformação da água em vinho por Jesus, que a maior parte da família adorava, tanto a história como a bebida, que apelidavam de sangue de Cristo, divertiram-me muito as histórias de Noé e o dilúvio, de Moisés a separar as águas do Mar Vermelho, de David a esmoucar Golias e Jesus a vergastar os cambistas no templo. Sansão foi o meu primeiro Super-Herói. É impagável um jovem matar centenas e centenas de pessoas apenas com a mandíbula de um burro. Mas a coisa começou a perder a piada com a chegada de Paulo e da sua mania em escrever cartas aos Efésios e a outros povos espalhados pela diáspora.

 

Deus é também um ser ardiloso, cheio de boa vontade, mas um pouco desconfiado, pois muitas vezes costuma colocar os seus seguidores à prova para ver se ultrapassam os obstáculos e continuam determinados na fé de o continuarem a adorar. Jó é o exemplo mais paradigmático.

 

Como devem saber os meus caros amigos, não há ninguém mais escrupuloso em matéria de religião do que um agnóstico, ou um ateu.

 

Quando já com certa idade, e alguma irreverência marxista, fazia algum comentário deste tipo na presença da minha avó, ela perdia momentaneamente a sua atitude conciliatória e admoestava-me dizendo que não me atrevesse a contrariá-la, a contradizê-la, a subestimá-la. O que era ao mesmo tempo uma ordem e uma ameaça.

 

O problema das religiões, sobretudo as monoteístas, na qual podemos, e devemos, incluir o Comunismo, é que se movem pela inércia, trabalham pelo hábito, praticando uma espécie de autoengano pensando que possuem as melhores ideias do mundo. Por incrível que pareça, o que as mantém é o provincianismo e a incultura.

 

As religiões são história. E a história não é uma ciência. É ficção.

 

Tenho de admirar aqueles jovens que ainda teimam em estudar os autores que fazem parte do património da Humanidade: Platão, Ésquilo, Sófocles. E também Racine, Molière, Vítor Hugo. Ou ainda Balzac, Dickens e Flaubert. Além dos românticos alemães e dos romancistas russos. E também de Pessoa e Saramago.

 

E ainda me surpreendem mais os familiarizados com os principais dogmas da fé católica, cujas marcas na cultura ocidental são muito profundas. Em contraste com os seus contemporâneos que sabem mais das aventuras do Homem-Aranha do que da vida de Jesus.

 

De pouco serve a springbok ser o segundo mamífero terrestre mais rápido do mundo já que o primeiro é a chita, que dele se alimenta.

 

Ou seja, pego nas palavras de Saramago e despeço-me por hoje: “Sou um espírito profundamente religioso. É preciso ter-se um altíssimo grau de religiosidade para fazer um ateu como eu.”


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Maio 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

13

24
25

26
27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (457): Peq...

. Semana Santa - Barroso

. Na conversa

. 443 - Pérolas e Diamantes...

. Em Torgueda

. Ao portão com um sorriso

. Quaresma

. Poema Infinito (456): O v...

. Cozinha Barrosã

. Pastor

. 442 - Pérolas e Diamantes...

. No túnel

. No miradouro

. Na cozinha

. No forno

. No monte

. 441 - Pérolas e Diamantes...

. Na Abobeleira

. Na aldeia

. No Barroso

. Poema Infinito (455): O â...

. Na aldeia

. No Barroso

. 440 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. Na aldeia

. No Barroso

. Poema Infinito (454): O f...

. No Barroso

. No Barroso

. 439 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. ...

. No Barroso

. Poema Infinito (453): A n...

. No Barroso

. No Barroso

. 438 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. Na aldeia

. São Sebastião - Couto Dor...

. Poema Infinito (452): Hes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. No Couto de Dornelas

. 437 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (451): Os ...

. No Barroso

.arquivos

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar