Segunda-feira, 11 de Fevereiro de 2019

429 - Pérolas e Diamantes: Os de cá e os de lá

 

 

Há pessoas que depois de passarem pela vida parecem carvalhos feridos. São aqueles que teimaram em resistir, que insistiram em se sacrificar na defesa do bem público como o faziam os homens de Atenas em nome do ideal de humanidade.

 

Passamos a vida a fazer truncagens discretas, a pôr efeitos especiais nas nossas existências, a montar novamente o filme das nossas vidas. Mas mudar os enquadramentos não altera a história do filme. Uns ficam-se pela realidade trivial. A outros basta-lhes o genérico.

 

Alguns dizem que há dores deliciosas. Esses são os adeptos das grandes peregrinações. Dizem que não lhes interessa o lugar de destino mas o prazer de caminhar. São os que nunca chegam a lado nenhum. Há gente para tudo.

 

Maomé disse que denunciar uma maledicência sobre um amigo a esse amigo é dizer mal dele. Os de cá pensam o contrário. Alá é grande, Deus é misericordioso. Todas as religiões são um jogo de espelhos. Refletem a nossa imagem, mas sempre ao contrário.

 

Está na moda integrar tudo e todos. Curiosamente, cada vez me sinto mais desintegrado. A maior integração é a da idiotice. Dizem que a integração muda tudo. É mentira, não muda nada. Muda é as pessoas de lugar, para se sentirem bem em todo o lado. Quem é de todo o lado, não é de lado nenhum. E esse é o pior sentimento do mundo.

 

Desgraçados dos desenraizados. Desgraçados dos transfronteiriços. Quem não tem chão que possa chamar seu não pode viver descansado, nem pode morrer em paz. Isso dizia a minha avó que sabia sempre o que dizia. E a quem o dizia.

 

A esquerda caviar e todos os burgueses enfatuados gostam de se refugiar no luxo absoluto do despojamento de Marraquexe. Aí é que reside a verdadeira integração. Uns dias de repouso em trabalho e tudo fica resolvido nas suas consciências. No parlamento europeu lá se aprovarão umas leis para os cidadãos cá do continente tomarem consciências dos hologramas que elegeram para os representarem.

 

Os beurs que matem, que se matem, ou que se deixem matar.

 

Os negros são bonitos é na televisão. A andarem de um lado para o outro, sempre no mesmo enredo filmados por brancos que se deliciam em mostrar ao mundo a sua desgraça. Eles ficam tão bem na televisão, sempre tão desamparados, tão desgraçados, tão carentes. Que linda pode ser a desgraça alheia. Que lindos filmes faz, que lindas fotografias dá, que belos telejornais abre. E origina romances inebriantes. E poemas vibratórios. E ensaios pungentes. Há investigações interessantíssimas sobre a desgraça alheia dos beurs.

 

Existe uma certa exasperação no mundo ocidental pelo singelo motivo de os seus líderes serem incapazes de provar que têm razão. Daí o procurarem em vão uma arbitragem. Na ONU é tudo boa gente. Todos bons rapazes. E raparigas. Mas atualmente, onde se encontram opiniões sinceras? Além disso, já ninguém leva a sério as organizações dos enfatuados bem pensantes. As Nações Unidas tornaram-se irrelevantes e inoperantes, por isso têm à sua frente um português que fugiu do pântano português para se ir enterrar nas areias movediças da ONU.

 

Mas os turistas europeus alternativos, os tais que acreditam na ONU, nas ONG’s e na “Alice no País das Maravilhas” desunham-se para irem até ao Magrebe (leia-se Marraquexe, praça de Jemna el-Fna) munidos de trouxa leve, óculos de sol ray-ban de lentes polarizadas anti-UV, calções tipo jogadores de golfe ou calças de algodão ventilado, polos da Lacoste, chinelas de meter no dedo, ou ténis sem atilhos, bolsa de toilette com produtos para o cuidado da pele, leite hidratante après-soleil, creme antirrugas, esfoliante e, sobretudo, o seu complemento intelectual: Rimbaud em formato de bolso. E ali ficam a deliciar-se com a pobreza dos berberes enquanto bebem deliciosos sumos e degustam iguarias próprias dos príncipes da Renascença. Vale-lhes serem União Europeia, espaço Schengen.

 

Como dizem os muçulmanos, esses furadores de fronteiras, sejam elas de que tipo forem, o mundo é um passador de couscous.

 

Como dizia a minha avó: pobre de quem é pobre.

 

Os do lado de lá esperam pacientemente pela recompensa do medo.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (478): O V...

. ST

. No Louvre

. 464 - Pérolas e Diamantes...

. No Porto

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. Poema Infinito (477): Tox...

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. 463 - Pérolas e Diamantes...

. Amizade

. Na feira

. Interiores

. Poema Infinito (476): Via...

. ST

. Expressões

. 462 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (475): Bre...

. No Barroso

. No Barroso

. 461 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. No Barroso

. Em Lisboa

. Poema Infinito (474): Ven...

. Na Póvoa de Varzim

. Em Paris

. 460 - Pérolas e Diamantes...

. Póvoa de Varzim

. Póvoa de Varzim

. Bragança

. Poema Infinito (473): Dis...

. Porto

. Paris

. 459 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Farinha de milho

. Fato

. Poema Infinito (472): O a...

. Na aldeia

. Sorrisos

. 458 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. No elevador

. S. Lourenço

. Poema Infinito (471): O s...

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar