Segunda-feira, 7 de Maio de 2018

391 - Pérolas e Diamantes: A falácia da corrupção dos políticos e banqueiros ou é tudo boa gente...

 

 

Os militantes dos partidos, sobretudo os do PSD e do PS, são gente muito crédula, talvez por isso tenham preenchido a ficha de adesão pensando que assim iam mudar as freguesias, os concelhos e o país, porque para mudar o mundo lá estão os revolucionários do PCP e do BE. E para reformar o céu existe a Assunção Cristas e os benzidos do CDS.

 

Também as crianças creem no Pai Natal, com o desfecho que todos conhecemos: em dezembro todas recebem, pelo menos, um brinquedo.

 

Também eu me fiei nas duas epifanias com os resultados que são públicos.

 

Só os ingénuos é que acreditam que a corrupção existe no nosso país.

 

Todos sabemos que os tribunais continuam a perder tempo e dinheiro a julgar portugueses suspeitos de corrupção perante a passividade de todos, sobretudo dos militantes e simpatizantes dos partidos do sistema. 

 

O escândalo não está na corrupção, mas sim naquilo que ocorre nos tribunais, pois continuam a insistir na tentativa de encontrar um português corrupto, até porque é mais do que evidente que não existe um único que seja.

 

Os pouquíssimos condenados, foram-no por pequenos equívocos ou por grandes enganos. Um deles esqueceu-se de declarar às Finanças o valor dos robalinhos enfiados num cesto rústico com que foi agraciado por contribuir para o combate à poluição do alumínio e do ferro-velho. O outro não se lembrou de declarar o dinheiro que tinha na Suíça e que lhe servia para pagar os charutos que fumava enquanto pensava e exercia o poder. Conseguindo até fazer as duas coisas ao mesmo tempo.

 

O dos havanos chegou mesmo a ser visitado, no seu retiro prisional e espiritual, por um ex-presidente da República que lhe manifestou a sua solidariedade e proclamou aos sete ventos a sua inocência.

 

E tanto assim é que o povo voltou a elegê-lo com uma votação expressiva. O crime, afinal, pelo menos em Portugal, não compensa.

 

O que não sabemos é quando este clima de suspeição sobre os políticos vai acabar. As mentiras são mais que muitas. Até o “Expresso”, uma espécie de “Correio da Manhã” semanal, se deixou instrumentalizar na divulgação de notícias falaciosas.

 

Só pode ser pura paranoia noticiar que o Ministério Público investiga 11 anos de contas bancárias de Manuel Pinho (ex-ministro de José Sócrates, esse paladino da amizade, já que ninguém conhece no mundo uma única pessoa que tenha um amigo tão generoso e altruísta como o engenheiro Santos Silva), pois existem indícios de que o ex-governante tinha quatro offshores.

 

Dizem, as más-línguas, claro, que Manuel Pinho terá recebido meio milhão de euros do GES enquanto governava.

 

Também Ricardo Salgado, o Midas português (ou Messias da banca, se preferirem) foi constituído arguido no caso EDP, pois, ao que parece, terá recebido mais dois milhões de euros de José Guilherme, por causa do crédito a um empreendimento ligado ao construtor.

 

Já Tomás Correia é suspeito de ter recebido milhão e meio de euros. O que só pode ser atribuído ao delírio especulativo dos jornalistas do “Expresso” e à maldade do MP.

 

O advogado de José Guilherme garante que o empresário se limitou a cumprir instruções de um amigo “a fim de garantir o futuro dos netos”, transferindo para uma conta que lhe foi indicada a quantia citada, mas desconhecendo que ela pertencia ao sr. dr. Tomás Correia.

 

Veem, o Pai Natal existe mesmo, mas não é lá muito equitativo. Aos nossos filhos, ou netos, dá-lhes brinquedos, mas aos filhos e netos dos nossos tímidos empresários oferece-lhes um pé-de-meia de meio milhão de euros. E, discreto como é, nem diz nada aos legítimos proprietários das contas bancárias.

 

Segundo o MP, o esquema entre Tomás Correia e Ricardo Salgado consistia no inventivo procedimento de um emprestar para o outro lhe dar.

 

Foram gestos deste tipo que fizeram com que José Guilherme pagasse a Ricardo Salgado catorze milhões de euros, justificados como um “presente”.

 

Pedro Santos Guerreiro, o suspeito e mal-intencionado diretor do “Expresso”, armado em esperto, atreve-se mesmo a concluir que nem é preciso “chegar à suspeita de corrupção, basta a suspeita de que Manuel Pinho recebeu dinheiro enquanto era ministro. Nunca tinha visto isto”. Ou então, “que se acumulem dois subsídios e se diga sem rir nem corar que isso é eticamente irrepreensível, é muito mais do que salvar a pele”.

 

Ora esta última tirada é direcionada a esse herói da democracia, do socialismo e da autonomia insular, que dá pelo nome de Carlos César, que, por puro acaso, é presidente do PS e membro do Conselho de Estado.

 

Os jornalistas do “Expresso” chegaram até a ousar fazer as contas e o atrevimento de dizer que César lucra mais de 300 euros com cada viagem aos Açores. Nos últimos dois voos, que realizou entre Lisboa e a Região Autónoma dos Açores, o lucro terá chegado aos 732 euros. Ou seja, por cada viagem a casa, Carlos César e os outros deputados dos Açores e da Madeira, têm lucro. 

 

Dizem por aí as más línguas do costume, com os jornalistas à cabeça, que os deputados do continente também demonstram comportamentos idênticos, conseguindo obter, com a mesma eficácia, o mesmo tipo de lucro. Mas para palavras loucas orelhas moucas.

 

Isto acontece sempre que os senhores deputados, magnânimos representantes do povo português, levantam o Subsídio de Mobilidade atribuído aos residentes nas Regiões Autónomas e aos que dizem morar fora da cidade de Lisboa, mesmo que residam a quinhentos metros da Assembleia da República.

 

Isto a juntar à ajuda de centenas de euros que recebem para custear as deslocações. Mas nestes, como noutros casos, há sempre uma ovelha ranhosa.

 

Não nos admiramos se, em breve, um incógnito deputado for objeto de um processo disciplinar por infringir as regras habituais, ou, então, por se armar em esperto, recusando prestar declarações falaciosas. Ele há gente capaz de realizar os gestos mais incríveis para conseguir dar nas vistas.


publicado por João Madureira às 07:15
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Outubro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9


24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Na Póvoa de Varzim

. 414 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. O cavaleiro

. ST

. Poema Infinito (427): O d...

. Olhares

. Olhares

. 413 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. ST

. Músicos

. Poema Infinito (426): O t...

. ST

. O Ferreiro

. 412 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (425): A h...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 411 - Pérolas e Diamantes...

. No jardim

. No elevador

. No museu

. Poema Infinito (424): A r...

. AR

. No museu

. 410 - Pérolas e Diamantes...

. Interiores

. Interiores

. Interiores

. Poema Infinito (423): O p...

. Interiores

. Interiores

. 409 - Pérolas e Diamantes...

. No Porto

. Passadeira de flores

. Passadeira de flores

. Poema Infinito (422): O v...

. Passadeira de flores

. Na igreja

. 408 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. No Barroso

. Sorriso

. Poema Infinito (421): O d...

. No Barroso

. Sorriso

.arquivos

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar