Segunda-feira, 19 de Janeiro de 2015

223 - Pérolas e diamantes: a barra de pirite

 

 

Gosto muito da parábola do rabino Ósia, contada por Isaac Babel, escritor russo que foi fuzilado secretamente pelo KGB em 1940. E relembro-a sempre com um misto de alegria e angústia existencial.

 

Ei-la.O rabino deu todos os seus pertences aos filhos, o coração à mulher, o medo a Deus, o tributo a César e, para si próprio, deixou apenas um lugar debaixo de uma oliveira onde o sol demorava a esconder-se.

 

Mas por cá a “parábola” é outra. Um ex-presidente da Câmara deixa a cadeira do poder, por imposição legal que o impossibilita de concorrer a um novo mandato, e logo de seguida vai ocupar o lugar de primeiro secretário da CIM do Alto Tâmega, tacho criado pelo ex-ministro Miguel Relvas para os boys do PSD, ou similares, que não enxergam poleiro vazio à sua altura.

 

Tal ideia, estamos em crer, aprendeu-a o ex-ministro Relvas, qual fervoroso adepto, na Universidade quando leu a opinião de T. S. Eliot acerca do budismo e da sua benevolência, pois passam a vida a tentar imaginar sistemas tão perfeitos, que ninguém terá de ser bom.

 

Estes 23 substitutos dos 17 antigos governadores civis possuem chofer à disposição, secretárias às suas ordens, muito boa remuneração e todo o tempo do mundo para inaugurar o pouco que por aí se vai construindo, assistir a reuniões que para nada servem e nada decidem, bocejar, passear de carro, sorrir, cumprimentar velhinhos e velhinhas, beijar meninos e meninas, receber e entregar medalhas, cortar fitas e descerrar lápides. 

 

Para os estimados leitores perceberem o custo de tamanho embuste, basta referir que dos 180 mil euros do orçamento da CIM do Alto Tâmega, cerca de 150 mil são gastos em remunerações com o pessoal, que é pouco, mas fidelíssimo ao Partido, sem o qual estariam a dar largas à sua resplandecente mediania.

 

Todos sabemos que estas pessoas estão imbuídas de efetivas convicções, pois desenvolveram durante todo o seu percurso político a habilidade do ziguezague.

 

Elas sabem que em Portugal ou se é político ou não se é nada. Então João Batista sabe-o melhor do que ninguém.

 

Já o seu substituto à frente do município é comoventemente incapaz de nos retirar do atoleiro da dívida que ajudou a criar com todo o empenho e denodo. Essa qualidade ninguém lha pode negar. Honra lhe seja feita.

 

Todos reconhecemos que a estrutura do nosso poder autárquico continua sem estrutura, mas agora de uma forma menos fútil.

 

António Cabeleira tem de fazer que acredita que a forma impulsiona o conteúdo. Por isso insiste em regressar atrás, pegar na velha fórmula, que caiu entretanto em desuso, e tentar fazer algo de novo com ela.

 

Não se apercebe que esse foi chão que já deu uvas. Faz lembrar a história daquele homem que conseguiu guardar uma barra de ouro, mas que afinal se revelou pirite.

 

O senhor presidente sabe que uma arma serve sempre o seu propósito independentemente de quem a dispara. Por isso é que, nas suas mais variadas intervenções públicas, repete várias vezes os slogans de campanha como se fossem música e depois repete a música sem eles, para que dessa forma a música nos traga à mente esse mesmo slogan.

 

Esse tipo de estratégia do uso da linguagem visa esconder o seu pensamento e sonegar todas as respostas importantes e diretas.

 

O uso da propaganda, todos o sabemos, pretende sempre esconder e iludir a realidade.

 

António Cabeleira tudo faz para que a história que nos conta, e nos pretende continuar a contar, sobre a sua gestão autárquica, se assemelhe a um conto de fadas, mas nós pressentimos que as suas linhas condutoras a aproximarão da tragédia. Oxalá nos enganemos. Para bem de todos.

 

 

PS - Para que o exercício do poder democrático e a respetiva transparência das contas públicas não se transformem em duas forças antagónicas, mais uma vez renovamos o nosso apelo para que o senhor presidente da Câmara, mais os seus distintos vereadores, aprovem uma auditoria às contas do nosso município, pois à mulher de César não lhe basta ser séria, tem de parecê-lo. E quem não deve não teme.

 

PS 2 – E, também em nome da transparência, já agora senhor presidente, talvez fosse boa ideia aprovar conjuntamente uma auditoria externa às contas da JF de Santa Maria Maior, da qual foi insigne presidente, até 2013, o risonho vereador João Neves (ex-MAI e atualmente do PSD), pois quem não deve não teme; certos de que aquele que tão insistentemente reivindicou, durante toda a campanha eleitoral, uma auditoria às contas da CMC, com toda a certeza verá com bons olhos e até enaltecerá fervorosamente, uma auditoria realizada às contas do seu íntegro mandato.


publicado por João Madureira às 07:15
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Agosto 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

15

22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Barroso

. Loivos

. 456 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (469): O l...

. No Barroso

. No Barroso

. 455 - Pérolas e Diamantes...

. O cabrito

. No Couto de Dornelas

. ST

. Poema Infinito (468): Voo...

. No Louvre

. O anjinho

. 454 - Pérolas e Diamantes...

. Gente bonita em Chaves

. Luís em Santiago

. No Louvre

. Poema Infinito (467): A a...

. Louvre

. Em Paris

. 453 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. Sorriso

. No Barroso

. Poema Infinito (466): Sem...

. Interiores

. No Barroso

. 452 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. São Sebastião - Couto Dor...

. No Barroso

. Poema Infinito (465): Dor

. No Barroso

. Misarela

. 451 - Pérolas e Diamantes...

. Feira dos santos

. Na feira

. O pastor

. Poema Infinito (464): A á...

. O homem da concertina

. Notre-Dame de Paris

. 450 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. Em Lisboa

. Em Lisboa

. Poema Infinito (463): Fix...

. Em Paris

.arquivos

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar