Segunda-feira, 15 de Outubro de 2018

413 - Pérolas e Diamantes: Entre a pedagogia (demagogia?) e o empobrecimento

 

 

Inger Enkvist, uma professora Universitária sueca, já reformada, catedrática emérita de literatura espanhola e latino-americana, que é convidada para dar aulas da sua especialidade um pouco por todo o mundo, revelou-se crítica da “nova pedagogia”, o que no nosso país, onde prolifera o “eduquês”, significa quase ser proscrita.

 

Inger conhece bem os sistemas educativos onde o sucesso impera. Defende o regresso a uma escola onde os professores são a autoridade e os alunos aprendem em turmas de nível e “os pais têm uma palavra a dizer... mas em suas casas”.

 

Reconhece que não conhece muito bem o sistema português mas admite que Portugal fez um esforço enorme, tornando-se melhor.

 

Sobre as reformas admite que muitos países estão numa situação crítica. “No mundo ocidental tem havido uma agenda ideológica centrada na pedagogia, que não procura que o estudante aprenda – claro que é uma generalização. Como têm uma background marxista, dizem que os factos o são por pouco tempo, logo não é útil conhecê-los. Ser esta a visão central nos sistemas educativos provoca grandes estragos.”

 

Na sua entrevista ao Público não se mostrou apologista do “aprender a aprender” pois quando aprendemos alguma coisa é sempre específico.

 

O “aprender a aprender”, na sua opinião, deixa implícita a ideia de que se aprendeu alguma coisa que se pode usar noutras situações. Só que a investigadora afirma que não. “É preciso aprender factos para se ser capaz de pensar, compreender e chegar a conclusões. É preciso ter muito conhecimento para se ser capaz de pensar bem.”

 

“No 1º ano, o professor é quem abre o mundo do conhecimento às crianças, ao mesmo tempo que mostra como funciona a escola. Precisa de lhes dizer: É assim que se aprende e aprender é entusiasmante, vai mudar-te, vai tornar-te adulto, mas há regras às quais tens de obedecer.”

 

Também existe a ideia de que todas as crianças são iguais e que devem ter o mesmo e a escola é que deve adaptar-se. Mas para Inger Enkvist isso não é correto. É necessário haver outras opções.

 

Na sua opinião deve haver a possibilidade de escolha. E dá exemplos. Em Singapura existem turmas para os alunos que aprendem mais depressa. Na Finlândia existe ajuda extra para os alunos que aprendem mais devagar. Na Suíça existe a possibilidade de, aos 12 anos, se poder escolher cursos diferentes com mais ou menos disciplinas práticas.

 

E isso não é discriminação? Na sua opinião não. É, antes, preparar o aluno o melhor possível para o seu futuro.

 

“O que acontece a esses alunos é que se limitam a sobreviver na escola, na esperança de que, um dia, aquilo termine e sejam livres. Outros ficam tão aborrecidos que começam a fazer disparates porque não acham que o conhecimento seja importante. Na adolescência, diria que submeter os alunos a isso é maltratar psicologicamente.”

 

Se as crianças aos 4, 5 e 6 anos tiverem bons educadores, inteligentes e preparados, o normal é arrancarem bem, pois conseguem facilmente aprender bem a língua e adquirem bons hábitos sobre como se comportar na sala de aula.

 

Sobre a razão de no Reino Unido e em Portugal ninguém querer ser professor, Inger é taxativa: “É um problema também noutros países. Em comum, têm o facto de terem introduzido a ‘nova pedagogia’ que diz que o estudante tem direitos e não é obrigado a obedecer ao professor. Quando o aluno pode entrar ou sair da sala de aula, quando pode chegar e não trazer os trabalhos feitos, ou pode dirigir-se ao professor de forma desrespeitosa, ninguém quer ser professor.”

 

O ensino funciona nos países onde os professores trabalham com grupos com as mesmas necessidades. É mais fácil que estes alunos aprendam ao mesmo tempo.

 

O “eduquês” é fruto das duas ideologias recorrentes, pois tanto uma como outra defendem que todos devem ter uma atenção pessoal. A de esquerda afirma que todos somos iguais e que não é necessária ajuda para se tornar igual. A de direita declara que todos têm direito a atenção, direito à livre escolha, a ser um agente livre para fazer o que quer.

 

Só que ambas estão erradas. “A coisa correta é ter bons professores que ensinem bons programas e dar-lhes autoridade.(...) Deixem os professores serem os orientadores.”

 

E então qual é o papel dos pais? Para Inger Enkvist, o que é normal é os pais providenciarem uma boa educação em casa: boa alimentação, boas noites de sono, ensiná-los a sair para brincar e garantir que chegam à escola a horas.

 

Também lhe devem fornecer estímulos intelectuais, conversarem juntos sobre o que se passa no mundo e perguntar-lhes o que aprenderam.

 

Na sua opinião, os pais nunca devem falar mal dos professores. Podem dizer: “Se fosse eu não faria assim, mas aprende tudo o que puderes com essa pessoa.”

 

Nas férias, os pais devem ir com os filhos para a rua e depois pô-los a ler. Ler pelo prazer. Até podem oferecer uma recompensa: “Lê dez livros e oferecemos-te uma viagem.”

 

Se não forem bons leitores, não serão bons alunos.

 

Os melhores pais não são aqueles que dão tudo a troco de nada. É necessário ter a coragem de dizer não. “Não compreendem como é importante dizer ‘não’ a alguém de quem gostam.”

 

É errado apostar nos ecrãs como principais difusores de conhecimento. “Através dos ecrãs as crianças não recebem os estímulos necessários para aprender e com o nosso dinheiro estamos a empobrecê-los.”


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Novembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (431): A p...

. No Barroso

. No Barroso

. 417 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (430): Das...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 416 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (429): O d...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 415 - Pérolas e Diamantes...

. Em Chaves

. Em Chaves

. No Barroso

. Poema Infinito (428): Peq...

. No Barroso

. Na Póvoa de Varzim

. 414 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. O cavaleiro

. ST

. Poema Infinito (427): O d...

. Olhares

. Olhares

. 413 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. ST

. Músicos

. Poema Infinito (426): O t...

. ST

. O Ferreiro

. 412 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (425): A h...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 411 - Pérolas e Diamantes...

. No jardim

. No elevador

. No museu

. Poema Infinito (424): A r...

.arquivos

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar