Segunda-feira, 29 de Outubro de 2018

415 - Pérolas e Diamantes: A instabilidade protocolar de D. Duarte Pio

 

 

Duarte, duque de Bragança, afirmou aos jornais que o presidente Marcelo atua como se fosse um rei. De facto, é difícil defender a monarquia com um Presidente da República tão popular.

 

O nosso putativo rei considera que um presidente que atua como se fosse um rei é um ótimo presidente. Já os maus presidentes são aqueles que têm um comportamento contrário àquele que teria um rei.

 

O que seria melhor para os portugueses era mesmo ter verdadeiramente um rei em vez de um bom imitador.

 

Pio, confirma que o sr. Marcelo atua como se fosse um rei, até porque é “uma pessoa inteligente, culta, com uma boa formação ética e percebe aquilo que o povo português gosta de ter num chefe de Estado”. Percebe-se o elogio.

 

Só que depois estende esse panegírico ao general Ramalho Eanes, que era uma pessoa muito metida em si, com cara de pau, recatado e homem de poucos sorrisos e ainda menos palavras. D. Pio considera que, se ele reinasse, seria o monarca dos afetos, pois possui a mesma proximidade do sr. Marcelo quando se desloca à província a visitar os seus súbditos.

 

Quando inquirido sobre qual seria a vantagem de termos um rei em Portugal, D. Duarte, em vez de definir a “sua” monarquia, atacou virulentamente a primeira República e elogiou veladamente a República de Salazar.

 

A primeira porque foi feita de revoluções e golpes. A segunda, a de Salazar,  foi, na sua opinião, “paz e tranquilidade e um certo progresso económico, mas em regime não democrático”. Já a terceira, a atual, voltou à democracia e com ela “regressou a instabilidade económica e política”.

 

Parece óbvio que a “sua” monarquia se aproximaria muito da segunda República, apesar do pequeno detalhe da falta de democracia.

 

Deduziram, os jornalistas, que D. Duarte Pio não aprecia o 25 de Abril. Resolveram mesmo questioná-lo sobre isso. Ele, o nosso putativo rei, respondeu: “Eu respeito e simpatizo com o idealismo de muitos oficiais que fizeram o 25 de Abril mas, de facto, houve uma ingenuidade muito grande. Uma falta de preparação política enorme” provocada pela segunda República.

 

Para ele, o maior pecado da segunda República nem sequer foi “o regime não democrático”, mas sim a circunstância de “não ter preparado os portugueses para a vida política”.

 

Um dos muitos defeitos desta nossa República “instável” é o desperdício.

 

Seguiu-se a crítica ao poder autárquico: “O país está cheio de rotundas e de obras monstruosas.”

 

Também acha um desperdício de dinheiro, ou melhor, considera um luxo fazer autoestradas e coisas desse género. O melhor mesmo era andarmos de burro ou nas caleches de antigamente, atravessando a galope os caminhos de terra, em que cada viagem era uma autêntica aventura.

 

Critica ainda o défice de formação, sobretudo o défice de formação clássica. Afinal, por que razão a democracia acabou com os liceus e escolas técnicas?

 

Deu como exemplo de educação técnica “os bombeiros que têm uma formação muito baixa e muitas vezes acabam por ser vítimas dessa situação”.

 

Duarte Pio, apesar de aristocrata, no seu dia a dia vive com poucos luxos. Viaja sempre em classe turística nos aviões e usa os transportes públicos. Apenas no comboio vai em primeira classe. Por vezes também apanha o 28, no Chiado, mas com cuidado, pois há por ali muitos carteiristas.

 

Uma vez, nos Restauradores, no meio da multidão sentiu uma mão enfiada na sua gabardine e deu um grito ao homem. Ele disse: “Ai, desculpe, não vi quem era.” Agora, os carteiristas do 28, já o cumprimentam. Não há como conhecer os ladrões para não se ser roubado.

 

Revelou que não vota nas eleições presidenciais nem nas eleições para o Parlamento, apenas costuma votar nas autárquicas, porque considera que o que interessa é a qualidade pessoal do presidente da Câmara e não a etiqueta partidária com que ele vai concorrer.

 

Mas a República ainda não conseguiu resolver um problema premente. Nesse sentido, houve uma petição apoiada por personalidades tão relevantes como Lobo Xavier ou Rui Moreira pela inclusão do Duque de Bragança na Lei do Protocolo de Estado.

 

Essa petição, organizada pela Casa Real, tem vários motivos. Um deles tem a ver com os convites oficiais, tanto ao nível do Governo como ao nível de Câmaras, ou outros. Nunca ninguém sabe onde o devem colocar.

 

Para nos inteirarmos do problema que implica essa lacuna no Protocolo, deu um exemplo paradigmático.

 

Nas cerimónias fúnebres do presidente Mário Soares, nos Jerónimos, as meninas do Protocolo, pois o próprio protocolo protocola que devem ser meninas, puseram-no na quarta fila, com os embaixadores. Depois, veio uma senhora do Protocolo, já um pouco fora dele, e levaram-no para a segunda fila.  A seguir veio outra pessoa do Protocolo dizer que não estava bem ali e colocou-o numa cadeira à parte. Este tipo de situação é provocado pelo facto de o Protocolo de Estado não dizer qual é a sua posição... no protocolo.

 

De facto, a República Democrática é uma bandalheira, pois, nas cerimónias oficiais, andam com o D. Duarte Pio aos baldões.

 

Assim, nem o D. Duarte Pio descansa, nem a República se estabiliza e enobrece.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Novembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (431): A p...

. No Barroso

. No Barroso

. 417 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (430): Das...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 416 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (429): O d...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 415 - Pérolas e Diamantes...

. Em Chaves

. Em Chaves

. No Barroso

. Poema Infinito (428): Peq...

. No Barroso

. Na Póvoa de Varzim

. 414 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. O cavaleiro

. ST

. Poema Infinito (427): O d...

. Olhares

. Olhares

. 413 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. ST

. Músicos

. Poema Infinito (426): O t...

. ST

. O Ferreiro

. 412 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (425): A h...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 411 - Pérolas e Diamantes...

. No jardim

. No elevador

. No museu

. Poema Infinito (424): A r...

.arquivos

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar