Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

TerçOLHO

Este é um espaço dedicado às imagens e às tensões textuais. O resto é pura neurastenia.

TerçOLHO

Este é um espaço dedicado às imagens e às tensões textuais. O resto é pura neurastenia.

22
Jun15

245 - Pérolas e diamantes: o pasteleiro de Massamá

João Madureira

 

 

Passos Coelho, como eficaz político medíocre, resolveu encomendar a uma funcionária do PSD um arremedo de biografia. 

 

Mas quem é, afinal, Passos Coelho? O que pensa sobre o futuro do país? 

 

Que eu saiba, nada de consistente e fundamentado. 

 

Que eu me lembre, na sua história recente, que é a que verdadeiramente interessa, pois a outra é tão insignificante que até dói, nos anos que antecederam a sua vitória nas eleições legislativas, foi liberal relativamente à revisão constitucional e um acérrimo defensor do Estado nos congressos do seu partido.

 

Evoluiu, em apenas ano e meio, do combate à austeridade e aos seus efeitos recessivos, para o combate ao aumento dos impostos e para a defesa com unhas e dentes da TSU.

 

Ou seja, tudo e o seu contrário. Agora é um “refundador do ajustamento”, da troika em versão ligth.

 

Quer tornar definitivos os despedimentos na função publica, reduzir significativamente as prestações sociais, cortar na educação, na saúde, nas forças armadas e nas forças de segurança. 

 

Um futuro com Passos Coelho passa inevitavelmente pelos sistémicos pacotes de austeridade, sobretudo sobre a função pública, o “inimigo permanente” do país. 

 

A não ser que o PS se deixe levar no canto de sereia da “boa” revisão constitucional defendida pelo PSD/CDS, Passos Coelho vai tentar ludibriar a Constituição Portuguesa através de “pequenos golpes de estado” assertivos, transformando Portugal num país, por um lado, de pelintras, pobres e desajeitados e pelo outro de ricos, papões e demais aves de rapina. 

 

Com Passos Coelho e Paulo Portas, a classe média lusa deixará pura e simplesmente de existir. 

 

Convém não esquecer que a sua chegada ao poder foi antecedida de um “pequeno golpe de estado constitucional”, que começou com o chumbo do PEC IV, através de uma conspiração de Cavaco Silva, o voto contra de Passos Coelho e com a “pequena” traição de Teixeira dos Santos (que teve até direito a uma medalha no 10 de Junho –  está visto que Roma paga aos traidores), o que levou à entrada da troika e à derrota clamorosa de José Sócrates.

 

Convém ainda não esquecer que Passos Coelho é o chefe de um governo com sucessivas previsões erradas, demonstrando uma ignorância atávica do país, patenteando uma incompetência generalizada, muitas das vezes governando em cima do joelho, avançando e recuando, revelando uma notória incompetência em aprender com os erros e, sobretudo, a arrogância face ao sofrimento dos portugueses e à destruição sistemática do tecido social e económico do país, em nome de uma “refundação da pátria”.

 

Sobre o livro de PPC, Pulido Valente definiu o PM de “diletante”, acusando-o de não se preparar para o seu trabalho, reincidindo num “amadorismo destrutivo e patético, no comentário néscio e numa biografia (Santo Deus!) que envergonha as pedras.”

 

Pacheco Pereira considera o livro de Sofia Aureliano “de uma vacuidade geral e de um terrível mau gosto”.

 

Rui Carvalho Martins, também no Público, diz acreditar “que o mau gosto é intencional”.

 

Mas a revelação que mais me tocou foi a de que em Massamá, lá em Lisboa, vive um primeiro-ministro que confeciona, com as próprias mãos, os papos-de-anjo no Natal e estende a roupa e a guarda.

 

Alguma coisa melhorou na Europa, e em Portugal, fruto da política neoliberal: as drogas estão mais puras.

 

Para não me acusarem de efabulador ou consumidor de substâncias ilícitas, transcrevo diretamente do Público parte do relatório do Observatório Europeu das Drogas e da Toxicodependência: “A cannabis nunca foi tão potente, a heroína nunca foi tão pura, o ecstasy nunca teve tanta MDMA.”

 

Bem vistas as coisas, Rui Carvalho Martins tem razão. Afinal vivemos num momento político “ em que verdade e mentira deixaram de ser opostas”.

 

PS – Tchékhov dizia que “a arrogância é uma qualidade que fica bem aos perus” (ou talvez aos pavões que são aves de cauda mais vistosa). Por isso, mais uma vez solicitamos ao senhor presidente da CMC e aos seus distintos vereadores, que aprovem uma auditoria independente às contas da nossa autarquia. Quem não deve não teme.

 

PS 2 – Em nome da transparência, já agora senhor presidente, talvez fosse boa ideia aprovar conjuntamente uma auditoria externa às contas da JF de Santa Maria Maior.

 

PS 3 – Era um ato de coragem redentora, o senhor presidente deixar-se de desculpas de mau pagador e pôr fim ao deplorável espetáculo dos esgotos a céu aberto em Vale de Salgueiro – Outeiro Seco.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

blog-logo

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

A Li(n)gar