Segunda-feira, 2 de Março de 2020

484 - Pérolas e Diamantes: Chiquita

 

 

No dia em que um cavalheiro irlandês apresentou a liliputiana Chiquita à estátua da liberdade, a cubana, admirada, terá dito: “Nunca pensei que fosse oca.” Ao que ele terá comentado: “Aprenda a lição. A liberdade nunca é tão maciça como parece.”

 

Foi então que Chiquita, surpreendida com a aparência das coisas, e para não parecer frívola e ter tema de conversa, começou a ler jornais. Até porque o seu anfitrião em Nova Iorque, Patrick Crinigan, escrevia sobre política externa.

 

A cubana descobriu então que no final do século XIX o planeta era bem mais complicado do que julgava. Os turcos assassinavam arménios, os etíopes lutavam contra os italianos, os britânicos sufocavam as rebeliões dos africanos, os hindus digladiavam-se em guerras religiosas, os chineses e os japoneses andavam à porra e à massa, os filipinos sublevavam-se contra os espanhóis e os anarquistas, esses simpáticos rapazes, punham bombas em todo o lado.

 

Nessa altura existia guerra em Cuba entre espanhóis e rebeldes autóctones. Todos os dias, o jornal norte-americano World publicava notícias sobre a maior ilha das Caraíbas. Os pontos de vista eram tão díspares que havia até aqueles que consideravam que o governo dos EUA devia intervir no conflito e ajudar Cuba a obter a liberdade. Mas eram movidos por ideias e interesses diferentes: as pessoas comuns por simpatia ou por considerarem que já era tempo de Espanha renunciar às suas prosápias de grande metrópole; os comerciantes, porque vislumbravam um novo mercado para os seus produtos; e os clérigos porque se viam a converter milhares e milhares de católicos e ateus cubanos ao protestantismo. Ele há gente para tudo.

 

Com o livro de António Orlando Rodrigues também ficamos a saber que, no início do século XX, o Central Parque de Nova Iorque tinha um carrossel com cavalos pretos, pardos e brancos, todos com bocas abertas, grandes dentes e as línguas de fora. Ou que as escadarias que iam do terraço à fonte onde estava o Anjo das Águas tinha trinta e seis degraus, nem mais nem menos, e possuíam um patamar entre o degrau dezoito e o dezanove.

 

Também por lá existia um pavilhão chamado Little Carlsbad onde se podiam tomar trinta tipos diferentes de águas minerais; um coreto pintado com cores garridas onde uma banda dava concertos ao ar livre, enquanto umas gôndolas trazidas de Veneza navegavam no lago.

 

Que saudades dos bons velhos tempos onde o Mall era um constante vai e vem, e vem e vai, de meninas e cavalheiros exibindo as suas lindas roupas.

 

Como não há mal que sempre dure, também não existe bem que não acabe. Veio então a Depressão que acabou com a louca alegria dos anos vinte. As pessoas perfumadas e elegantes, que antigamente visitavam o parque, e nele permaneciam sentadas longas horas tagarelando nos bancos de madeira e granito, tijolo e ferro fundido, foram substituídas por grandes quantidades de desempregados sujos que ali passaram a viver. Como não tinham casa, o parque tornou-se o seu refúgio.

 

Uns dormiam debaixo das pontes e outros em barracas feitas com o que por ali havia: pedaços de cartão, tábuas e ferro-velho. E nem é bom recordar o fedor que havia no Belveder devido ao facto desses pobres infelizes defecarem e urinarem em qualquer lado.

 

No desespero, de se verem sem casa nem comida, essa horda de pobres quebrava as cercas, os bancos e as pérgulas, cortava as árvores e riscava os monumentos.

 

Nem sequer as estátuas de bronze se livraram do vandalismo: à do caçador índio roubaram-lhe o arco e a do tigre com o pavão na boca foi literalmente arrancada da pedra onde estava colocada. Aquilo não era propriamente inquietação, inquietação, era mesmo raiva e desespero.

 

O narrador de “Chiquita”, quando foi visitar o parque, encontrou alguns italianos que com ele tinham vivido na pensão. Quase não os reconheceu, de tão porcos que estavam. Esteve tentado a aproximar-se e a cumprimentá-los, mas olharam-no com tanto ódio que mudou de ideias. Diz que até sentiu vergonha de sair à rua limpo e bem vestido. Coitado do narrador. 

 

A verdade é que, tal como o narrador, este vosso amigo, não sendo capaz de justificar essas atrocidades, mesmo passado um século, também não é capaz de as condenar. Provavelmente, vivendo nessa época, e se não tivesse arranjado trabalho, teria feito o mesmo que esses sem teto, destruindo tudo, porque não existe no mundo nada que mais desespere e embruteça do que o sentirmo-nos num beco sem saída. E, bem vistas as coisas, mais vale que as pessoas desabafem cortando o arco a um índio de cobre do que a cabeça a um agente da autoridade.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 16 seguidores

.pesquisar

 

.Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. No CCB - Lisboa

. Poema Infinito (511): O p...

. No CCB - Lisboa

. No CCB

. 493 - Pérolas e Diamantes...

. No CCB - Lisboa

. No CCB - Lisboa

. No CCB - Lisboa

. Poema Infinito (510): A o...

. No CCB - Lisboa

. No CCB - Lisboa

. 492 - Pérolas e Diamantes...

. Montalegre

. Rebanho reconhido

. Feira dos Santos - Chaves

. Poema Infinito (509): Poe...

. No Barroso - vacas e bali...

. Na aldeia

. 491 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (508): A l...

. No Barroso

. No Barroso

. 490 - Pérolas e Diamantes...

. Chaves

. Chaves

. Sapateiro de Chaves

. Poema Infinito (507): A a...

. Feira dos Santos - Chaves

. Feira dos Santos - Chaves

. 489 - Pérolas e Diamantes...

. Tunas

. Em Chaves

. Em Alhariz

. Poema Infinito (506): A h...

. Tâmega - Chaves

. Poldras de Chaves

. Vai-me custar partir... A...

. Em Chaves

. No Barroso

. Amigos no Barroso

. Poema Infinito (505): Poe...

. Músicos em Santiago de Co...

. Barroso

. 488 - Pérolas e Diamantes...

. Chaves em quarentena X

. Chaves em quarentena IX

. Chaves em quarentena VIII

.arquivos

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar