Segunda-feira, 22 de Setembro de 2014

207 - Pérolas e diamantes: Rui Veloso e Arquimedes

 

Ainda em pleno verão deparei-me com uma notícia que me deixou triste e ainda mais apreensivo. Rui Veloso, o rosto mais conhecido da música popular portuguesa, em entrevista ao DN, decidiu anunciar que vai parar de cantar e tocar.

 

Por vezes, parar até pode ser uma boa decisão, se o objetivo for, por exemplo, refletir, descansar ou até mudar de rumo. Ou de ramo. Mas não foi este o caso.

 

Rui Veloso apontou como principias razões desta sua travagem a fundo, a desilusão com o país, a falta de respeito pela cultura e o desprezo pelos profissionais do setor, em detrimento dos milhares de candidatos à fama enaltecidos e promovidos pelos concursos televisivos.

 

Também na música as pessoas começam a preferir as imitações ao original.

 

Apesar de atualmente termos muito mais acesso à informação do que no passado, é preocupante que, como cogumelos venenosos, seja a desinformação a proliferar nos meios de comunicação social.

 

Nos dias de hoje, tudo se nivela por baixo: a governação do país, a gestão das autarquias, o debate político.

 

A semelhança entre os principais atores políticos, especialmente entre os do apelidado arco da governação, é intrigante.

 

Aos portugueses custa-lhes entender as trocas azedas de palavras, pensando que correspondem a ideias e sentimentos divergentes, e depois vê-los a jantar e a passar férias juntos.

 

Rui Veloso confessou que há um caldeirão em que os mestres estão misturados com os analfabetos e que não gosta dessa sensação. Nem ele, nem nós. Verdade seja dita.  

 

Convém no entanto lembrar que, certa manhã, quando estava a tomar banho, o matemático Arquimedes descobriu o princípio da impulsão.

 

No entanto, apesar da sua excecionalidade, ainda hoje lamentamos o facto de ter sido assassinado posteriormente por um soldado.

 

Cada um tire daí as suas conclusões, se for capaz.

 

Por hoje termino com o sábio conselho do mordomo Jeeves, um personagem dos melhores livros de P. G. Wodehouse: “Se me permite a sugestão, senhor, e embora isto não venha constituir mais que um paliativo, tem-se verificado que o vestir de um fato de soirée costuma trazer um efeito estimulante para a moral.”

 

 

PS – O livro Poder e Mudar, de Gustavo Cardoso, começa com o seguinte facto histórico: Na época da Grande Depressão, um sociólogo vai entrevistar um conjunto de pensadores europeus. Embora o mundo esteja à beira de uma guerra mundial e à beira da catástrofe, quase nenhum percebe que vive o momento antes do passo para o abismo.

 

Descontadas as necessárias diferenças, é bem possível que estejamos num momento de rutura e que precisemos de meditar.

 

Mais uma vez, e para que os flavienses não fiquem com a impressão, incorreta por certo, de que o acordo estabelecido entre o PSD de António Cabeleira e o vereador eleito em nome do MAI, não foi a derradeira tentativa para que a prometida, e devida, auditoria externa às contas da CMC não vingasse, aqui fica mais uma vez o nosso apelo ao senhor presidente da autarquia flaviense, e aos seus distintos vereadores, incluindo necessariamente João Neves e João Moutinho, para que, em nome da transparência e do bom nome da Câmara de Chaves, aprovem uma auditoria externa às contas da CMC.

 

Passaríamos todos, com certeza, a dormir um pouquinho mais tranquilos. 


publicado por João Madureira às 07:45
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (486): Dis...

. Em Paris

. Em Paris

. 472 - Pérolas e Diamantes...

. Feira dos Santos

. ST

. Na cozinha

. Poema Infinito (485): Sed...

. Olhares

. Vacas e balizas

. 471 - Pérolas e Diamantes...

. Em Amarante - Cultura que...

. Na feira

. No Porto

. Poema Infinito (484): Eco...

. Chega de bois em Boticas

. No Barroso

. 470 - Pérolas e Diamantes...

. Interiores

. Castelo de Montalegre

. No Barroso

. Poema Infinito (483): Ilu...

. No Barroso

. Na aldeia

. 469 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Noturno

. ST

. Poema Infinito (482): Res...

. No Barroso

. No Louvre

. 468 - Pérolas e Diamantes...

. AB

. VS3

. VS2

. Poema Infinito (481): Que...

. VS

. CL

. 467 - Pérolas e Diamantes...

. Pisões

. Misarela

. Olhares

. Poema Infinito (480): As ...

. Na Abobeleira

. Barroso

. 466 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Alturas d...

. Em Coimbra

. No Louvre

. Poema Infinito (479): Ao ...

.arquivos

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar