Segunda-feira, 30 de Abril de 2018

390 - Pérolas e Diamantes: A verdade intermitente e a mentira profunda

 

 

 

O amargurado, bilioso e sempre crítico empresário do setor farmacêutico, Pedro Ferraz da Costa, antigo líder da CIP, deu uma entrevista ao jornal I para falar mal do nosso país, dos nossos governantes e, sobretudo, dos nossos trabalhadores.

 

Enquanto lia a entrevista, não sei bem por que razão, veio-me à ideia a célebre quadra do poeta popular António Aleixo: Para a mentira ser segura / E atingir profundidade / Tem de trazer à mistura / Qualquer coisa de verdade.

 

Como a economia, contra todas as suas previsões, está a crescer 2,7 % ao ano, Ferraz da Costa considera que poderíamos estar a crescer acima dos 4%, se quiséssemos. Na sua perspetiva não crescemos “porque os objetivos governamentais são esses”, não crescer. Além disso, este doutorado em reacionarismo empresarial considera que “Portugal nunca teve o crescimento económico como o seu principal objetivo”.

 

Depois enunciou algumas evidências, a tal verdade intermitente: A necessidade de criação de possibilidades e de crescimento profissional para os mais jovens, até porque “hoje vive-se mais anos e qualquer dia trabalha-se até aos 80 anos”. As empresas, talvez as suas, não sabemos, “são quase lares de terceira idade”. Será que a CIP e os seus empresários não terão a maior parte da culpa?

 

Uma das causas, como não podia deixar de ser, está relacionada com a carga fiscal. E deu um exemplo: “Nos Estados Unidos, uma empresa que investe não paga praticamente impostos.” Ora pois, aqui está o busílis da questão: as empresas pagarem impostos.

 

Apesar da ainda grande percentagem de desempregados, Ferraz da Costa considera que não há falta de mão de obra em muitos setores, há bastante tempo. Será que vivemos no mesmo país?

 

Logo após proferir o dislate, passou à verborreia: “Qualquer empresa que queira contratar pessoas não consegue. E essa dificuldade é sentida tanto na agricultura, como no turismo, indústria e serviços. É por toda a parte. Nós temos aqui algumas áreas na nossa atividade (farmacêutica) onde não crescemos mais porque não encontramos pessoas.”

 

Até aqui ainda vá que não vá, mas o remate é que é surpreendente. Pergunta: “Mas porque não têm qualificação necessária?” Resposta: “Porque não querem trabalhar.”

 

Questionam-no então sobre se será necessário fazer uma reforma profunda, nomeadamente no ensino? Ele responde: “Mas o país não faz isso nem coisa nenhuma. Por falta de estratégia e também porque ninguém quer chatear ninguém.”

 

A resposta paradigmática sobre o seu pensamento resultou da pergunta sobre a grande precaridade que existe no emprego em Portugal. Na sua inspirada perspetiva, “se não houver muita procura, a precaridade não conta porque as pessoas saem de um sítio e vão para outro. Além disso, é uma questão que não preocupa as novas gerações. Eles não querem um emprego para a vida”.

 

Não sabemos o que é que o leva a ser tão perentório na sua resposta. Quem é que não aspira a ter um emprego fixo e permanente?

 

Claro, depois socorre-se da caricatura para desancar a formação de adultos. “Tenho uma atividade agrícola até com alguma dimensão e tive dois tratoristas que foram por obrigação tirar um curso. Quando lhes perguntei como correu, responderam que tinha corrido bem e que nem sequer tiveram tratores durante a formação. Foi tudo dado na sala de aula.”

 

O perigoso e insultante não está verdadeiramente nas suas palavras, mas sim na ideologia que se esconde por detrás delas. Nada no seu pensamento é inocente. Nada.

 

Ora reparem: “Nos EUA, apesar do folclore em torno de Donald Trump, a economia está ótima.” Diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és.

 

Além disso, é contra o aumento do salário mínimo. E por duas razões: A diferenciação salarial, na sua opinião, tem “um efeito de estímulo à qualificação profissional das pessoas”.  E também porque quando “começamos a ter o salário mínimo muito perto do salário médio reduz-se fortemente esse estímulo para os que já estão empregados como também para os que vão entrar em idade ativa”. 

 

Se calhar, senhor Ferraz, o problema não está no salário mínimo, que é muito pequeno. Está, sobretudo, no salário médio que é miserável para um país que se afirma europeu.

 

Lá para o fim fez o que tanto gosta, deu umas caneladas valentes nas tíbias dos sindicatos, sobretudo na CGTP.

 

“Os sindicatos atuam muito por chantagem: ou fazem as coisas como nós queremos ou então fazemos greve.”

 

Traz também a geringonça atravessada na garganta, pois admite que “foi mau para o país encontrar uma solução política deste género”. Mas, como uma vidente vingativa, profetiza que “o governo não vai conseguir terminar o mandato e será obrigado a convocar eleições antecipadas.”


publicado por João Madureira às 07:15
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Outubro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9


24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Na Póvoa de Varzim

. 414 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. O cavaleiro

. ST

. Poema Infinito (427): O d...

. Olhares

. Olhares

. 413 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. ST

. Músicos

. Poema Infinito (426): O t...

. ST

. O Ferreiro

. 412 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (425): A h...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 411 - Pérolas e Diamantes...

. No jardim

. No elevador

. No museu

. Poema Infinito (424): A r...

. AR

. No museu

. 410 - Pérolas e Diamantes...

. Interiores

. Interiores

. Interiores

. Poema Infinito (423): O p...

. Interiores

. Interiores

. 409 - Pérolas e Diamantes...

. No Porto

. Passadeira de flores

. Passadeira de flores

. Poema Infinito (422): O v...

. Passadeira de flores

. Na igreja

. 408 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. No Barroso

. Sorriso

. Poema Infinito (421): O d...

. No Barroso

. Sorriso

.arquivos

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar