Segunda-feira, 14 de Outubro de 2019

464 - Pérolas e Diamantes: O sentido de propriedade

 

 

Na Rússia czarista, durante a Segunda Duma, por volta do ano 1907, um deputado camponês causou grande sensação durante o debate sobre a reforma agrária ao dizer a um deputado da nobreza: “Sabemos o que você entende por propriedade, pois no passado já fomos sua propriedade. O meu tio foi trocado por um galgo.” Passados 10 anos, os comunistas chegaram ao poder. É caso para dizer: não há mal que não acabe em desgraça.

 

O grande problema russo residia no regime do Czar Nicolau que potencializou, sempre que lhe foi possível, a crise política que assolava o país. Nisso participaram ativamente a sua esposa e o seu fiel guru Rasputine.

 

A Rússia estava em guerra contra a Alemanha e o Império Austro-húngaro. O bravo Brusilov, um chefe militar monárquico, reconheceu que “ Rússia não poderia vencer a guerra com o presente sistema de governo”. Ou seja, a vitória na guerra não deteria a revolução, mas apenas uma revolução ajudaria a conseguir a vitória.

 

Mais de um século é passado e uma neblina de silêncio continua a envolver essa tragédia. A maioria dos livros escritos sobre o assunto não passam de verborreia engenhosa.  As pessoas continuam a pensar que o que realmente se passou está acima do nosso entendimento

 

Mas os videntes do futuro afinal não passavam de intérpretes e transfiguradores do passado.

 

Gorki deu-se conta de que “as pessoas se comportavam como animais e loucos”.

 

Parece que o medo envenenava até os mais inteligentes.

 

Entre as classes proprietárias havia a noção de que a Rússia se encontrava à beira de uma catástrofe de proporções inimagináveis. Intuíam uma violenta explosão social. E sabiam que o governo autocrático de Nicolau era incapaz de defendê-las.

 

O povo falava do czar e dos seus colaboradores com um desprezo absoluto. A palavra “revolução” andava na boca de todos.

 

Sentindo o desastre, os ricos e bem-nascidos decidiram organizar desesperadas farras de prazeres. Perdidos por cem, perdidos por mil. Resolveram ser revolucionários à sua maneira, esgotando os seus stocks de champanhe, gastando quantidades enormes de dinheiro na compra de caviar, esturjão e outras iguarias dos tempos de paz, agora apenas disponíveis no mercado negro. Sabendo que o fim do seu mundo estava próximo, resolveram patrocinar festas dispendiosas, traindo mulheres e maridos e esbanjando fortunas nos casinos.

 

Parece que tinham prazer em chocar os estrangeiros com o luxo e o prazer.

 

Por outro lado, o governo resolveu proibir a venda de bebidas alcoólicas. Mas o hábito russo de beber era tal que a proibição causou todo o tipo de excessos. A população começou a consumir água-de-colónia, álcool etílico, bálsamos, vernizes, qualquer tipo de aguardentes falsificadas disponíveis no mercado negro e até uma bebida conhecida por khanja, feita e vendida por chineses e que matava aos milhares.

 

Ou seja, os trabalhadores viram na lei seca do vodka um motivo de queixa contra o governo e de mágoa contra os privilegiados, pois o comércio de vinhos caros e outras iguarias não estava sujeito a normas. No cômputo geral, a proibição da vodka foi um desastre e esteve nas principais causas da queda do velho regime.

 

A miséria começou a atacar as cidades. Dizem que no auge da guerra, até as vacas eram bem mais nutridas do que muitos operários urbanos. A partir do outono de 1915, as mulheres começaram a montar camas às portas dos estabelecimentos à espera de poderem obter quantidades dolorosamente ínfimas de pão, açúcar ou outro qualquer produto de primeira necessidade. Não tinham tempo de numa só noite cruzar a cidade em busca de comida e depois voltar para casa. Enquanto se aguardava por um pedaço de comida, as ruas organizaram-se para a revolta vindoura.

 

Nos dois primeiros anos de guerra, a ingestão calórica de operários não-qualificados caiu em um quarto, a mortalidade infantil duplicou, as estatísticas criminais triplicaram e o número de prostitutas aumentou quatro vezes.

 

Como escreveu o coronel Engelhardt, deputado outubrista e futuro comissário do Governo Provisório, os reservistas de Petrogrado eram “como multidões armadas” que se assemelhavam mais “a material inflamável do que a um apoio do governo”.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


18
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Na aldeia

. 469 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Noturno

. ST

. Poema Infinito (482): Res...

. No Barroso

. No Louvre

. 468 - Pérolas e Diamantes...

. AB

. VS3

. VS2

. Poema Infinito (481): Que...

. VS

. CL

. 467 - Pérolas e Diamantes...

. Pisões

. Misarela

. Olhares

. Poema Infinito (480): As ...

. Na Abobeleira

. Barroso

. 466 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Alturas d...

. Em Coimbra

. No Louvre

. Poema Infinito (479): Ao ...

. No Louvre

. No Louvre

. 465 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. JVF

. Interiores

. Poema Infinito (478): O V...

. ST

. No Louvre

. 464 - Pérolas e Diamantes...

. No Porto

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. Poema Infinito (477): Tox...

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. 463 - Pérolas e Diamantes...

. Amizade

. Na feira

. Interiores

. Poema Infinito (476): Via...

. ST

. Expressões

.arquivos

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar