Segunda-feira, 13 de Junho de 2016

325 - Pérolas e diamantes: da política ao desperdício ou o desperdício da política

 

 

Foi interessante de ler a entrevista de Durão Barroso ao Expresso. Ele que passou mais de trinta anos ligado à política acaba por confessar que aquilo de que verdadeiramente mais gosta não é da política. A política foi um acidente de que não se arrepende mas que quer olhar com alguma distância.

 

Foi para a política por causa dos debates. Mesmo sem ninguém lhe perguntar, o ex-presidente da Comissão Europeia respondeu que aquilo de que gosta mais não é da política mas da arte, da literatura, do teatro, da música e das artes plásticas. Isso sim é que lhe dá uma grande satisfação. Quem diria?

 

A política fá-la porque às vezes não lhe resiste. E isso já vem dos tempos da juventude, quando militante do MRPP contestava tudo e todos. Depois começou a escalar as prioridades e acabou no PSD. Ele sabe o que os políticos passam e aquilo que valem. Com a escola que tem nenhum de nós duvida.

 

Ele que foi secretário de Estado, ministro, primeiro-ministro e presidente da Comissão Europeia sabe muito bem daquilo que fala. Todos nós acreditamos que sim.

 

Está perfeitamente consciente das agruras da política. E da espuma dos dias. E do pó que o tempo lança sobre tudo. Aquilo que fica é Shakespeare, Camões, Cervantes, Montaigne ou Dante.

 

Os políticos podem ser importantes – os que o são, claro está –, mas ao fim e ao cabo a política é instrumental. 

 

Na sua perspetiva, a política deve evitar o sofrimento dispensável, deve criar as melhores condições, mas aquilo que verdadeiramente nos realiza é a ciência, o conhecimento e a cultura geral.

 

Por vezes parecemos ratos enjaulados dentro da nossa própria liberdade.

 

Importante é sabermos de onde somos e para onde vamos.

 

O problema é definirmos a nossa zona, digo eu. O Centro do país não, porque somos do norte. O Litoral também não, porque detestamos a areia, a água salgada e os escaldões. O Interior é pedregoso, a planície alentejana abrasa, dá-nos cabo dos nervos e o branco cega-nos. Um pouco de luz dá algum jeito, mas os ventos fustigam-nos o poder de decisão. No Minho chove muito e o vinho é verde. A Estremadura tem muita terra calcinada, faz-nos lembrar La Mancha, a terra de D. Quixote. No Ribatejo os toiros bravos (ei toiro lindo?) andam à solta e as rãs não param de coaxar.

 

Olhamos para o mapa e não nos conseguimos decidir: aqui chove, ali neva, acolá queima, além sofre-se com o trânsito. Aqui lembramo-nos de tudo, ali pasmamos com o carnaval, acolá, bem acolá, acolá…

 

O melhor é mesmo viver numa cidade onde o rio passa ao meio, cruzado por uma ponte milenar, onde podemos ouvir o som marulhado das águas do Tâmega, onde podemos apreciar a mistura das cores do poente, onde a água quente rompe do chão aos borbotões, onde as pedras retalhadas guardam memórias em silêncio, onde nas ruas tortuosas ainda passam almas boas, onde as conversas ainda têm o sabor a amizade, onde muitas casas são emolduradas por lindas varandas, onde as memórias são cozidas em lume brando, onde a cor da água se mistura com as lendas e dá origem a fontes misteriosas, onde os silêncios mais profundos são invisíveis, onde as ruas se cruzam e desembocam numa fronteira interior, onde se chora recordando a morte dos heróis, onde os rostos dos mais velhos estão calejados por sulcos de sangue, suor e lágrimas, onde até as rochas são rugosas e os mais dedicados dos seus filhos perseguem eternamente a pedra de Sísifo, onde as casas enlouquecem porque vão perdendo a memória, onde muitos dos dias são deitados fora como se fossem boletins do totoloto não premiados.

 

Onde agora nos apetece escrever com giz nas paredes como antigamente o fazíamos nos quadros ou com o ponteiro de ardósia nas lousas da escola.

 

E onde as resmas de folhas escritas se vão amontoando pensando nós em reciclá-las para não parecer mal tanto desperdício.


publicado por João Madureira às 07:15
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9

19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (453): A n...

. No Barroso

. No Barroso

. 438 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. Na aldeia

. São Sebastião - Couto Dor...

. Poema Infinito (452): Hes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. No Couto de Dornelas

. 437 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (451): Os ...

. No Barroso

. No Barroso

. 436 - Pérolas e Diamantes...

. Na Feira

. Na aldeia

. Olhares

. Poema Infinito (450): O d...

. Vaca atenciosa

. BB

. 435 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. ST

. ST

. Poema Infinito (449): Inc...

. ST

. Na aldeia

. 434 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Mulheres

. Na aldeia

. Poema Infinito (448): O g...

. Na aldeia

. Na conversa

. 433 - Pérolas e Diamantes...

. No elevador do CCB

. Em Paris

. Em Paris

. Poema Infinito (447): Des...

. Em Paris

. Em Paris

. 432 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. ST

. Perfil

. Poema Infinito (446): O p...

.arquivos

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar