Segunda-feira, 7 de Janeiro de 2019

424 - Pérolas e Diamantes: A luta pela linguagem

 

 

O termo “Novilíngua” apareceu no retrato arrepiante que George Orwell fez acerca de um Estado totalitário ficcionado.

 

A primeira coisa que a esquerda fez, especialmente a comunista, foi apropriar-se da linguagem. Coisa que, para o bem e para o mal, mantém até aos dias de hoje.

 

Os marxistas-leninistas, imbuídos da sua superioridade intelectual, lutaram desde sempre pela linguagem, pois o marxismo oferecia, e continua a oferecer, os rótulos convenientes para moldar as ideias dos amigos e dos inimigos, sempre com o objetivo último de dramatizar os conflitos entre ambos.

 

Mas, como nos lembra Roger Scruton, o aprisionamento da linguagem pela esquerda é bem mais antigo. Começou com a Revolução Francesa e os seus slogans.

 

O que sempre lhe interessou foi distinguir os que partilhavam da sua visão e os que dela divergiam. Sendo que os mais perigosos eram os que divergiam por uma margem tão mínima que ameaçavam misturar as suas energias com as dos infalíveis, conspurcando dessa forma o fluxo puro da ação revolucionária.

 

Logo desde o início foram precisos rótulos para estigmatizar os inimigos internos e justificar a sua expulsão, quando não o seu aniquilamento puro e simples. Havia que identificar os revisionistas, os esquerdistas infantis, os desviacionistas, os socialistas utópicos, os sociais-fascistas e toda a restante fauna pseudorrevolucionária.

 

A divisão entre mencheviques e bolcheviques, resultante do II Congresso do Partido Trabalhista Social-Democrata russo em 1904, resumiu, na perfeição, todo esse processo.

 

Tudo não passou de mais uma mentira fabricada e cristalizada, pois, como todos sabemos, os mencheviques (minoria) eram afinal a maioria.

 

O sucesso de tais rótulos na marginalização e na condenação dos opositores, fortaleceu a convicção comunista de que podíamos mudar a realidade se mudássemos as palavras.

 

Dessa forma foi possível combinar o poder absoluto do Partido Comunista com o livre consentimento do povo, anunciando e impondo a regra comunista como “centralismo democrático” ou ainda apresentar a ditadura do proletariado com a mais plena das formas democráticas, na implementação das “democracias populares”, em contraponto com as democracias burguesas.

 

A Novilíngua, como explica Scruton, tem lugar sempre que o propósito primordial da linguagem (que é descrever a realidade) é substituído pelo propósito rival que é o de exercer poder sobre a realidade.

 

A artimanha maior do marxismo foi a de ter conseguido apresentar-se como uma ciência. Fazendo a distinção entre ideologia e ciência, Marx propôs-se provar que a sua própria ideologia era uma ciência.

 

E fê-lo de forma simples, afirmando que as teorias do Estado de direito, da separação de poderes, do direito à propriedade, etc., apresentadas por Montesquieu e Hegel, mais não eram do que tentativas falhadas de encobrir, ou justificar, a ordem burguesa e os seus aparelhos de poder, de forma a manter os privilégios.

 

Ao expor tal ideologia como uma pretensão meramente interesseira, a teoria de classes marxista reivindicava para si o título de objetividade científica.

 

Mas este caminho unilateral leva-nos a uma espécie de perda espiritual que ocorre sempre quando as pessoas sentem mais prazer em minimizar os outros do que em se elevarem.

 

Os conceitos que resultam de um diálogo normal advém da necessidade de compromisso, de obter concordância, de estabelecer uma coordenação pacífica com pessoas que não partilham dos nossos projetos ou das nossas preferências, mas que necessitam tanto de espaço como nós.

 

O objetivo da sociedade é conduzir a nossa vida social de forma a que não se imponha o ressentimento. Por isso, é necessário viver em ajuda mútua e no companheirismo, não para nos tornarmos iguais e inofensivamente medíocres, mas para ganharmos a cooperação dos outros nos nossos pequenos sucessos. Isso é o contrário do nivelamento por baixo defendido e propalado pela esquerda radical.

 

Todos sabemos que a esquerda cometeu muitos crimes. E a direita também. Nisso equivalem-se. No entanto, deve indignar-nos que os crimes cometidos pela esquerda recebam uma absolvição que os de direita não conseguem.

 

A esquerda reivindica para si a mesma capacidade das religiões em autorizar o crime e lavar as consciências daqueles que foram coniventes.

 

Só uma abordagem religiosa pode levar-nos à compreensão do fascínio que o comunismo exerceu sobre os jovens intelectuais entre guerras.

 

O Partido Comunista satisfez essa necessidade oferecendo não apenas a doutrina e o compromisso, como também a autoridade e a obediência.

 

As organizações clandestinas criaram bandos de anjos que se moviam entre o comum dos mortais, coroados com um halo reconhecido e identificado, sobretudo, por eles próprios. Em Portugal, o caso de Álvaro Cunhal foi paradigmático.

 

A sua doutrina era muito simples: prometer um caminho de luta heroica tendo em vista um futuro radioso.

 

A utopia era um bem precioso. De facto, era a única coisa confiável porque, precisamente, não continha nada de real.

 

Exigia sacrifício e compromisso. E isso enchia a vida de significado, pois era a fórmula mágica que transformava o negativo em positivo, ou seja, transformava um ato destrutivo num ato criador.

 

Tudo isso resultou num dos maiores embustes da História.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.pesquisar

 

.Março 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (449): Inc...

. ST

. Na aldeia

. 434 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Mulheres

. Na aldeia

. Poema Infinito (448): O g...

. Na aldeia

. Na conversa

. 433 - Pérolas e Diamantes...

. No elevador do CCB

. Em Paris

. Em Paris

. Poema Infinito (447): Des...

. Em Paris

. Em Paris

. 432 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. ST

. Perfil

. Poema Infinito (446): O p...

. Interiores

. Olhares

. 431 - Pérolas e Diamantes...

. Cavalos e cavaleiros

. Cavalos e cavaleiros

. Cavalos e cavaleiros

. Poema Infinito (445): O e...

. Cavalos

. Cavalos e cavaleiros

. 430 - Pérolas e Diamantes...

. Em Paris

. Em Paris

. Em Paris

. Poema Infinito (444): Mor...

. Em Paris

. Em Paris

. 429 - Pérolas e Diamantes...

. No feminino

. No feminino

. No feminino

. Poema Infinito (443): As ...

. No feminino

. No feminino

. 428 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. HF

. Na aldeia, ao sol

. Poema Infinito (442): O q...

.arquivos

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar