Segunda-feira, 17 de Setembro de 2018

409 - Pérolas e Diamantes: É só inquietação, inquietação...

 

 

A propósito do seu álbum de “Inéditos 1967-1999”, editado recentemente, José Mário Branco confessou ao Jornal de Negócios que quando tinha quatro anos, foram dar com ele a chorar, agarrado ao rádio. Perguntaram-lhe: “O que é que tu tens, Zé Mário?” Estava a tocar um minueto do célebre violoncelista Boccherini. Respondeu: “Eu quero tocar ’ito.”

 

José Mário Branco é um dos grandes compositores musicais portugueses. Ou seja, pode não tocar Boccherini, mas chegou longe. Coisa de génios.

 

Também eu, quando tinha quatro anos, em frente ao rádio Siera lá de casa, situada na rua Presidente Arriaga, em Lisboa, me punha a dançar quando passavam as músicas da moda. Dizia a minha mãe que eu até bailava bem.

 

Em noites de jantarada, muitos dos convidados, seduzidos pelos balanços da criança, davam-lhe dinheiro para os brinquedos e para as guloseimas. Hoje nem sequer me atrevo a dar um pé de dança nas festas familiares. Coisas dos medíocres.

 

De facto, cada um é para o que nasce.

 

Fora as devidas distâncias, alguma coisa temos em comum. Também eu me convenci que tinha nascido numa geração com a noção de que podia mudar o mundo. Ou melhor, com a noção de que era necessário mudar o mundo.

 

Na minha juventude era normal saltar de projeto para projeto, de ideologia para ideologia,  de radicalidade para radicalidade.

 

Quando se deu em o 25 de Abril eu era católico praticante, mas, em poucos meses, saltei para PC, por ser o sítio onde se podiam fazer coisas com um mínimo de organização e consistência. Apesar da adesão intempestiva ao marxismo-leninismo, que é uma filosofia política muito aborrecida e cheia de contradições, a história de Jesus nunca me abandonou. Continuo a achar que existe uma contradição profunda entre a história de Cristo e a instituição Igreja. Concordo com José Mário Branco quando ele diz que a história desse homem é uma das mais belas histórias, senão a mais bela, que a humanidade inventou.

 

Esse homem calmo e pacífico enfrentou com o seu exemplo e a palavra os dois grandes poderes (o judaico e o romano)  na terra onde nasceu, cresceu e morreu com apenas 33 anos. Foi ele que disse uma das coisas mais subversivas de sempre: “Deus és tu”, como quem declara: “Essa gente que diz que é dona de Deus, e que vive e domina a sociedade à custa disso, não serve para nada, está a perverter.”

 

A sua temporalidade é admirável.

 

Se nos situarmos na época, e até podendo relativizar o ponto de vista histórico e místico, o que aquele homem fez pela dignidade do ser humano é de facto notável.

 

Alérgico a partidarite, José Mário Branco saiu do Bloco de Esquerda, partido que ajudou a fundar. Disse na sua intervenção uma coisa com a qual me identifico plenamente: “Eu nunca saí de partido nenhum, os partidos é que saíram de mim.”

 

Nos partidos não se está para procurar realizar os valores da justiça da liberdade, está-se lá para “outras jogadas”. Por isso não se revê em nenhum partido. Nem ele, nem eu.

 

Considera que o mundo está muito feio. Tal como ele, também eu cresci num sistema em que havia opressão física, em que se a pessoa não cumprisse as regras arriscava-se a castigos físicos, à pancada, à prisão e à tortura, coisa que ele experimentou.

 

Agora a música é outra. José Mário Branco considera que o desenvolvimento da sociedade e do sistema em que vivemos é tal que, globalmente falando, a ditadura foi transportada para dentro do cérebro das pessoas por processos de massificação e atomização. Cada ser humano está sozinho. Há um processo de desculturação. Quanto menos souberes, melhor, quanto mais tiveres uma mente padronizada e reduzida a um único modelo, melhor. Portanto, “há uma capacidade incrível de recuperação da contestação”.

 

José Mário Branco viveu o Maio de 68 em França. Estava lá imigrado.

 

Nessa data memorável, houve uma catarse libertária lindíssima, que foi logo boicotada pelo PCF a troco de um aumento de salários de 10% nos acordos com Pompidou. O movimento reivindicativo durou um mês, com 2 milhões de operários em greve, com ocupações. Mas rapidamente se esboroou. Passados poucos meses desse aumento salarial, o custo de vida já tinha aumentado 12%. O saldo foi, portanto, negativo.

 

Entendamo-nos, o Maio de 68 não foi projeto de coisa alguma. Resumiu-se a um espetáculo libertário, a um ato de vida. A um grito.

 

“Debaixo do asfalto cresce a erva”. Foi bom enquanto durou.

 

José Mário Branco conta um facto a que assistiu e que define na perfeição o Maio de 68.

 

Ia no seu Fiat 600, subindo Le Boulevard Saint- Michel, quando avistou um grupo de 30 a 40 pessoas, desde o estudante anarquista e cabeludo, até ao senhor de gravata, passando pelas donas de casa com os sacos das compras, ou, ainda, os operários de fato-macaco, padres, novos, velhos e gente de meia idade.  Resolveu parar e perguntou, como quem se alivia: “Há algum problema? Ao que alguém respondeu: “Não, não. Estamos a discutir o que é ser feliz.” Isto para ele, e também para mim, define o Maio de 68. As pessoas divertiam-se a discutir umas com as outras.

 

Isto da revolução é como o Mito de Sísifo. Quando se está a atingir o topo da montanha, o penedo cai e volta a rolar montanha abaixo.

 

É, também, o paradigma da Esquerda, das ideias da fraternidade, da igualdade e da liberdade. Quando se está a conseguir esse objetivo, lá cai o rebo ao chão e toca a rolar até ao sopé da montanha. E lá volta o coitado do Sísifo a pegar no penedo e a subir a encosta.

 

Claro que também há algo de novo e que bate muito forte: a tal desculturação. Hoje já não há referências, não há contacto com os livros, com os livros de História. Hoje tudo se resume aos jogos informáticos. Até o poder.

 

Propostas: Música: Com Todo El Mundo – Khruangbin; Leitura: Pedro Páramo – Juan Rulfo; Viagens: http://www.destinosvividos.com/visitar-peneda-geres-ermida/; Restaurante: Zé Bota – Porto.


publicado por João Madureira às 07:15
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Novembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (431): A p...

. No Barroso

. No Barroso

. 417 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (430): Das...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 416 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (429): O d...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 415 - Pérolas e Diamantes...

. Em Chaves

. Em Chaves

. No Barroso

. Poema Infinito (428): Peq...

. No Barroso

. Na Póvoa de Varzim

. 414 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. O cavaleiro

. ST

. Poema Infinito (427): O d...

. Olhares

. Olhares

. 413 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. ST

. Músicos

. Poema Infinito (426): O t...

. ST

. O Ferreiro

. 412 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (425): A h...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 411 - Pérolas e Diamantes...

. No jardim

. No elevador

. No museu

. Poema Infinito (424): A r...

.arquivos

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar