Segunda-feira, 14 de Setembro de 2015

256 - Pérolas e diamantes: a velha guarda

 

 

A grande consequência do poder dos partidos da velha guarda e dos vícios ancestrais (PSD/CDS/PS) é que deram azo a abusos tornando definitivo aquilo que devia ser transitório.

 

Desde logo a corrupção, instalada tanto dentro dos partidos como disseminada entre os ilustres militantes que se instalaram nos governos. E ainda a politização de tudo o que cheira a nomeações e a mediocridade da maioria dos políticos realizada, e definida por Joaquim Jorge, fundador do Clube dos Pensadores, “através do princípio da cooptação dos que fazem carreira nos partidos políticos ditos tradicionais. O princípio de seleção adversa a quem é brilhante e pode fazer sombra aos líderes e desapossá-los dos seus lugares”.

 

Por exemplo, a grande ideia de António Costa para o futuro governo consiste, segundo o DN, em criar pelo menos dois novos ministérios – o da Cultura e do Mar e Assuntos Europeus – e um superministro, com os poderes reforçados de coordenação.

 

O líder do PS prometeu também, de forma sibilina, disfarçada de medidas conducentes a esse fim, a criação de 207 mil empregos. Não de 200 mil, ou de 210 mil, mas rigorosamente de 207 mil, para aparentar um ar de seriedade. Só que não apresentou os cálculos.

 

Agora que estamos em campanha eleitoral, os políticos tradicionais ufanam-se no desenvolvimento da denominada “manobra da inocência”. Fazem lembrar os burgueses catalães endinheirados, descritos por George Orwell na sua obra Homage to Catalonia, que durante a guerra civil espanhola vestiam roupa grosseira da classe operária ou fatos-macacos azuis, para passarem despercebidos e não sofrerem as agruras dos tempos revolucionários.

 

De certa maneira, como transmontano sinto-me um pouco como os nacionalistas catalães. E por isso os admiro e aprecio o seu amor pela sua língua. Eu aclaro: na Catalunha, os poetas tinham a primazia em relação aos políticos. Isso explica por que motivo a língua e a cultura – e não a bala ou a bomba – são as armas de eleição do catalanismo.

 

Estou em crer que os bons políticos são raros, como os provadores de vinho que são capazes de determinar a sua fluidez e consistência só de inclinar o copo e deixá-lo repousar. Se se agarra ao vidro é um vinho ligeiro, se escorre como uma lágrima, devagar, é um vinho consistente…

 

Já os maus, que são os que parecem bons nas campanhas eleitorais, e que falam sem gaguejar ou hesitar, ou sem pensar sequer, trazem-me à memória as Conversas Familiares de Erasmo de Roterdão (1518), que penso ser o seu catecismo de boa educação, onde se afirma: “É sinal de boa educação cumprimentar todos os que encontramos no nosso caminho; tanto os que vêm ter connosco, como aqueles a quem dirigimos a palavra. Independentemente do que estiverem a fazer seja comer, ou a bocejar, ou a soluçar, ou a espirrar, ou a tossir. É obrigação de um homem bem-educado em extremo cumprimentar mesmo quem estiver a arrotar, ou a peidar. Mas já é má educação saudar quem estiver a urinar, ou a aliviar a natureza.”

 

Aí estão os fantasmas da troika (PSD/CDS/PS) a adejar, a sorrir e a pedir-nos o voto, sem um pingo de vergonha na cara. Parece que o tempo para de 4 em 4 anos. Os mesmos de sempre prometem-nos que desta vez é que é. Mas onde já se viu mudança onde não se encontram os atores que a possam fazer?

 

Portugal, após quatro décadas de poder aparentemente democrático, exercido em alternância pelo PSD e pelo PS, com o CDS algumas vezes a servir de muleta, fez de Portugal um país de velhos, sobretudo o interior. Os mais novos foram-se embora. Ou para Lisboa, ou para a Europa, ou para Angola. Os que teimam em ficar ou andam por aí em trabalhos de circunstância ou estão desempregados.

 

Por aqui não existe atividade económica, a não ser cafés, restaurantes, cabeleireiras, mercearias, lojas de circunstância e uma que outra pequena empresa de construção civil. As casas novas estão à venda mas não se vendem. As velhas desmoronam-se e ninguém lhes deita uma mão. Não há dinheiro disponível para a sua reconstrução. Agricultura nem vê-la. E fábricas nem uma que valha a pena ser mencionada. Quem é que abre aqui um negócio?

 

Fecharam escolas, fecharam serviços de saúde, fecharam tribunais e extinguiram freguesias. Fecharam o nosso futuro numa mala de viagem. Dizem que pouparam algum dinheiro. Duvido. Mas a qualidade dos serviços deteriorou-se de forma acentuada. Andou-se para trás.

 

O comendador de Madrid do século XIX, Mariano José de Larra, escreveu que “o galego é um animal muito semelhante ao homem, inventado para aliviar o burro”. Se substituirmos o “galego” pelo “transmontano”, estou em crer que não andaremos longe da verdade.

 

Portugal é uma espécie de metáfora, sugerindo uma estrada cheia de curvas, onde os membros do governo ultrapassam nos seus potentes carros os tratores guiados pelos presidentes de câmara que, por sua vez, ultrapassam as carroças em que o povo se desloca.

 

E tem esta gente a lata de nos pedir o voto!


publicado por João Madureira às 07:15
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Maio 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

13

23
24
25

26
27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Semana Santa - Barroso

. Na conversa

. 443 - Pérolas e Diamantes...

. Em Torgueda

. Ao portão com um sorriso

. Quaresma

. Poema Infinito (456): O v...

. Cozinha Barrosã

. Pastor

. 442 - Pérolas e Diamantes...

. No túnel

. No miradouro

. Na cozinha

. No forno

. No monte

. 441 - Pérolas e Diamantes...

. Na Abobeleira

. Na aldeia

. No Barroso

. Poema Infinito (455): O â...

. Na aldeia

. No Barroso

. 440 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. Na aldeia

. No Barroso

. Poema Infinito (454): O f...

. No Barroso

. No Barroso

. 439 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. ...

. No Barroso

. Poema Infinito (453): A n...

. No Barroso

. No Barroso

. 438 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. Na aldeia

. São Sebastião - Couto Dor...

. Poema Infinito (452): Hes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. No Couto de Dornelas

. 437 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (451): Os ...

. No Barroso

. No Barroso

.arquivos

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar