Segunda-feira, 6 de Fevereiro de 2017

327 - Pérolas e diamantes: esquerda, direita, em frente marche (II)

 

 

 

Foi nos anos 80 e 90 que se assistiu a uma recuperação da onomástica tradicional, fenómeno que se alastrou a outras camadas socioeconómicas.

 

Em 2015 circulou no Facebook um texto intitulado «Devolvam o nome aos “betos!!!”». À primeira vista satírico, o apelo em defesa do classicismo dos nomes próprios insurge-se contra a denominada democratização a que os nomes de elite foram sujeitos, perdendo, dessa forma, os atributos distintivos.

 

Afinal parece que existe luta de classes na hora de escolher o nome dos filhos. A esquerda democratizou e banalizou a onomástica e a direita volta agora a apostar nos traços distintivos dos nomes de família com pedigree.

 

Aliás, convém não esquecer que num país dito sociologicamente de esquerda, num programa da RTP de 2007, Salazar foi escolhido pelos telespectadores, em votação democrática e muito participada, como “o maior português da História”.

 

É bem verdade que se pode dizer, como alguém o fez, que se pode tirar o homem da província, mas não a província do homem. Dentro de nós mora um salazarzinho acomodado e irónico que invocamos quando nos dá jeito. Otelo, o máximo capitão de Abril, chegou a desabafar que “precisamos de um homem honesto e inteligente como Salazar”.

 

Foi através do Independente e da Kapa que me apercebi que a direita urbana e sofisticada reivindicava para si um corpus de referências que também era meu: a banda desenhada de Corto Maltese, de Hugo Pratt; as obras de ficção científica de Phillip K. Dick, de onde surge um dos melhores filmes de sempre: Blade Runner; e as distopias pós-apocalípticas de Frank Herbert, autor de Dune, que também deu origem ao filme com o mesmo nome, onde participa como ator convidado Sting; ou a música de inspiração céltica, hoje tão em voga.

 

António Araújo, no seu livro Da Direita à Esquerda, lembra-nos que nos anos 80 a direita portuguesa, urbana e sofisticada, entra na movida lisboeta em convívio aberto com a esquerda, convergindo nos espaços de moda, na noite e no hedonismo de uma visão libertária em matéria de costumes.

 

Era uma “direita que era de esquerda”. Tal atitude foi um grande contributo para combater algo extremamente enraizado nos portugueses: a fronteira que separa a esquerda da direita, o tal esquema dicotómico maniqueísta que, bem vistas as coisas, costuma dar sempre a prevalência à esquerda. 

 

Com a esquerda urbana a virar à direita, o catolicismo, predominantemente conservador, também fez o seu aggiornamento à esquerda, ou seja, tenta ser neutro. José Tolentino Mendonça, um dos nomes mais representativos de uma vivência do catolicismo despojada de conotações político-ideológicas vincadas, põe-se a poetizar como um leigo.  E fá-lo com qualidade.

 

Aliás, a subversão desta dicotomia tem mesmo ocorrido ao mais alto nível da Igreja. Podemos mesmo perguntar: o Papa Francisco é de direita ou de esquerda?

 

Agora proliferam por aí os livros de análise e diagnóstico sobre a crise, com um cardápio sobre a bula terapêutica que nos prometem a cura, “como tirar Portugal da crise” (João Ferreira do Amaral), ou “resgatar o País” (José Gomes Ferreira). Todos eles com a fotografia dos autores na capa, conferindo a si próprios o estatuto de “intelectuais públicos”, estando nós em crer que serão mais públicos do que intelectuais.

 

Com a puta da crise ressurgiram com todo o esplendor as associações de apoio social e de voluntariado. Isabel Jonet, católica assumida, é a sua cara mais mediática. Todos nos lembramos das suas declarações como presidente do Banco Alimentar Contra a Fome: “Se não temos dinheiro para comer bifes todos os dias, não podemos comer bifes todos os dias”.

 

O Movimento Sem Emprego respondeu-lhe, a dado passo, numa carta: “A sua influência aumenta na proporção da miséria que nos vai impondo” e “sabemos que é rica e privilegiada e nunca falou de fome com a boca vazia”. 

 

Nós não vamos tão longe. Estamos em crer que algumas vezes o fez, nomeadamente quando mastigou os tenros bifes de vaca dessa zona.

 

Fora o juízo dicotómico da polémica, uma coisa sabemos: há muita gente que vive da fome e da desgraça dos outros, tanto física como espiritualmente.

 

A investigadora Raquel Varela afirmou que a cruzada de Isabel Jonet lembrava as campanhas do Movimento Nacional Feminino.

 

Numa carta que dirigiu à senhora presidente Jonet dizia, entre outras verdades: “As tropas de famintos são uma mina de ouro para as instituições que vivem à sombra do Estado a gerir a caridade”, pois a “caridade usa a fome como arma política”.


publicado por João Madureira às 07:15
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Na Póvoa de Varzim

. Em Paris

. 460 - Pérolas e Diamantes...

. Póvoa de Varzim

. Póvoa de Varzim

. Bragança

. Poema Infinito (473): Dis...

. Porto

. Paris

. 459 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Farinha de milho

. Fato

. Poema Infinito (472): O a...

. Na aldeia

. Sorrisos

. 458 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. No elevador

. S. Lourenço

. Poema Infinito (471): O s...

. No Louvre

. No Louvre

. 457 - Pérolas e Diamantes...

. Chaves

. Barroso

. Barroso

. Poema Infinito (470): Do ...

. Barroso

. Loivos

. 456 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (469): O l...

. No Barroso

. No Barroso

. 455 - Pérolas e Diamantes...

. O cabrito

. No Couto de Dornelas

. ST

. Poema Infinito (468): Voo...

. No Louvre

. O anjinho

. 454 - Pérolas e Diamantes...

. Gente bonita em Chaves

. Luís em Santiago

. No Louvre

. Poema Infinito (467): A a...

. Louvre

.arquivos

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar