Segunda-feira, 4 de Fevereiro de 2019

428 - Pérolas e Diamantes: Que não nos faltem as palavras

 

 

Quando quis falar, mandaram-me calar. Quando me calei, admiraram-se com o meu silêncio. Concluo que eles só me concedem o direito de palavra quando estou de acordo com eles.

 

O seu silêncio não significa que estejam a tentar esquecer. O que eles têm é medo de  recordar.  E conservam-no.

 

É curioso verificar que os amigos não têm as mesmas ideias que nós e aqueles que as têm não são nossos amigos.

 

Bernardino Machado escreveu que há uma lei na história da humanidade que domina todas as outras: “Nenhuma instituição vive, se sustenta e se radica senão pelo amor à liberdade.”

 

Os  democratas liliputianos da atualidade não se devem esquecer disso.

 

Parece que o nosso Estado de Direito foi construído com tijolos de corrupção, mentira e desconchavo ideológico cozidos nos fornos dos aparelhos partidários.

 

Com democratas deste calibre não precisamos de fascistas para nada.

 

Esta nossa República assemelha-se muito aos anos finais da monarquia onde, como escreveu Bernardino Machado, os homens estavam cada vez mais divididos por ambições e interesses. “Dum lado os Fósforos, do outro os Tabacos.”

 

Também agora, como nesse tempo, os homens vão dia a dia diminuindo de estatura moral.

 

Raul Brandão, nas suas memórias, escreveu a 2 de dezembro de1907: “O D. Carlos a um oficial do exército, depois da luta com o João Franco, das descomposturas ao rei, etc. – e referindo-se aos políticos: – Tu ouve-los falar, não é verdade? Pois se lesses as cartas que todos os dias me escrevem, e que estão ali naquela gaveta, enchias-te de nojo.”

 

Foucault tinha razão. Existem na vida momentos em que a questão de saber se é possível pensar de forma diferente de como se pensa e aprender de forma diferente de como se vê se torna indispensável para continuar a olhar e a refletir.

 

Todas as ilusões utópicas costumam acabar sempre da mesma maneira. Cito o poema de Manuel António Pina: “(...) O café agora é um banco, tu professora do liceu; / Bob Dylan encheu-se de dinheiro, o Che morreu. / Agora as tuas pernas são coisas úteis, andantes, / e não caminhos por andar como dantes.”

 

A desilusão é sempre a mesma: quem andou já não tem para andar.

 

E também trago à liça esse grande dia com que todos sonhamos, pelas versos de W. B. Yeats, pois já que nos sobram as lágrimas, que não nos faltem as palavras: “Viva a revolução e o tiro das armas! / Um mendigo a cavalo chicoteia um mendigo a pé. / Viva, voltou a revolução e o tiro das armas! / Os mendigos trocaram de lugar, mas o chicote permanece.”

 

Os conceitos que resultam de um diálogo normal advêm da necessidade de compromisso, de obter concordância, de estabelecer coordenação pacífica com indivíduos que não partilham dos nossos projetos ou das nossas preferências, mas que necessitam tanto de espaço como nós.

 

A grande astúcia do marxismo foi apresentar-se como ciência. Ao estabelecer a pretensa distinção entre ideologia e ciência, Marx propôs-se provar que a sua própria ideologia era uma ciência em si mesma. O que é uma falácia autoinduzida.

 

A objetividade científica foi-a buscar à pretensão interesseira da teoria de classes.

 

A análise marxista de classes, as teorias do Estado de Direito, a separação de poderes, o direito à propriedade, etc., exposta pelos pensadores “burgueses” como Montesquieu e Hegel, demonstrou não procurar a verdade mas os aparelhos de poder, que mais não são do que formas de manter os privilégios conferidos pela ordem burguesa.

 

Os marxistas numa coisa são peritos: em instigar um sentimento de superioridade moral aos seus apaniguados, resultando na perda espiritual que se manifesta quando as pessoas sentem mais prazer em minimizar os outros do que em se elevarem.

 

O objetivo dos democratas baseia-se  na intenção manifesta de conduzir a nossa vida social de forma a que não exista ressentimento. Devemos viver em ajuda mútua e em verdadeiro companheirismo, não para nos tornarmos iguais e inofensivamente medíocres, mas para conquistarmos a cooperação dos outros nos nossos pequenos sucessos.

 

Os marxistas também são bons em inventar o passado para distorcer o presente e impor um futuro feito à sua imagem e semelhança. Os seres humanos, na sua definição, apenas são “forças”, “classes” e “ismos”. As instituições jurídicas, morais e espirituais apenas ocupam um lugar marginal ou são introduzidas na sua argumentação somente quando podem ser facilmente identificadas em termos das abstrações que se justificam a si próprias.

 

Parece que, para a esquerda atual, a livre economia não é à propriedade privada, mas a propriedade privada dos outros.

 

Por outro lado, a esquerda urbana e bem colocada, mostra-se perturbada pela exibição de posse por parte das pessoas banais e correntes, grosseiras e sem educação.

 

O “consumismo” para ela não resulta da democracia, é apenas a sua forma patológica.

 

Ou seja, o resultado destas lutas sociais todas é que as ditas classes, tal como agora existem, continuam fluidas, temporárias e sem aparentes atributos morais.

 

Na verdade, existem nitidamente duas classes sociais: os empregados e os desempregados. Nenhuma tem o monopólio do poder sobre a outra, pois o processo político em curso fornece a cada uma defesa contra a coesão.  A nossa querida democracia possibilitou que entre as duas exista a máxima mobilidade social. A social-democracia e o socialismo democrático resultaram nisto.

 

Empregado hoje, desempregado amanhã. Desempregado hoje, empregado amanhã. Pelo meio vai-se vivendo às custas do Estado.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito (1)

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Maio 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

13

23
24
25

26
27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Semana Santa - Barroso

. Na conversa

. 443 - Pérolas e Diamantes...

. Em Torgueda

. Ao portão com um sorriso

. Quaresma

. Poema Infinito (456): O v...

. Cozinha Barrosã

. Pastor

. 442 - Pérolas e Diamantes...

. No túnel

. No miradouro

. Na cozinha

. No forno

. No monte

. 441 - Pérolas e Diamantes...

. Na Abobeleira

. Na aldeia

. No Barroso

. Poema Infinito (455): O â...

. Na aldeia

. No Barroso

. 440 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. Na aldeia

. No Barroso

. Poema Infinito (454): O f...

. No Barroso

. No Barroso

. 439 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. ...

. No Barroso

. Poema Infinito (453): A n...

. No Barroso

. No Barroso

. 438 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. Na aldeia

. São Sebastião - Couto Dor...

. Poema Infinito (452): Hes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. No Couto de Dornelas

. 437 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (451): Os ...

. No Barroso

. No Barroso

.arquivos

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar