Quinta-feira, 1 de Agosto de 2019

Poema Infinito (467): A avó

 

Concentro-me na direção meditativa dos olhares. Uma luz rosada faz brilhar os luzeiros que se orientam na minha direção. Concentro-me nos gestos repetidos, secos e eficazes. Nas conversas breves, mas certeiras. Na imobilidade e no isolamento repentino dos animais. As rosas junto à igreja estão carregadas de aroma e de poeira. Poucos sentimentos conseguem sobreviver por aqui. Recolho alguns fragmentos da realidade. Flutuam no ar várias vozes e alguns ruídos secos. O tempo continua a perder velocidade. A avó costumava alisar as palavras com a mesma paciência com que passava as colchas de linho. Falar era já ficção bastante para se entreter. Por vezes caiam-lhe lágrimas dos olhos como se fossem gotas de soro a entrar nas nossas veias. Nunca aprendeu as histórias pelos livros. Inventava-as sozinha. Há pessoas fadadas mais para o não do que para o sim. Por vezes queixava-se de que lhe andavam a amputar as terras, a chupar a água dos lameiros e a roubar-lhe o odor das flores. Os homens, já bêbados de inverno e vinho, iam de encontro às esquinas. Vomitavam o frio antes de chegar a madrugada. As mulheres vigiavam as suas ausências. Choravam para dentro dos seus mistérios. Esforçavam-se muito para arrancar imagens dos seus olhos. Eles pareciam quase sempre ervas do mato, ou urtigas. Qualquer contacto provocava prurido. O vazio também possui a sua força de atração, bem assim como a maciez da água da ribeira. Ninguém sabe o verdadeiro sabor do poder reconfortável da repugnância feminina. A relação entre a vítima e o carrasco está carregada de excitação. A avó gostava de pentear ao espelho a sua pouca sorte. Namorou pouco, mas ficou desonrada durante alguns anos. Depois de desvirginada, foi sacramentada. Mais tarde, tudo voltou ao seu devido lugar. O som dos espasmos também pode ser uma falsa agonia. Apesar de noiva abandonada, a avó construiu pacientemente o seu círculo de brasas. Desenhou mentalmente a sua circunferência sentimental exata, ignorando o resto. Perder-se de amores não era a sua forma de indulgência. Controlou então o seu gosto por criar sobressaltos. Combateu a arrogância das proclamações fidalgas, enchendo-se de coragem cristã. Tudo o que não mata, salva. Na sua casa, as paredes estavam sempre pintadas com cal e o chão cheirava a sabão. Era a forma de preservar o seu fervor erótico de mãe solteira. Não deixou que lhe pagassem o seu silêncio. Disfarçava mal os deveres de obediência. A mãe cobriu-a de ameaças. Ela foi esclarecendo-se por dentro. O momento dos outros também nos envelhece. O significado das relações nem sempre é definitivo. A angústia e a glória costumam andar juntas. O padre apinhava-se de palavras de missal e despropositava-lhe a vida. As mulheres da aldeia continuavam a teimar na sua velocidade cíclica de reprodutoras. A avó começou a aperceber-se do poder de atração da loucura, mas não começou a fazer coisas disparatadas. Ela não era mulher para percorrer caminhos fáceis. Sabia que a glória não estava no arrependimento. A sua beleza, apesar de severa, era depurada e consistente. O seu talento para lutar contra a adversidade aperfeiçoou-se. Concentrou-se na fruta e na lã. Transformou o esforço em milagre. Quando o avô lhe fez outro filho estremeceu de ternura. Há coisas difíceis de entender, pensou ela.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Interiores

. Poema Infinito (478): O V...

. ST

. No Louvre

. 464 - Pérolas e Diamantes...

. No Porto

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. Poema Infinito (477): Tox...

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. 463 - Pérolas e Diamantes...

. Amizade

. Na feira

. Interiores

. Poema Infinito (476): Via...

. ST

. Expressões

. 462 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (475): Bre...

. No Barroso

. No Barroso

. 461 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. No Barroso

. Em Lisboa

. Poema Infinito (474): Ven...

. Na Póvoa de Varzim

. Em Paris

. 460 - Pérolas e Diamantes...

. Póvoa de Varzim

. Póvoa de Varzim

. Bragança

. Poema Infinito (473): Dis...

. Porto

. Paris

. 459 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Farinha de milho

. Fato

. Poema Infinito (472): O a...

. Na aldeia

. Sorrisos

. 458 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. No elevador

. S. Lourenço

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar