Quinta-feira, 10 de Outubro de 2019

Poema Infinito (477): Toxicidade

 

 

A ansiedade bate ao ritmo da hipertensão: forte. A verdade, por vezes, nasce das ruminações. Dizem que os maus poetas são bons críticos. A impertinência impede-lhes a inspiração. Um caralho que os foda. A sua inspiração está condicionada pela solidão. Gostam de inventar rivalidades. Todas as óperas lhes parecem originais. São como antigos burgueses desesperados por verem revolucionários janotas e excêntricos. Acham os aplausos ridículos, como de facto são. Todos pecam por insensatez. Salva-os o prazer do risco. Os caminhos sofisticados são sempre os mais vulneráveis. As folhas das cepas perderam o seu ruivo esplendor e começaram a apodrecer. A ambição ressente-se do tédio. A vocação desafina com a impaciência. A dor, nos medíocres, é um vício, costuma dar-se mal com a aristocracia do espírito. A obscuridade das capelas é sempre ameaçadora. O desprezo e a ignorância são a manjedoura do lirismo provinciano. Sempre foi assim. Sempre assim será. Os primeiros versos são delativos. De sentimento único, repletos de afinidades e desdenho. O perdão tem sentido único. A realidade é murcha. As paixões são como tempestades com um Deus morto lá pelo meio. Os enigmas expandem-se. As tragédias baseiam-se na traição e nos equívocos. A glória resulta sempre da publicidade, do embelezamento da própria ficção. Formámo-nos na abstinência do convívio, no silêncio do romance, na infatigável história do cavaleiro da triste figura que não anda nem desanda. Já ninguém mata a sede com água benta. Sonhar a felicidade é uma forma de ser como a Bela Adormecida. Agora lemos a infelicidade nos rótulos dos medicamentos, nos gestos viciados, nas conversas barulhentas, no afastamento dos nomes e dos olhares. O amor tem a consistência da gelatina. Vivemos num baile de máscaras permanente, entusiasmado pelo arrependimento dos outros. Somos infiéis na felicidade e insensíveis à dor. As dissertações são infinitas. O verde cresce rente às paredes. Apenas as cidades florescem. Nas aldeias, cheira-se a morte em cada canto. A gratidão defende-se do ridículo. Choveu muito. Algumas pétalas das flores mais frágeis boiam na água. Por aqui, apenas as tempestades são tão grossas como a realidade. Os olhares parecem esboços de banda desenhada, imprecisos, turvos, vingativos. À medida que perdemos os ofícios perdemos também a alma. Ergue-se da terra um vapor denso. A passarada dispersa-se pelos ramos das árvores. Os dias morrem antes de serem salvos. A aldeia entregou-se ao sono. Os velhos caminhos cegaram. As muralhas apenas retêm o tempo. A luz embate contra a espessura da saudade. Dentro de casa arrumam-se as sombras. Também elas querem descansar. As criaturas gritam dentro dos livros como se estivesse eminente um incêndio. Estamos no centro do vórtice das recordações. Lembramo-nos ainda bem do tempo da paixão, dos juízos ligeiros. Alguns vultos inclinam-se para a claridade. As horas deixaram de ser benévolas. São agora mais curtas. A indiferença produz sempre o vazio. Nada acontece. As casas dormem. Queremos defender-nos das mentiras com conselhos. A inteligência é um fascínio. Agora sabemos passar pelo meio dela como se estivéssemos a atravessar um rio a vau. Uso as palavras sem oxidantes para suportar a decadência. Os equívocos são sempre tóxicos.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 16 seguidores

.pesquisar

 

.Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. No CCB - Lisboa

. No CCB

. 493 - Pérolas e Diamantes...

. No CCB - Lisboa

. No CCB - Lisboa

. No CCB - Lisboa

. Poema Infinito (510): A o...

. No CCB - Lisboa

. No CCB - Lisboa

. 492 - Pérolas e Diamantes...

. Montalegre

. Rebanho reconhido

. Feira dos Santos - Chaves

. Poema Infinito (509): Poe...

. No Barroso - vacas e bali...

. Na aldeia

. 491 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (508): A l...

. No Barroso

. No Barroso

. 490 - Pérolas e Diamantes...

. Chaves

. Chaves

. Sapateiro de Chaves

. Poema Infinito (507): A a...

. Feira dos Santos - Chaves

. Feira dos Santos - Chaves

. 489 - Pérolas e Diamantes...

. Tunas

. Em Chaves

. Em Alhariz

. Poema Infinito (506): A h...

. Tâmega - Chaves

. Poldras de Chaves

. Vai-me custar partir... A...

. Em Chaves

. No Barroso

. Amigos no Barroso

. Poema Infinito (505): Poe...

. Músicos em Santiago de Co...

. Barroso

. 488 - Pérolas e Diamantes...

. Chaves em quarentena X

. Chaves em quarentena IX

. Chaves em quarentena VIII

. Poema Infinito (504): O a...

. Chaves em quarentena VII

.arquivos

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar