Segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

204 - Pérolas e diamantes: semear ventos

 

Numa tarde deste tempo pesado que nos toca viver, neste tempo de vacas magras e empréstimos camarários gordos, li no Público uma entrevista a Mario Vargas Llosa. Dela retive duas ou três coisas que passo, com vossa licença, a partilhar.

 

O maior inimigo da democracia encontra-se no seu próprio seio. É ele o desaparecimento da cultura enquanto questionamento constante da realidade.

 

Ou seja, em Estados pretensamente democráticos como o nosso, a própria cultura tornou-se uma derrota em si mesma.

 

As estruturas políticas estão muito distanciadas da realidade. “A corrupção, por outro lado, contribuiu muitíssimo para o desprestígio da política.”

 

Adriano Moreira, fundador e líder histórico do CDS, em entrevista ao Jornal I pôs o dedo na ferida: “A resposta que se é contra o Estado social porque não há dinheiro implica a pergunta se também não há princípios.”

 

Quanto mais não seja, numa coisa o acompanho: Este neoliberalismo repressivo, que teima em multiplicar as sanções, aumentando os impostos e restringindo a maioria dos nossos direitos, é antidemocrático.

 

Como ele sou “contra este neoliberalismo repressivo”.

 

De facto, o êxito passou a ser o prémio destes novos caçadores de recompensas. A fé inabalável nos mercados veio substituir a “velha” crença nos valores.

 

Os aprendizes de feiticeiro incorporaram a filosofia de que a iniciativa privada em total liberdade é a responsável pelo progresso e pela abundância. Ora isso é rotundamente falso. E a prova aí está à vista de todos. Portugal definha. O sacrifício neoliberal pode levar-nos à desagregação social e à violência política. 

 

O distinto professor lembra aos mais distraídos que as pequenas pátrias estão a querer mostrar-se. E isso afeta a unidade dos Estados.

 

Também o nosso, infelizmente, dá indícios de desintegração. O abandono do Interior é um sinal disso mesmo. Não sei durante quanto tempo mais, as populações que teimam em habitar este vasto território português vão aguentar ordeiramente que lhes roubem os principais serviços, condenando-as a uma vida de subserviência e de subdesenvolvimento.

 

O governo do PSD/CDS desculpa-se com o Tribunal Constitucional. Mas a resposta de Adriano Moreira é concludente: “Se alguma coisa contraria o governo, é a Constituição, não o Tribunal que a defende.”

 

A finalizar a entrevista coloca o dedo na nossa ferida mais evidente, o «Sistema»: “Um dos piores vícios é a promiscuidade entre o poder político e o poder económico.”

 

É caso para dizer que o nosso primeiro-ministro e o nosso, salvo seja, presidente da Câmara, ao mesmo tempo que são frusta-talentos, agudizam a memória do nosso passado pobre, fazem-nos estar fartos do nosso paupérrimo presente e encaminham-nos para a eterna desconfiança de um futuro isento de promessas dignas.

 

Toda esta crise me leva a estar cada vez mais de de acordo com António Costa: “O fim da austeridade não é uma promessa: é uma necessidade.”

 

PS – Para que os vereadores do PS da CMC também se ponham de acordo quanto à sua verdadeira posição relativamente ao pedido de auditoria externa às contas da Câmara de Chaves – até porque não é bonito atirar a pedra ao (ex-) vereador do MAI e esconder a mão relativamente à posição de um seu vereador que, num primeiro escrutínio votou favoravelmente a realização de uma auditoria externa às contas da autarquia flaviense, para depois, numa segunda fase, dar o dito por não dito, e votar em sentido inverso –, vimos por este meio solicitar mais uma vez ao senhor presidente António Cabeleira, e aos seus distintos vereadores, João Neves incluído por inteiro, que tenham a coragem de assumir a necessidade de uma auditoria externa às contas da autarquia. Pois quem não deve não teme e à mulher de César não lhe basta ser séria, tem de parecê-lo. Até porque estamos todos com necessidade de dormir um pouco mais descansados. 


publicado por João Madureira às 07:45
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (486): Dis...

. Em Paris

. Em Paris

. 472 - Pérolas e Diamantes...

. Feira dos Santos

. ST

. Na cozinha

. Poema Infinito (485): Sed...

. Olhares

. Vacas e balizas

. 471 - Pérolas e Diamantes...

. Em Amarante - Cultura que...

. Na feira

. No Porto

. Poema Infinito (484): Eco...

. Chega de bois em Boticas

. No Barroso

. 470 - Pérolas e Diamantes...

. Interiores

. Castelo de Montalegre

. No Barroso

. Poema Infinito (483): Ilu...

. No Barroso

. Na aldeia

. 469 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Noturno

. ST

. Poema Infinito (482): Res...

. No Barroso

. No Louvre

. 468 - Pérolas e Diamantes...

. AB

. VS3

. VS2

. Poema Infinito (481): Que...

. VS

. CL

. 467 - Pérolas e Diamantes...

. Pisões

. Misarela

. Olhares

. Poema Infinito (480): As ...

. Na Abobeleira

. Barroso

. 466 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Alturas d...

. Em Coimbra

. No Louvre

. Poema Infinito (479): Ao ...

.arquivos

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar