Segunda-feira, 10 de Agosto de 2015

251 - Pérolas e diamantes: os substitutos de Deus

 

 

 

A leitura do livro Os Ricos, de John Kampfner, é no mínimo enriquecedora. Nele tenta-se explicar de alguma forma como é que as pessoas se tornam ricas. Como todos sabemos, fazem-no por meios honestos e desonestos, através do empreendedorismo, da apropriação de bens e também por herança. São eles que fazem e manipulam os mercados, combatendo e derrotando a concorrência, ou mesmo eliminando-a. Quando já se encontram lá no alto da pirâmide, obtêm ainda mais influência no seio da liderança política, aliando-se, ou corrompendo, as elites culturais e sociais.

 

Depois começam a comparar-se entre si, o que quase sempre os leva a que se sintam insatisfeitos com o muito que possuem, passando a acreditar que ainda não são suficientemente ricos ou poderosos.

 

Quando obrigados, retribuem ao Estado o mínimo de impostos que conseguem pagar sem serem apanhados.

 

Cada rico reforça as convicções profundas dos outros ricos, convencendo-se de que pelo facto de terem obtido riqueza, e de gastarem alguma parte dela em obras de caridade, isso os alivia de se sentirem culpados e de ocuparem o lugar que lhes é devido no topo da lista dos caridosos, ou nos grupos de influência mundial que tomam as decisões e por isso são moralmente superiores.

 

John Kampfner conta a determinada altura que Lloyd Blanfkein, o presidente e diretor-executivo da Goldman Sachs, falou em nome de muitos membros deste grupo quando fez o célebre comentário sarcástico de que estava a “fazer o trabalho de Deus”.

 

O autor conta-nos que os ricos, na sua maioria, “são compulsivamente competitivos – a ganhar dinheiro e a gastá-lo”.

 

À fase de deslumbramento e de aquisição de riqueza, segue-se a da ostentação. A opulência atualmente manifesta-se de forma diferente do passado, mas a base psicológica é a mesma. Os escravos, as barregãs, o ouro e os castelos da Antiguidade e da Idade Média foram substituídos pelos jatos particulares, pela compra de ilhas paradisíacas e pela aquisição de clubes de futebol.

 

Os mais tímidos ficam-se por aqui. Fogem das luzes da ribalta, escondem-se atrás das elevadas muralhas das suas mansões, entregando-se, em ameno convívio com os seus séquitos de amigos e parasitas, ao usufruto do luxo circunspecto.

 

Kampfner , relata, com sentida ironia, que “numa fase precoce, intervêm as leis da gravidade. Quanto mais rico se é, mas rico se fica. Do mesmo modo que, quanto mais pobre se é, mais fácil é cair ainda mais baixo”.

 

Os entendidos na matéria dizem que a tarefa mais difícil é ganhar os primeiros 10 milhões. A partir daí, “os regimes fiscais benévolos, os advogados e os reguladores farão o resto por si. Os melhores cérebros vão sempre atrás do dinheiro e, por isso, os reguladores que ganham uma fração dos seus salários não são adversários à altura. Os plutocratas exortam o Estado a deixá-los em paz mas, quando as coisas se tornam difíceis, o Estado é invariavelmente o seu melhor amigo, resgatando bancos e outras instituições consideradas «demasiado grandes para falirem». Os lucros são privatizados, as dívidas socializadas.

 

Joseph Stiglitz, o célebre economista americano, tem razão quando afirma que a maior parte da desigualdade atual resulta da “manipulação do sistema financeiro, tornada possível pela alteração das regras que foram compradas e pagas pela própria indústria financeira – um dos melhores investimentos de sempre.”

 

Mas será que está tudo perdido? O autor é suficientemente sarcástico a responder: “Inúmeras figuras do mundo da banca regressaram como assessores de Presidentes e primeiros-ministros. Quanto à opinião pública, a História sugere que também ela amansará à medida que as economias recuperarem e as recordações se esfumarem. Independentemente do delito, os ricos costumam conseguir garantir a reabilitação… se se dedicarem a isso com afinco suficiente.”

 

Numa interessante entrevista à LER, José Matoso pôs o dedo na ferida: “O nosso tempo foi sempre escravo da economia. Em países onde se percebeu que a racionalidade era mais eficaz do que a ideologia, a religião ou a magia, e onde, por isso, a sociedade se organizou a partir da técnica, a economia pôde, até certo ponto, respeitar e proteger a cultura. São as nações civilizadas do nosso tempo. Mas o que liberta a sociedade da economia não é a racionalidade nem a técnica, mas o amor, todas as artes, a compaixão pelos que sofrem, a solidariedade, o diálogo, a conjugação das diferenças.”

 

Tal como o historiador, também eu não sei, nem ninguém sabe, como será o dia de amanhã. No entanto todos temos a esperança que não seja tão mau como se teme.

 

“Há mal que vi debaixo do Sol, e atrai enfermidades: as riquezas que os seus donos guardam, para seu próprio dano.” (Livro do Eclesiastes, 5, 13)


publicado por João Madureira às 07:15
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9

19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (453): A n...

. No Barroso

. No Barroso

. 438 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. Na aldeia

. São Sebastião - Couto Dor...

. Poema Infinito (452): Hes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. No Couto de Dornelas

. 437 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (451): Os ...

. No Barroso

. No Barroso

. 436 - Pérolas e Diamantes...

. Na Feira

. Na aldeia

. Olhares

. Poema Infinito (450): O d...

. Vaca atenciosa

. BB

. 435 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. ST

. ST

. Poema Infinito (449): Inc...

. ST

. Na aldeia

. 434 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Mulheres

. Na aldeia

. Poema Infinito (448): O g...

. Na aldeia

. Na conversa

. 433 - Pérolas e Diamantes...

. No elevador do CCB

. Em Paris

. Em Paris

. Poema Infinito (447): Des...

. Em Paris

. Em Paris

. 432 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. ST

. Perfil

. Poema Infinito (446): O p...

.arquivos

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar